Será?

Philip Roth, mais importante ficcionista americano vivo, publicou ontem no site da New Yorker (7/9) uma carta aberta desancando a Wikipedia. Todo mundo imediatamente repercutiu.

Na carta, Roth diz ter requerido a supressão de uma informação equivocada a respeito de seu livro A Marca Humana (2000). Ele nega que o personagem principal do romance teria sido inspirado na vida de Anatole Broyard, crítico literário morto em 1990. E completa dizendo que o protagonista Coleman Silk tem inspiração em um amigo professor de sociologia de Princeton que conheceu há mais de trinta anos.

O pessoal da Wikipedia sacou do regulamento e disse que a alegação do autor não era suficiente: precisariam cotejar a informação com “fontes secundárias”.

É evidente que um peso-pesado com a envergadura de Roth calculou o estrago produzido pela pancada.

Antes a Wikipedia tirava proveito e de certa forma fomentava a discussão travada por seus entusiastas (liberais digitais) contra seus detratores (conservadores offline).

Agora, finalmente, alguém chega e diz “ei, apaga essa bobagem que vocês escreveram”. Como esperado, ninguém ignorou Philip Roth, o verbete foi reeditado e agora tem uma retranca registrando a posição do autor.

Ao questionar a credibilidade da Wikipedia, Roth expõe o que todo mundo sabe: os wikieditores são falíveis, suscetíveis e, sobretudo em questões subjetivas relacionadas às humanidades, frequentemente se deixam contaminar por idiossincrasia, interesses de grupo e ideologia.

Estarão equipados intelectualmente?

Para tirar a dúvida, leia a ótima matéria de Bernardo Esteves, publicada na piauí, sobre os desentendimentos entre editores da precária wikipedia brasileira.

——-

Leia:

No banheiro com Henry Miller

Diferença entre atriz pornô e prostituta, por Stoya

Minha conversa com Talese, um mestre do jornalismo

Os incríveis fotógrafos do Krouchev Planet Photo

Mailer daria palmadas no bumbum das slutwalkers

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta