Se a moda pega: Nestlé é processada por espaço vazio em embalagem

Uma americana resolveu se rebelar contra um dos maiores crimes do mundo moderno: propaganda enganosa quando o assunto é comida

Você já passou por isso: em uma situação de extremo desespero – ou seria fome? – você abre aquele pacote de salgadinho e percebe que o saco está pela metade?

Então saiba que a californiana Sandy Hafer resolveu se movimentar contra esse absurdo que a indústria alimentícia nos faz passar: ao comprar uma caixa de uvas passa cobertas de chocolate (um snack tradicional nos cinemas por lá) percebeu que a caixa estava 40% vazia e decidiu entrar com um processo contra a Nestlé, fabricando dos doces.

A ação alega que a marca engana os consumidores intencionalmente ao fabricar caixas que são maiores que as porções vendidas, logo se enquadrando como uma violação das leis da Califórnia e dos Estados Unidos.

“Na realidade os produtos são uniformemente preenchidos abaixo da média. Algo em torno de 60% do espaço da caixa. Consumidores desavisados não conseguem ver o conteúdo da caixa e compram algo que está 40% vazio” declarou Sandy, em busca de justiça.

A autora do processo procura reparação de danos além de uma declaração da marca sobre o ultraje que vem se repetindo por anos. Caso ganhe o processa, Sandy pode levar para casa U$ 5 milhões.

Nós não esquecemos de você, Ruffles (Crédito: Divulgação)

Nós não esquecemos de você, Ruffles (Crédito: Divulgação)

Mas como grandes empresas não se tornaram gigantes por acaso, a Nestlé se mostrou tranquila quanto ao processo.

“Nós estamos ciente do processo” disse a marca ao site MUNCHIES. “As alegações não tem base e nós vamos nos defender. Todos os nossos produtos estão de acordo com as regulações do estado americano e nós providenciamos aos nossos consumidores todas as informações necessárias na hora da compra”.

Sandy Hafer pode até não ganhar a causa, mas já ganhou um espaço em nossos corações ao combater um dos piores crimes do mundo moderno: propaganda enganosa quando o assunto é comida.