Comer, beber, viajar, coisas de ler e de ouvir. Rodrigo Levino

Comer, beber, viajar, coisas de ler e de ouvir.

/// Cervejas esquisitonas

O site americano Slashfood listou 10 cervejas com sabores que eles consideram “malucos”, tais como pizza, torta de limão e pimenta chipotle. Se formos ver bem, a adição de elementos estranhos na cerveja é um costume bastante tradicional: veja só o exemplo das cervejas frutadas tipo lambic, fabricadas há seculos na Bélgica (neste link, você pode comprar uma que tem gosto de cereja). Só nesta semana, eu recebi a notícia do lançamento de duas brejas fora do comum. Uma é a italiana Noel, que supostamente traz notas de passas e chocolate para combinar com a sobremesa da ceia de Natal. A outra é a brasileira Due, feita para comemorar os dois anos do bar de cervejas Melograno. O nome do boteco significa romã, e a bebida tem essa fruta na lista de ingredientes.
Qual foi a cerrveja mais bizarra que você já tomou?


/// Empabúrguer e outras comidas híbridas

Volta e meia chega aqui um release (comunicado de assessoria de imprensa) inusitado. Hoje recebi a notícia de que o Rancho da Empada lançou o empabúrguer, um misto de empada com hambúguer. Parece bizarro, mas nada mais é que um hambúguer recheado de queijo, coberto com massa e gergelim e assado no forno.  Eu experimentaria na boa.

Não digo o mesmo dos tacos de espaguete criados pelo programa infantil iCarly, da rede Nickleodeon. Foi uma brincadeira, mas virou febre nos Estados Unidos. Foi até alvo de reportagem do New York Times.

Pizza de canelone? Sushi de brigadeiro? Conte aí qual foi o prato híbrido mais bizarro que você já encontrou e, espero, provou.


/// Um drinque no inferno

Finalmente descobri um boteco — boteco mesmo, sem nada de chique — ótimo para almoçar aqui ao lado da Abril. É o Erva Doce, na esquina da rua Paes Leme com a Eugênio de Medeiros, em Pinheiros. A comida é ótima, mas não é por isso que escrevo. O longo cardápio tem uma modesta seção dedicada aos “cocktails” (uau, em inglês correto!). Bom, o que temos nesta seção? A ver:

Drink dos Deuses
Leite de coco, suco de maracujá, groselha, leite condensado, cachaça e gelo picado

Sonho dos Anjinhos
Chambinho, pinga, catuaba, leite em pó, açúcar, pedras de gelo e groselha.

Chambinho com catuaba??? Meu Deus, esse barman é o Belzebu disfaçado! São algumas das piores combinações que eu conseguiria imaginar para um coquetel. Em teoria, porque eu não bebi. Nem vou beber… será?


/// Prédios que parecem comida

Do blog Urlesque.

/// Dia da Pizza

Não vejo o menor sentido na data. Ia ignorar. Até que eu vi no G1 esta sensacional pizza baiana que leva queijo de coalho, rapadura e três pimentas: do reino, calabresa e dedo-de-moça. Deus me livre. E feliz Dia da Pizza.

/// Fast food transformer

“Sim, ainda faz mal — mas veja como pode ficar bonito.” Esse é o slogan do blog anônimo Fancy Fast Food, que pega a comida podreira de redes como o McDonald‘s e White Castle, desconstrói e remonta como se fosse um prato de alta cozinha. Tudo usando apenas os componentes do lanche original. Os tortellini da foto maior, por exemplo, foram feitos com burritos de frango do Taco Bell e os saquinhos de molho que os acompanham (foto menor). Virou tacobellini. Os passos da transformação são exibidos em detalhes no Flickr.
Dica da Mariana.


/// Compre Tarako


Este longo, estranho comercial japonês vende Tarako, que são ovas secas de bacalhau adoradas no arquipélago nipônico. Veja os vídeos relacionados para mais bizarrices nipo-bacalhoeiras.


/// Câmara dos Lordes decide: Pringles é batatinha


Uma emocionante batalha judicial envolvendo a Procter & Gamble e o fisco britânico terminou com uma sentença mais ou menos óbvia: a batatinha Pringles é mesmo batatinha. A razão da pendenga é a categoria fiscal em que a Pringles se encaixaria. No Reino Unido, a batata é mais taxada que os salgadinhos — categoria em que a P&G pretendia encaixar a Pringles, que é feita de farinha de batata (40%), milho, arroz e trigo. A história completa dessa epopéia tuberculística está neste artigo do New York Times. Dica do Ricardo.


/// Refrigerantes esquisitos


O blog Now That‘s Nifty, que compila tudo o que é tranqueira estranha da internet, traz uma lista de refrigerantes com sabores bizarros, engraçados ou simplesmente de venda limitada a uma determinado região (o post está em duas partes: 1 e 2). Tem até o guaraná Antarctica. Alguns destaques:
Calpis, bebida japonesa que parece um Yakult com gás.
O tradicional guaraná Jesus, do Maranhão.
Irn-Bru, a bebida nacional da Escócia (uísque? o que é isso?), feita de gengibre.
As edições especiais da Jones Soda, que já vieram nos sabores: peru ao molho, couve-de-bruxelas, cassarola de vagem e antiácido.


/// Água sabor manteiga


Butter Water: 90% mais manteiga que a água mineral normal.


/// Homem come tijolos

Vem da Índia, assim como a recordista de comer pimentas. Divirtam-se.


/// Frango inteiro enlatado


Isso mesmo, frango inteiro enlatado. Existe, onde mais?, nos Estados Unidos. Post emprestado do blog I Hate My Message Board. Quer ver que o que tem na lata? Quer mesmo? Então clique aqui e não reclame depois.
Atualização: há um outro post sobre miolos suínos em molho de leite, mas deste eu não tive coragem de publicar a imagem.


/// Monstro marinho


Que raio essa coisa está fazendo num blog de comida? Que raio, não: que raia. É um peixe seco, e peixe seco é comida. Trata-se de uma Jenny Haniver (aqui em inglês), espécie de carranca feita com raias secas e mutiladas ao ponto de parecer gremlins ou coisa do tipo. Os autores da obra seriam trabalhadores das docas de Antuérpia, Bélgica, que as vendiam como souvenir lá pelos anos 1500. A Wikipédia em inglês chega a dizer que o nome seria uma corruptela cockney de jeune d’Anvers, ou “jovem de Antuérpia” em francês. Sei lá. O verbete em português é tão ruim (toma como hipótese principal a existência de um monstro marinho) que eu decidi não usar o nome que eles dão à coisa, garadiávolo.
Mas a foto está aí. Foi tirada num mercado do Japão pelo blog Pink Tentacle.


/// Brincando com comida


Desisti de tentar entender os japoneses. Aqui temos um toboágua para macarrão somen.


/// Cheetos: + gigantes, + furiosos


World’s Largest Cheeto and the Optimus Maximus from Gizmodo on Vimeo.

Quando achava que os Cheetos gigantes já eram dose para elefante, eis que surge isto: a redação do blog Gizmodo nos Estados Unidos recebe um saco, de tamanho ordinário, com apenas um cheeto (esta palavra existe no singular?) de tamanho absolutamente extraordinário. Adam Frucci se incumbiu da inglória tarefa de devorar o petiscão (suas impressões estão no vídeo e neste texto).
Um amigo meu duvidou da existência de tal aberração, dizendo que o cheetão era uma piada da redação do blog. Contatei outro amigo, o Pedro Burgos, que trabalha no Gizmodo aqui no Brasil e fala com o Frucci o tempo todo. A coisa é verdadeira. Infelizmente. Trata-se de uma peça promocional semicomestível.
Por sinal, a Elma Chips (Frito Lay, nos EUA) mandou uma saco de 5 kg de Doritos para a redação da VIP no ano passado. Após uma semana e meia sendo consumido aos poucos, em emergências e desatinos dos profissionais, o presente desapareceu misteriosamente.