À deriva na balada

Convidamos um leitor para se jogar no MOB, o transatlântico com três dias de festa ininterrupta. Aqui ele faz um incrível relato das gatas que pegou, dos drinques que tomou, das músicas que ouviu e das noites que não dormiu

Nosso leitor Marcelo aplicou no MOB Festival todas as dicas que aprendeu na VIP e se deu bem

Passei muito tempo querendo e finalmente consegui ir ao MOB Festival. E o melhor: enviado pela VIP. A revista me convidou para curtir a balada de três dias no navio e escrever este relato de bordo depois que eu mandei um e-mail à Redação agradecendo os serviços prestados pela reportagem Passaporte para o Paraíso, de 2010. Fui conferir o tal paraíso e me perdi diante de tanta mulher bonita – o fato de ser na Estônia era só um detalhe, eu levo a sério as dicas da VIP.
Alguns dias antes do MOB, minha ansiedade era tanta que mal conseguia dormir. Entrei na comunidade do evento no Facebook e comecei a fazer amizade com as meninas, para facilitar o approach depois. Saímos de São Paulo eu e o fotógrafo Samuel Esteves. Logo que chegamos ao Porto de Santos, a grande surpresa: era um desfile de mulheres lindas, numa média de três gatas para cada homem. E de todos os tipos, saradas, magrinhas, modelos, alternativas… Acho que só 2% eram feias, e mesmo essas nem eram tão feias assim. Até o cheiro do saguão era diferente, um cheiro de mulher, sabe? Embarcamos, e logo nas primeiras horas da noite o DJ André Marques começou a tocar para esquentar.
O camareiro do meu andar me disse que nunca tinha visto tanta mulher bonita dentro de um navio em toda a sua vida — e olha que ele é da Dinamarca e, portanto, entende de mulher bonita. Lembrando agora da viagem toda, posso dizer que o que mais me deixou impressionado foram as meninas tomando sol no deck. Corpos esculturais, fio dental e algumas de topless. Era a visão dos sonhos. Se você estiver bem de grana e quiser ir ao próximo MOB Festival, reserve uma cabine com varanda (são de vários tamanhos e custam a partir de R$ 2,2 mil, no primeiro lote, que começa a ser vendido sempre por volta de agosto). Não vai faltar menina querendo ir até lá “respirar um ar puro”.
Bem, vamos ao relato do que rolou em cada dia.

Sexta à noite: festa na piscina

Três momentos de pegação do nosso  bravo leitor

Estavam todos ansiosos pela festa. No navio circulava uma quantidade absurda de meninas usando minishorts ou minissaias. A bebida começou a fazer efeito e todas ficaram mais soltinhas. Enfim, a noite começou. Num cruzeiro assim, se você entende um mínimo de música eletrônica, já consegue xavecar as garotas – e se não entende consegue também: é só decorar o nome do DJ da moda e falar para a menina. Fácil. Nessa noite, todos estavam ensandecidos. Gaúchas, paulistas, cariocas, paraenses, um mix de brasileiras ávidas por diversão. A distância da pista de dança até a sua cabine é percorrida em menos de cinco minutos. Consegui levar uma das meninas para minha cabine. Com a lua cheia nos iluminando, foi uma cena inesquecível. A sensação de transar combinada com a vertigem do navio balançando é surreal. Depois, deixei-a em sua cabine e voltei para a pista. Fiquei com mais uma garota e fui tomar café da manhã com ela. Ela se queixou de alguns caras que estavam lá e se preocupavam mais em tirar a camisa e mostrar o corpo do que em conversar. Um pouco de cérebro é fundamental. Saldo geral: 6 beijos | 1 transa | 2 foras

Sábado de dia: festa na ilha

Imagine se você está nesta ilha lendo seu livro e aparece esse monte de mulher

Estava com uma ressaca de leve, mas nada que me impedisse de ir curtir a  festa na ilha de Porto Belo (SC). Já eram 14h. A maioria das pessoas estava emendada, sem dormir. O esquenta começou na piscina, todos tomando um drinque antes de pegar o barco que nos levaria até a ilha.

Entrando no barco, uma boa surpresa (mais uma!): no segundo andar havia oito homens e 14 mulheres lindas! Todas já cantando, sorrindo, loucas para chegar à ilha, que era paradisíaca. Lá a magia era total. Uma vibe como nunca senti em toda a minha vida. Mulheres dançando à beira-mar, bronzeadas, com minibiquínis, a felicidade estampada na cara. Iates chegavam perto da ilha com os tripulantes incrédulos com a cena que estavam vendo. Não havia clima de pegação. Estava todo mundo trocando olhares, uma paquera camuflada, cheia de planos para a festa do branco com o DJ americano Kaskade, que iria acontecer depois, no navio. Saldo geral: 1 beijo (numa oriental linda, que deu dicas de filmes japoneses)

Sábado de dia: festa na ilhaEstava com uma ressaca de leve, mas nada que me impedisse de ir curtir a  festa na ilha de Porto Belo (SC). Já eram 14h. A maioria das pessoas estava emendada, sem dormir. O esquenta começou na piscina, todos tomando um drinque antes de pegar o barco que nos levaria até a ilha.Entrando no barco, uma boa surpresa (mais uma!): no segundo andar havia oito homens e 14 mulheres lindas! Todas já cantando, sorrindo, loucas para chegar à ilha, que era paradisíaca. Lá a magia era total. Uma vibe como nunca senti em toda a minha vida. Mulheres dançando à beira-mar, bronzeadas, com minibiquínis, a felicidade estampada na cara. Iates chegavam perto da ilha com os tripulantes incrédulos com a cena que estavam vendo. Não havia clima de pegação. Estava todo mundo trocando olhares, uma paquera camuflada, cheia de planos para a festa do branco com o DJ americano Kaskade, que iria acontecer depois, no navio. Saldo geral: 1 beijo (numa oriental linda, que deu dicas de filmes japoneses)

Manual de conduta no cruzeiro-balada

FAÇA

● Ofereça uma taça de champanhe às garotas. Elas adoram. Se ela negar, não insista. Diga apenas “quem sabe mais tarde” com um sorriso no rosto.
● Elogie-as sem ser vulgar. Lembre-se, vocês estão num cruzeiro e é bem provável que elas estejam de biquíni.
● Se seu estômago for fraco, é bom
tomar um remédio para enjoo. A menina com quem você estiver conversando
não merece vê-lo vomitando por causa dos balanços das ondas.
● Chamou uma garota para
jantar? Leve-a ao deck 4, numa
das mesas do canto.
● Pode parecer clichê, mas leve-a depois ao último deck para ver a lua. Toda mulher fica derretida.
● Conseguiu levá-la para sua cabine? Depois de uma noite bacana, convide-a para tomar café da manhã. A vista do nascer do sol no restaurante é incrível.
● Nada de relaxar com a roupa. Vista uma boa camisa para as festas.
● Use protetor solar o dia todo.
● Dê caixinha ao camareiro do seu andar. Primeiro porque ele merece, segundo porque ficar amigo dele pode ser útil.

● Ofereça uma taça de champanhe às garotas. Elas adoram. Se ela negar, não insista. Diga apenas “quem sabe mais tarde” com um sorriso no rosto.

● Elogie-as sem ser vulgar. Lembre-se, vocês estão num cruzeiro e é bem provável que elas estejam de biquíni.

● Se seu estômago for fraco, é bom tomar um remédio para enjoo. A menina com quem você estiver conversando não merece vê-lo vomitando por causa dos balanços das ondas.

● Chamou uma garota para jantar? Leve-a ao deck 4, numa das mesas do canto.

● Pode parecer clichê, mas leve-a depois ao último deck para ver a lua. Toda mulher fica derretida.

● Conseguiu levá-la para sua cabine? Depois de uma noite bacana, convide-a para tomar café da manhã. A vista do nascer do sol no restaurante é incrível.

● Nada de relaxar com a roupa. Vista uma boa camisa para as festas.

● Use protetor solar o dia todo.

● Dê caixinha ao camareiro do seu andar. Primeiro porque ele merece, segundo porque ficar amigo dele pode ser útil.

não FAÇA

●  Apesar de o clima de pegação ser forte, como em toda boa balada, não pense que você está numa micareta: não saia a esmo pedindo beijo, É RIDÍCULO.
● Administre bem o álcool ao longo do dia e da noite. Ninguém curte os bêbados, principalmente elas.
● Não apareça para jantar de regata. Bons trajes são indispensáveis. Ninguém quer ver o seu sovaco.
● Evite dancinhas cômicas na balada .
● Não use sunga 24 horas.
● Não exagere na comida. Não é só porque está incluso no valor do pacote que você tem que ser um ogro.
● Não fique pedindo música ao DJ.
● Jamais finja que você não conhece a garota com quem ficou na noite anterior. É muita molecagem.
● Não gaste todo seu dinheiro no cassino logo no primeiro dia.

●  Apesar de o clima de pegação ser forte, como em toda boa balada, não pense que você está numa micareta: não saia a esmo pedindo beijo, É RIDÍCULO.

● Administre bem o álcool ao longo do dia e da noite. Ninguém curte os bêbados, principalmente elas.

● Não apareça para jantar de regata. Bons trajes são indispensáveis. Ninguém quer ver o seu sovaco.

● Evite dancinhas cômicas na balada .

● Não use sunga 24 horas.

● Não exagere na comida. Não é só porque está incluso no valor do pacote que você tem que ser um ogro.

● Não fique pedindo música ao DJ.

● Jamais finja que você não conhece a garota com quem ficou na noite anterior. É muita molecagem.

● Não gaste todo seu dinheiro no cassino logo no primeiro dia.

Sábado de noite: festa do branco

Ela descendo, ele subindo e… Bingo!

Foi a festa mais esperada, a mulherada impecável, cada vez mais queimada de sol, com marquinhas de biquíni de tirar do sério. Todas dançando o som melódico do DJ Kaskade. Era impossível não se contagiar. As pessoas da festa estavam em êxtase, curtindo a emoção de estar num barco em frente a uma ilha incrível e ouvindo a melhor música. Às 5h da madrugada fui ao bar comprar uma vodca e lá encontrei uma loira sozinha esperando por seu drinque. Comecei a conversar. Ela era uma inglesa gatíssima, já um pouco bêbada. Falou que era seu primeiro MOB e que estava sozinha porque a amiga havia passado mal. Fomos dançar no último deck, com a lua cheia bombando, e começamos uns amassos mais fortes ali mesmo, até que um segurança de amarelo mandou a gente ir mais devagar. Então descemos até minha cabine. A inglesinha ia me contando que em nenhum lugar do mundo havia uma festa assim, com tanta gente bonita e especial. Eu ficava deslumbrado com o português totalmente errado dela. Falamos bastante em inglês também. Transamos e voltamos para a festa. Dançamos mais um pouco e finalmente ela me disse a frase: “I have to go”. Pronto. Estava sozinho de novo e por sorte conheci um grupo de gaúchas lindas. Fiquei dançando com elas até o meio-dia. As meninas não usavam mais branco, e sim minúsculos biquínis em volta da piscina. Ninguém queria dormir. Até a tripulação do navio entrou na onda da festa, dançando, tirando fotos.

Saldo geral: 4 beijos | 1 transa internacional | 3 foras

Domingo, último dia

Um sol batendo, um maiô verde e um fora que nosso leitor levou

Acordei torto e saí para dar uma volta. A maioria da galera ainda dormia. Fui até a jacuzzi da piscina relaxar e apreciar a visão maravilhosa das meninas tomando sol. Era uma visão hipnotizante. Queria ter um barco só para mim: MOB (mulheres on board). À noite, não fui à festa, preferi uma baladinha privê numa cabine. Havia várias festas assim no navio, sempre nas cabines maiores. Era comum ver meninas segurando plaquinhas em que escreviam: “Onde é o after?” Para minha sorte, a festa era de uns amigos das gaúchas lindas. Tinha até pulseira para entrar. Quando entrei, me deparei com garotas dançando em cima da cama, descalças, com champanhe na mão. Uma cena digna de Hollywood, do tipo de filme que você torce para não acabar. Minha vontade era essa: que não acabasse nunca.

Saldo geral: 2 beijos | 3 foras

Top 10 dos djs

1 Levels – Avicii
2 Million Voices –Otto Knows
3 Around – Noir & Haze
4 Calling – Sebastian Ingrosso + Alesso
5 Feel so Close – Calvin Harris
6 4 am – Kaskade
7 Titanium – David Guetta feat Sia
8 Happy Violence – Dada Life
9 Hungry For the Power – Azari & III
10 Pressure – Nadia Ali, Starkillers & Alex Kenji (Alesso Remix)
Música que não tocou nenhuma vez: Ai, se eu te pego


Segunda-feira, o desembarque

Se elas te pedissem uma carona, você negava?

Acabou. Na segunda-feira cedo o navio já estava de volta a Santos, e uma legião de exaustos, mas felizes, começou a desembarcar. Nunca me esquecerei dos sorrisos maravilhosos que vi, das garotas que conheci. Busquei meu carro no estacionamento e reparei em quatro mulheres superaflitas, falando ao celular (na verdade não era exatamente o meu carro, vejam só que cara de sorte: além de ser convidado pela VIP para o cruzeiro, a organização do MOB me arrumou um Jeep Compass para ir e voltar de São Paulo a Santos). Fui ver o que estava acontecendo com as meninas. O motorista que havia combinado de buscá-las não apareceu. Eram quatro modelos de São Paulo. Ofereci uma carona e, depois de colocar suas 145 malas no bagageiro, partimos. Altas risadas no carro. Fui deixando-as em suas casas, e uma delas morava no mesmo bairro que eu. Contatos trocados e… Bem, obrigado, VIP, por participar dessa aventura.


Matéria publicada na Revista VIP de maio de 2012.