Como trazer bebidas e outros produtos no avião sem se dar mal

Você vai viajar e já tem uma lista de compras pronta. Entre os produtos, um monte de coisas frágeis que não podem quebrar ou amassar...

Mesmo com o câmbio pouco atrativo, ainda vale  a pena comprar alguns produtos lá fora. Então, antes de ir às compras ou carregar com você algo muito delicado, atente-se a algumas regras e cuidados básicos.  A VIP te ajuda nessa!

Vinhos ou outras bebidas

//giphy.com/embed/ng6NcNAvohN6M

Você tem várias opções na hora de trazer bebidas com você. Uma delas é despachar as garrafas fora da mala, ou em isopor confeccionado para carregar garrafas ou em malas próprias para transporte de bebidas. Facilmente encontradas no mercado, a maioria vem com rodinhas e são bem resistentes. O único problema é que elas costumam ser caras mas, se você traz bebidas de fora com frequência, vale o investimento.

A outra opção é trazer as bebidas dentro da própria mala de viagem. Nesse caso, fique atento a alguns cuidados especiais para protegê-las:

  • Opte por malas rígidas, mais eficientes do que as de tecido.
  • Avise o vendedor da loja de bebidas que pretende despachá-las na bagagem. Ele, certamente, terá uma embalagem especial para te oferecer.
  • Mesmo com as bebidas embaladas, invista nas medidas caseiras. Embrulhe as garrafas em plástico filme, sacos, em roupas de lã ou moletons. Além disso, coloque as bebidas no centro da mala ao arrumar as garrafas. O ideal é que elas não fiquem balançando dentro da bagagem.

LEMBRE-SE

  • Em voos domésticos você pode carregar até cinco garrafas de bebida alcoólica (de 1 litro cada) na bagagem de mão. Já no voo internacional é preciso despachar as bebidas, mas o limite passa a ser de 12 litros de bebida por pessoa.
  • Se for carregar as bebidas na bagagem normal, fique atento ao peso limite permitido pela companhia, afinal, bebidas não são leves.
  • Lembre-se que, se for despachar as bebidas em malas especiais, esse volume conta como bagagem (e as companhias aéreas costumam permitir o despacho de apenas 2 bagagens em voos internacionais).
  •  Se você compra várias bebidas de um mesmo rótulo a fiscalização – caso você seja parado – pode achar que você vai vendê-las. Por isso, diversifique!

Instrumentos musicais

A dica principal na hora de despachar um instrumento musical é saber seu peso e suas medidas exatas. Alguns instrumentos considerados pequenos como violões e violinos, entre outros, podem ser levados como bagagem de mão se couberem no compartimento reservado para ela. Por isso, uma boa dica é pensar bem no case que vai proteger sua guitarra. Por exemplo: se ela tiver que ser despachada, o ideal é optar por um case duro e bem resistente. Se, por outro lado, você checou as medidas e constatou que poderá viajar ao lado do seu novo brinquedo, talvez um case de pano seja o ideal porque ocupa menos espaço.

LEMBRE-SE

  • Caso não queira despachar seu instrumento por causa de sua fragilidade ou valor, é possível levá-lo num assento comprado adicionalmente na cabine de passageiros, de acordo com a tarifa em vigor adequada para uma pessoa adulta;
  • O instrumento transportado a bordo deve estar bem embalado, de forma que não fiquem expostas bordas pontiagudas.

Capacetes, pranchas ou outros equipamentos esportivos

  Foto: reprodução

As dicas aqui são bem parecidas com as regras estabelecidas para os instrumentos musicais. Um capacete, por exemplo, pode ser transportado como bagagem de mão, mas uma prancha terá que ser despachada. A regra principal é saber se o produto terá mesmo que ser despachado e descobrir as regras da companhia aérea. Algumas, por exemplo, cobram taxas extras para transportar bikes e pranchas e ainda exigem que os equipamentos estejam embalados corretamente. Aliás, essa é uma dica essencial para você garantir que seu equipamento chegue intacto ao seu destino.

LEMBRE-SE

  • Você até pode trazer aquele capacete estiloso de fora, mas não vai poder rodar com ele aqui no Brasil. É isso mesmo. A lei brasileira (apesar de meio nebulosa) diz que é permitido ao consumidor entrar no Brasil com um capacete importado sem selo do Inmetro, porém, ele está sujeito à fiscalização e penalização caso seu capacete esteja sem este mesmo selo. Complicado, certo?

Terno

//giphy.com/embed/G3ssfwYvuDJza

No caso da necessidade de transportar um terno o ideal é mantê-lo no cabide. Se essa opção é impossível, você tem algumas opções para trazê-lo com cuidado:

  • Pode-se optar por malas específicas para acomodação de ternos. Essas malas conhecidas como porta-ternos são vendidas em várias lojas especializadas em malas de viagem ou mesmo em lojas de ternos. Se você costuma viajar muito a trabalho, vale o investimento.
  • Outra opção é usar técnicas específicas na hora de dobrar seu terno. O paletó pode ser virado parcialmente ou totalmente do avesso e dobrado ao meio. Depois, desenrole uma toalha de banho e enrole o terno sobre a toalha e coloque tudo no saco plástico do próprio terno. A combinação da toalha com o plástico cria uma almofada de ar que impede que surjam muitas rugas. Já a calça pode ser enrolada. Aliás, a técnica de enrolar as roupas para evitar que elas amassem é bem eficiente.