Entenda como os serviços de sharing podem facilitar sua vida

De um relógio de luxo a atividades em grupo, conheça os diferentes serviços de sharing disponíveis ao redor do mundo

O Airbnb e mais recentemente o Uber inauguraram uma tendência de comportamento, ao que parece, irreversível: o compartilhamento. Por que não dividir sua casa com turistas e, com isso, ainda ganhar algum dinheiro? Da mesma forma, pagar (pouco) por um serviço de transporte eficiente tem se mostrado uma boa alternativa de mobilidade urbana.

Nos últimos tempos, alguns serviços de sharing (compartilhamento, em tradução livre) alcançam notoriedade por sua linha de raciocínio horizontal (com a noção de dividir algo com os outros), criando inúmeras possibilidades fora do monopólio de apenas uma empresa.

Alguns serviços são mais centralizados e para um público mais exclusivo, outros mais pulverizados e populares. Conheça algumas iniciativas atuais (algumas não estão disponíveis no Brasil). Desde aquelas que possuem milhões de usuários, como o já citado Airbnb, até as inusitadas, como o FreshNeck, “o Netflix de gravatas”. Gravatas de grife, por sinal.

Drinks na praia

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Já consagrado por turistas do mundo todo, o Airbnb intermedia o relacionamento direto entre hóspede e proprietário para o aluguel de um imóvel ou de um cômodo. Agora, em alguns países, há a opção “Experiências”, que oferece atividades em grupo como tardes de papos sobre artes ou jantares sob o céu estrelado de Los Angeles.

Omega emprestado

sharing-comportamento-vip8

(Divulgação/Fonte padrão)

Para quem quer usar um Rolex por uns dias e trocar por um Patek Philippe quando enjoar, o serviço Eleven James oferece um revezamento de uso de relógios mecânicos de luxo com quatro opções de pacotes: Enthusiast (básico, com marcas como Bell & Ross e Cartier); Aficionado (peças de cerâmica e metais preciosos das marcas IWC, Panerai, Rolex e Omega); Connoisseur (com Audemars Piguet e Breguet); e Virtuoso (tem Parmigiani Fleurier e Patek Philippe). Os preços desses pacotes vão de 149 a 999 dólares por mês.

150 milhões

de turistas já utilizaram o Airbnb para se hospedar num imóvel desde que o serviço surgiu, em 2008

Netflix das gravatas

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Autointitulada de “a Netflix das gravatas”, a FreshNeck proporciona gravatas finas para executivos que não renovam constantemente seus guarda-roupas. Basta se cadastrar, adquirir um dos pacotes e pedir até três itens. O cliente pode devolver essa cota para pegar outra na hora que quiser. Os preços vão de 20 a 55 dólares por mês e há marcas como Tommy Hilfiger, Hugo Boss, Ralph Lauren, Ermenegildo Zegna, Versace e YSL.

Banquete em casa

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Atualmente presente na Índia e passando por reformulação, o ChefHost é um dos pioneiros do conceito de “cozinha compartilhada”, oferecendo uma experiência gastronômica dentro da SUA casa. A comida pode ser entregue pronta ou feita na cozinha do usuário, que não precisa comprar utensílios e ingredientes, nem dispor de um ambiente refinado: o chef providencia tudo. No Brasil, uma iniciativa similar é o Meu Bistrô. Em nossa simulação, uma ceia completa preparada por um chef carioca sairia por 3 750 reais, servindo dez pratos — o preço já inclui os gastos com ingredientes. Nesse caso, reunir um grupo de convidados para dividir a conta compensará para seu bolso e para o chef.

517 menus

diferentes são oferecidos na opção “Chef em casa” do site do serviço Meu Bistrô

Um Uber relax

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

O Lyft afirma que oferece corridas mais descontraídas que o “luxuoso” Uber. Apesar do bom humor, o serviço leva a segurança a sério, com uma equipe para emergências em alerta 24 horas por dia. Sua opção “Line” (similar ao uberPOOL) evita lotar o carro: a corrida pode ser compartilhada com, no máximo, mais um passageiro desconhecido.

De casa ao trabalho

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Para caronas no trajeto casa-trabalho, surgiu o Waze Carpool na Califórnia com o conceito “um motorista, um passageiro, um carro a menos na rua”. O sistema calcula o combustível gasto e divide meio a meio, repassando a parte do motorista automaticamente pelo aplicativo. Há limite de duas caronas diárias por passageiro (ida e volta do trabalho).

20 milhões

de pontos de acesso de wi-fi do serviço Fon estão espalhados pelo mundo

Sempre conectado

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Internet compartilhada é uma realidade próxima a todos. Assim, a Fon apresenta, em parceria com Google e Microsoft, a ideia de espalhar pontos de wi-fi (“hotspots”) acessíveis através de compra de passes – de apenas uma hora até 30 dias. A parceria já acumulou mais de 20 milhões de hotspots pelo mundo em uma década. No Brasil, a Fon opera com 2,3 milhões de hotspots através da parceria Oi-Fon.

Um Toyota para chamar de seu

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

O car2go se propõe a ajudar motoristas em qualquer imprevisto. O cliente paga uma taxa de adesão, localiza um estacionamento da empresa pelo aplicativo e ali pega um veículo emprestado, pagando pelo tempo de uso — 0,41 dólar por minuto ou 84,99 dólares por dia. Atua nos Estados Unidos, China e Europa, e animou montadoras como Toyota e General Motors a lançar serviços parecidos.

Um carro por ano

sharing-comportamento-vip

(Divulgação/Fonte padrão)

Pioneiro no Brasil, o Carro Fácil atende a pessoas que não querem mais “ter”, mas sim apenas “utilizar” um veículo. Diferentemente dos programas estrangeiros, oferece empréstimos de longo prazo — planos de um ou dois anos, e por quilometragem. Quem devolve o carro em bom estado pode ter a primeira mensalidade gratuita. Já está disponível nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.