Já viu esse Instagram de decotes no blog do Ricardo Lombardi, certo?

Rápido contexto para você que está pegando o bonde em movimento. No capítulo anterior ele hesitou — como sói acontecer aos heróis nos momentos de tensão — e não respondeu de pronto à indagação crucial. Agora você está dentro da cena em que eles recebem Nina e o marido desempregado — e rico — para um jantarzinho.

Para recuperar a história é aqui.

————

O risoto já havia sido servido e elogiado e agora rolavam os after dinner drinks. Nina é filha de uma socialite carioca que faz fundraising com estrelas globais para enviar dinheiro às criancinhas africanas. Às vezes fazia o modelo vaporosa-esvoaçante-transparente, em outras aparecia de short, camiseta do Greenpeace e havaianas. O marido desempregado (e rico) é um tipo gente boa sorridente.

– O que a gente mais gostou foi o céu azul de Buenos Aires, o céu mais azul do mundo.

– Já reparou como as argentinas são magras?

– A gente não gosta de viajar de pacote, a gente vai no fim de semana e vê o que dá, aquela coisa da serendipidade.

– As brasileiras são gordas, por acaso?

– Olha, obesidade é uma endemia, questão de saúde pública. Largo da Batata as moças tamanco classe C cintura baixa barriga pendurada, um horror. Começaram a comer proteína, tá bom, mas quanta porcaria…

– Acho que tem que tachar, que nem cigarro. É impacto no orçamento, afinal, doença cardíaca, diabete, não é?

– Como vai o trabalho no estúdio, Walther?

– …

– Conta, Walther, ele fica modesto…

– …

(os donos da casa puseram jazz para tocar, Oscar Peterson, mas, em verdade, não gostam de jazz)

– Os argentinos têm o hábito da leitura. A economia pode estar uma droga, mas eles lêem.

– A gente começou a start-up em outubro e ainda está tudo funcionando meio beta, mas tem duas contas legais garantindo.

– Negócio próprio não tem bônus mas é uma liberdade, né?

– É uma start-up, sabe?

– Você é sócio da firma, é isso?

– Amor, pega mais uma Heineken (N.doE. – Não se trata de product placement, é uma escolha legítima mencionar o nome da marca, pode trazer imensa carga de significados para o bom enetendimento da história) pra gente?

– Leitura? Você tá chinesinha Nina, tá chambers?

– Eu tô BEM…Jonhson

Risos, menos Walther.

Walther está sendo acometido há dois dias por uma crise de gota. (N.doE. – Gota é uma inflação nas articulações, principalmente nas dos membros inferiores, decorrente dos níveis elevados de ácido úrico no sangue. A dor é, em geral, insuportável). Levanta-se com dificuldade, fingindo estar tudo, tuturututudo bem, e vai até a geladeira de dois milhão de dólares ter com as heinekens e a latinha de ovas que achou que seria interessante para a ocasião se consumido com — epifania ao descobrir naquele mesmo dia — os blinis.

– Blini de ** é ****, brother! (risos desproporcionais)

(o playlist pulou para Leonard Cohen e todos já tinham bebido)

O charme do marido de Nina reside no fato de ser um antiintelectual convicto, ter um crânio anguloso e equino e ter nascido com uma compleição física dessas pessoas que não engordam, por mais que comam. Ao ser um antiinlectual, expressa seus preconceitos abertamente, não se mete em jogos de palavras, escaramuças, polêmicas, ironias sofisticadas. Não que seja obtuso. Ele é inteligente, mas antiintelectual. Não é suscetível a traumas psicológicos, dicilmente terá disfunção erétil quando chegar à casa dos 50, é pão pão, queijo queijo, sorriso aberto e pragmatismo invejáveis.

– Amor, pega mais uma pra gente?

– Você está animada, hein, Mia!?

Walther entendia o quanto Mia admirava aquele antiintelectualismo. Aproveitou a deixa do marido e foi de novo à geladeira de dois milhão de dólares buscar mais cervejas. E quando voltou, Mia estava sentada no colo do outro batendo uma fotografia Instagram.

————————–

* este é o segundo capítulo da novela Coração Liberal, aberta à sua participação, caro leitor. Ajude a escrever o próximo capítulo no espaço reservado aos comentários do blog, que é generoso. O terceiro capítulo não tem data (e nem obrigação de) para ser postado, vai depender. A julgar pelo número de views, esta é uma novela que dá traço de IBOPE.

Leia também:

Meninas da American Apparel não; o Beckham de cueca ok?

O mito Patrícia Serralha ou a garota dos sonhos da infância

As criancinhas sem pirulito da retratista Jill Greenberg

Um lindo poema de Wisława Szymborska (1923 – 2012)

Documentário de Simon Schama ensina a ver Rothko

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta