VIP Vintage Marcelo Orozco

O lugar dos tesouros retrô: carros, produtos, propagandas, fotos, vídeos… tudo das antigas

/// Pausa para as férias

O autor deste blog entra em férias e VIP Vintage voltará a ter atualizações com seus achados retrô (atualizações retrô?…) dentro de poucas semanas.

Para combinar com o clima, segue abaixo o trailer do filme Férias Frustradas (National Lampoon’s Vacation), de 1983, com o comediante cara-de-pau Chevy Chase, que ficou famoso por ter sido da turma da primeira temporada do programa humorístico de TV Saturday Night Live em 1975.

 

Até agosto!


/// Pelé contra os extraterrestres

Até lembra o filme Plan 9 from Outer Space, de Ed Wood, “o pior cineasta do mundo”. Mas não é. É apenas a tentativa do Rei do Futebol de ser astro de novela — com resultados, digamos, caricatos. Em 1969, Pelé foi um dos atores principais de Os Estranhos, trama que a TV Excelsior exibia às 19h30.

Na época, a Excelsior (que havia sido uma emissora inovadora e de boa audiência na primeira metade dos anos 1960) já vivia mergulhada na crise financeira que levaria ao seu fechamento no ano seguinte. Na tentativa de subir seu ibope, arriscou a cartada marqueteira de colocar Pelé diante das câmeras.

Pelé interpretava Plínio Pompeu, um escritor de contos policiais que também investigava a existência de discos voadores. E os personagens principais da novela eram extraterrestres de um planeta chamado Gama Y 12, que chegaram para estudar a Terra pousando seu OVNI na praia do Gonzaga, em Santos — bem pertinho da Vila Belmiro, onde Pelé jogava e treinava na vida real pelo Santos Futebol Clube.

Fazia parte do grupo de ETs a atriz Regina Duarte, então iniciando sua escalada como “Namoradinha do Brasil”. Na imagem do topo deste post, ela aparece com traje interplanetário ao fundo. Isso sim dá medo. Não é à toa que Pelé aparece assustado na foto.

Mais algumas fotos de Pelé no estúdio da Excelsior, com outros atores do elenco e, abaixo, com Stênio Garcia (anos depois, o Bino do seriado Carga Pesada, da Globo) e Regina Duarte.

Pelé voltaria a insistir na carreira paralela de ator, principalmente no cinema. Fez filmes no Brasil (Os Trombadinhas, Pedro Mico e Os Trapalhões e o Rei do Futebol) e em Hollywood (Fuga para a Vitória, com Sylvester Stallone e Michael Caine). Mas nenhuma dessas obras foi tão inusitada quanto essa novela de ficção científica.

As fotos de revistas da época foram reproduzidas do blog Novelas Clássicas.


/// Os Mutantes na TV francesa em 1969 [vídeo]

Uma daquelas ocasionais descobertas acidentais no YouTube: uma apresentação da banda brasileira Os Mutantes num programa de TV da França em 1969. O vídeo tem quase 10 minutos e o trio de Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias apresenta duas músicas: “Batmacumba” e “Panis et Circensis”.

Dois detalhes a apontar: há uma ligeira falta de sincronia entre imagem e áudio que não afeta o caráter histórico desse vídeo; e os letreiros de apresentação da TV francesa apresentam a banda como Os Mutantos.


/// As medalhas de ouro olímpicas de Tarzan

Mais um momento olímpico na espera dos Jogos de Londres que começam em 27 de julho. Resgatamos as 5 medalhas de ouro de natação (e uma de bronze) conquistadas por Tarzan nas Olimpíadas de 1924 e 1928. Ou melhor, conquistadas por Johnny Weissmuller (ao centro na foto acima) antes de se tornar o Tarzan mais famoso do cinema.

Nascido em 1904 no então Império Austro-Húngaro (atualmente, sua cidade natal pertence à Romênia), Weissmuller chegou aos Estados Unidos com 1 ano de idade, quando sua família imigrou para lá. Ele começou a praticar natação depois de ser acometido de poliomielite aos 9 anos.

Seu talento competitivo se desenvolveu na adolescência e, aos 18 anos, Johnny bateu o recorde mundial dos 100 metros nado livre. Dois anos depois, integrou a equipe dos Estados Unidos na Olimpíada de Paris. Ganhou 3 ouros (100 m livre, 400 m livre e revezamento 4 x 200 m livre) e um bronze (com a equipe de polo aquático).

Quatro anos depois, na Olimpíada de Amsterdã, Weissmuller voltou a subir ao topo do pódio por mais duas vezes: venceu novamente os 100 m livre e o revezamento 4 x 200 m.

Logo após essa conquista, ele abandonou as competições. Consta que nunca foi derrotado numa prova de natação oficial. Ele também estabeleceu 67 recordes mundiais.

No site oficial das Olimpíadas, é possível ver um vídeo sem som e com menos de meio minuto que registra uma das provas disputadas por Weissmuller em 1928. O vídeo está nesta página.

Consagrado como herói americano, Weissmuller foi convidado a se tornar ator de Hollywood em 1929. Sua consagração viria ao assumir o papel de Tarzan, o homem das selvas, em filmes da Metro Goldwyn Mayer (MGM). Da estreia em Tarzan, O Homem Macaco em 1932 até 1942, ele estrelou seis filmes nesse papel. Mudou-se para o estúdio RKO onde fez mais outros seis filmes de Tarzan de 1943 a 1948.

Uma curiosidade é a mudança do grito de Tarzan, marca registrada do personagem, mudou ligeiramente dos filmes da MGM para os da RKO, como demonstram os vídeos abaixo.

Primeiro, o grito clássico na MGM.

E a versão na RKO.

Na sequência, Weissmuller passaria a interpretar o personagem Jim das Selvas (Jungle Jim) em outra série de filmes de aventura entre 1948 e 1954 e num seriado de TV de 1956 a 1958. Sua carreira de ator acabou aí. Ele morreu em 1984, após problemas causados por um derrame.

Como atleta, Weissmuller tem um lugar de destaque. Em sua página no site das Olimpíadas, considera-se que ele era tão superior aos adversários de seu tempo que só não bateu os recordes de medalhas de Mark Spitz e Michael Phelps porque o número de provas em que podia competir era mais limitado.


/// Um tributo a John Coltrane [vídeos]

Em 17 de julho de 1967, o saxofonista John Coltrane morreu num hospital em Long Island de câncer no fígado, com apenas 40 anos e 10 meses de idade. Um dos maiores músicos e criadores da história do jazz, ele tinha feito sua obra-prima apenas dois anos e meio antes: o álbum A Love Supreme (capa acima), gravado em dezembro de 1964 e lançado em fevereiro de 1965.

Uma obra em quatro partes, A Love Supreme foi onde Coltrane conseguiu unir seu estilo incendiário de tocar à busca espiritual em que mergulhou nos últimos anos de vida, depois de se livrar dos vícios em heroína e álcool em que se envolveu nos anos 1950.

Coltrane tocou as músicas de A Love Supreme em público apenas uma vez, numa apresentação em Antibes, na França, em 26 de julho de 1965. Como homenagem a ele, trazemos dois trechos desse show.

Primeiro, “Part 1: Acknowledgement”, a faixa de abertura do álbum.

E o vídeo com “Part 2: Resolution”.

***

Posts relacionados


/// Marilyn Monroe imita 5 sex symbols do passado

Durante sua vida, você já deve ter visto dezenas de atrizes, modelos, cantoras e mulheres em festas a fantasia imitando Marilyn Monroe (1926-1962), com a obrigatória peruca loura e, na maioria das vezes, o vestido branco esvoaçante que ela usou em O Pecado Mora ao Lado (1955) ou o longo rosa com que ela cantou “Diamonds Are a Girl’s Best Friend” no filme Os Homens Preferem as Loiras (1953).

Curiosamente, a própria Marilyn imitou grandes sex symbols de um passado mais remoto que a época em que ela foi uma estrela. Em 1957, ela posou para o mítico fotógrafo Richard Avedon incorporando cinco musas do cinema e do teatro.

Na foto acima, Marilyn posa como Marlene Dietrich (1901-1992) no filme alemão O Anjo Azul, de 1929 (ao lado).

Na próxima foto, temos MM encarnando a exótica Theda Bara (1885-1955), primeira estrela sexy do cinema mudo.

Marilyn também posou como a charmosa Clara Bow (1905-1965), chamada de “The ‘It’ Girl” em seu auge no cinema nos anos 1920.

Outra homenageada foi a loira platinada Jean Harlow (1911-1937), a Marilyn dos anos 1930, que também morreu tragicamente cedo.

A quinta estrela recriada por MM foi da era pré-cinema: Lillian Russell (1860-1922), atriz e cantora do teatro americano entre 1879 e 1919.

As fotos de Marilyn e das outras estrelas foram reproduzidas dos blogs Wicked Halo e Retronaut.


/// O cabo de guerra nas Olimpíadas

A duas semanas da abertura da Olimpíada de Londres, entramos no clima do grande evento esportivo relembrando curiosidades de seu passado. Como a presença do cabo de guerra entre os esportes que valiam medalha.

Pode ser que o cabo de guerra pareça brincadeira de criança e/ou de gincana para alguns, mas foi uma modalidade olímpica dos Jogos de 1900 até os de 1920. Na foto acima, reproduzida do tumblr da revista Newsweek, aparece a equipe dos Estados Unidos competindo na Olimpíada de 1908, disputada em Londres tal qual a deste ano.

Os americanos da foto foram eliminados por uma das equipes da Grã-Bretanha, formada por policiais de Liverpool. Naquela edição, a Grã-Bretanha ficou com as medalhas de ouro, prata e bronze.

A lista de campeões do cabo de guerra nas Olimpíadas é esta:

  • 1900 (Paris): Equipe mista de Suécia e Dinamarca
  • 1904 (St. Louis): Estados Unidos
  • 1908 (Londres): Grã-Bretanha
  • 1912 (Estocolmo): Suécia
  • 1920 (Antuérpia): Grã-Bretanha

***

(Imagem: reproduzida do tumblr da revista Newsweek)


/// 100 anos de Woody Guthrie, ídolo de Bob Dylan

Em 14 de julho de 1912, nasceu Woody Guthrie, cantor-compositor folk que se destacou nos anos 1940 com músicas denunciando injustiças e desigualdades econômicas que ainda afetavam o “interiorzão” dos Estados Unidos depois da Grande Depressão causada pela quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 1929. Com seu violão que ostentava a inscrição “This machine kills fascists” (“Esta máquina mata fascistas”), Woody construiu uma imagem de herói popular com hinos como “Bound For Glory” e “This Land Is Your Land”.

Essa imagem ainda era forte quando um rapaz que adotou o nome artístico de Bob Dylan deu seus primeiros passos na carreira musical. No começo dos anos 1960, Dylan era praticamente uma versão xerocada de Guthrie, usando até mesmo um boné como o do ídolo. Dylan também tocava violão e cantava músicas de protesto com uma voz “acaipirada”.

Em seu álbum de estreia, de 1962, incluiu sua composição “Song to Woody” — um tributo que ele havia cantado ao próprio Guthrie antes mesmo de gravar, ao visitá-lo no hospital em que ele padecia do mal de Huntington desde 1956. Uma doença nervosa degenerativa que terminaria por matar Woody Guthrie em 1967, aos 55 anos.

Há raríssimos registros de Woody Guthrie em filme. Neste abaixo, de 1945, ele aparece cantando “Ranger’s Command”.

 

Neste outro, ele canta “John Henry” em 1946.

 

Neste clipe montado na era do YouTube, uma música que tem tudo a ver com o lema que ele exibia em seu violão: “All You Fascists Bound to Lose”.

 

Em 1976, foi feita uma cinebiografia de Woody Guthrie: Bound For Glory (no Brasil, Esta Terra É Minha Terra). O papel do cantor foi feito por David Carradine, astro do seriado Kung Fu e o Bill dos filmes Kill Bill, de Quentin Tarantino. O filme ganhou os Oscars de Melhor Fotografia e Melhor Trilha Sonora. Também concorreu ao de Melhor Filme, mas perdeu para Rocky: Um Lutador.

Este é o trailer de Bound For Glory.


/// Balinhas Pac-Man vêm em embalagem de arcade

Lançado no Japão em 1980, o Pac-Man é um dos games mais populares da história, com seu bonequinho (uma mera bolinha amarela) comendo pastilhas num labirinto e fugindo de fantasmas que podem matá-lo. Agora o personagem comilão pode ser devorado com o surgimento das balas Pac-Man Arcade Cabinet Candy, que vêm numa embalagem de lata que imita uma máquina de arcade (a encarnação original deste game, antes de chegar a um console doméstico como o Atari).

A latinha com 30 balinhas custa US$ 3,49 no Think Geek, um site de vendas de produtos curiosos para quem tem um espírito nerd e é feliz com isso. Segundo o material de divulgação, as balas Pac-Man têm gosto de morango, apesar de serem amarelinhas como doces de frutas cítricas.

A dica veio do blog Craziest Gadgets.

***

Post relacionado


/// Fotos que simulam pinturas da Renascença

Nascida em Suriname e criada na Holanda, a fotógrafa e ilustradora Mariska Karto desenvolve uma série de retratos chamada The Old and Dusty World em que dá às fotos um tratamento que simula quadros pintados na Renascença. 

O site da artista, com todos os seus trabalhos, é www.mariska-karto.com e o Flickr dela (no qual está um álbum com todas as fotos de The Old and Dusty World) está neste link.

A dica veio do blog Design You Trust.

***

(Imagens: reproduzidas do Flickr de Mariska Karto)