A mais bela praia americana fica na Flórida: Clearwater Beach

A Flórida mantém quase em segredo a praia mais bonita do país, com águas cristalinas e excelente infraestrutura

A Clearwater Beach com o Pier 60 ao fundo (Visit St. Pete/Divulgação)

Uma extensa orla de areia branca e fina, com o mar em tom alaranjado por causa do pôr do sol. No calçadão, um vaivém de gente bronzeada, passeando de bike, patins, skate ou a pé.

Não, essa cena não é de South Beach, em Miami. Mas, sim, de Clearwater Beach, na costa oeste do estado – um pedacinho do litoral americano que não é banhado por oceanos e ainda pouco conhecido dos brasileiros.

O mais incrível é que essa praia, considerada uma das mais bonitas dos Estados Unidos, fica justamente no estado em que o português é praticamente língua oficial: a Flórida.

O lado B do estado

A 170 quilômetros de Orlando e com quase 300 quilômetros de litoral no Golfo do México, a região é mais low profile que a Califórnia e recebe hordas menores de turistas. Como o nome indica, Clearwater Beach tem águas cristalinas e temperatura agradável o ano todo.

A areia é fina e branca, com coqueiros compondo a paisagem. Não por acaso, garantiu o título de a mais bonita do país pelo jornal USA Today e também pelo site TripAdvisor. O resultado surpreendeu por superar até as do Havaí.

Fim de tarde na Clearwater Beach: considerada a mais bonita praia americana, desbancando rivais do Havaí e Califórnia (Getty Images/Reprodução)

Ao contrário de outras praias paradisíacas, acessíveis por trilhas ou pelo mar, Clearwater Beach é urbana, com boa estrutura turística. Dá para estacionar o carro na avenida principal, pagar o parquímetro (um clássico californiano) e escolher o que fazer na extensa orla.

Basta uma caminhada para se deparar com casarões pé na areia e barcos ancorados no porto. A principal atração é o Pier 60, onde dá para pescar, apreciar o mar, a vista da praia e o pôr do sol — o principal programa para quem está em qualquer ponto da costa oeste. Nesse horário, o burburinho de gente atrás de alguma bugiganga na feira de artesanato ou assistindo às apresentações de artistas de ruas aumenta.

Lembre-se: lá é proibido beber em locais públicos. Mas, se estiver em algum estabelecimento pé na areia, você está dentro da lei! Não espere barraquinhas, mas, sim, restaurantes que têm desde menus clássicos até petiscos locais, como Frenchy’s Rockaway Grill. Peça frutos do mar sem medo de errar: lula, polvo, caranguejo. Para beber, cervejas sazonais ou margarita – afinal, estamos no Golfo do México.

Frenchy’s Rockaway Grill: menu clássico e petiscos locais (Frenchy's Rockaway Grill/Divulgação)

Na manhã seguinte, resista à vontade de ficar deitado ao sol. Há diversas empresas especializadas em passeios de barco, com opções de roteiros para ver golfinhos ou de esportes radicais, como parasail.

Não deixe de tomar um café da manhã típico, que se compara ao brunch. As porções lembram as dos diners nova-iorquinos com salsicha, bacon, panquecas… O Sweet Sage Café e o Frog Pond, na Gulf Boulevard (a avenida que liga a praia ao centro de Clearwater), são duas casas especializadas que servem o melhor dessa experiência.

A região tem o melhor custo/benefício entre a beleza e estrutura do lugar versus o preço de alta temporada. Enquanto o brasileiro enfrenta uma tabela hoteleira até dez vezes mais alta na virada do ano, a costa oeste tem tarifas normais no Réveillon.

E o inverno na Flórida é considerado alta temporada, pois a temperatura oscila entre 18 e 28 graus. Nessa época, é comum encontrar turistas de Chicago, Nova York, Boston e outros lugares que durante o inverno não raro estão cobertos de neve.

Dreamview Resort: pé na areia (Dreamview Resort/Divulgação)

Os hotéis à beira-mar têm diárias de 100 a 150 dólares, como o DreamView Resort e o Double Tree Beach Resort North Redington, que ficam em uma área nobre a dez minutos de carro, ideal para quem quer manter-se longe do burburinho.

Há também uma boa rede via Airbnb, já que o destino, embora pouco conhecido para a maioria dos brasileiros, é bem popular entre os ianques, o que faz a oferta de casas de praia para aluguel ser bem interessante.

Deslocamento simplificado

Você pode atravessar facilmente a cidade e ir para outros locais afastados em poucos minutos de carro – nessa parte da América você não é ninguém se não alugar um. Motorizado, vale a pena se deslocar 39 quilômetros até São Petersburgo, em Tampa Bay.

A cidade não se chamou Leningrado no passado (como a homônima russa), mas o nome não é coincidência: é uma homenagem à cidade europeia dada por seu fundador, um aristocrata russo. St. Pete, como é chamada pelos moradores locais, é a urbe mais europeia da região, que se orgulha de ostentar incríveis 360 dias de sol no ano.

Apesar de o xará ser russo, a cidade abriga um dos maiores museus dedicados ao artista espanhol Salvador Dalí. Com uma arquitetura bem chamativa, lembra o Teatro Museu Dalí, em Figueres, na Espanha. Se bater a saudade de um expresso bem tirado (principalmente se não é fã dos baldes de “chafé”), aproveite o concorrido café do museu para fazer um pit stop.

O Museu Salvador Dalí em São Petesburgo (Dan Lundberg/Reprodução)

Por falar em parada nos boxes, ao redor desse museu é feito um tradicional circuito de rua que recebe as competições de Fórmula Indy na abertura do campeonato, em março.

A badalação é uma espécie de GP de Mônaco com ares americanos e grandes pilotos, como os brasileiros Tony Kanaan e Helio Castroneves (ambos residentes em Miami), que neste ano correram com Fernando Alonso na Indy-500.

Até o ex-rival de Ayrton Senna, o inglês Nigel Mansell, tem casa de veraneio na região. O circuito passa pelo museu e algumas das principais ruas de Downtown, onde você pode encontrar ótimas opções gastronômicas, incluindo a última mania pantagruélica: o lámen, como o do descolado Buya Izakaya (buyaramen.com), na Central Avenue.

Pegando a estrada pela Ponte Sunshine Skyway, siga rumo a Sanibel e sua linda praia repleta de conchinhas. Ou ainda para Sarasota, Fort Myers e Naples, que também lembra São Petersburgo pela boa estrutura, bela marina, praias de areia branca e mar esverdeado (Allen Forrest/Reprodução)

Com mais dias de férias, explore outros destinos atravessando a magistral Ponte Sunshine Skyway (com mais de 7 quilômetros). A história dessa obra de engenharia começou depois de uma grande tragédia. A antiga ponte foi destruída em 1980 durante uma forte tempestade: um navio graneleiro bateu na estrutura e fez mais de 300 metros de armação desabar.

Na estrada, pare na Perkins Bakery e prove a torta de maçã acompanhada de sorvete ou calda de caramelo. O restaurante é uma franquia, mas você tem a impressão de estar na casa de um local.

Uma vez na Flórida

Reserve tempo e dinheiro para um dos melhores outlets dessa meca das compras, o de Ellenton, a 44 quilômetros de St. Pete. Cruze o estado e estique a viagem até Miami – que pode servir de porta de entrada e saída do país, por causa da grande oferta de voos diretos para o Brasil. No caminho, pare em Fort Lauderdale, a quatro horas de viagem de carro de Clearwater Beach.

Miami: principal porta de entrada para os EUA (Alan Parker/Reprodução)

A programação inclui a visita ao Everglades National Park, o Pantanal americano. Estacione o carro na área de descanso e tenha paciência para avistar os crocodilos. Ou faça um passeio no pântano de air boat. A sensação é a de estar no desenho do Pica-Pau.