Morto pela boca

Meus argumentos para um amigo que (absurdo!) não gosta de fazer sexo oral

Vim passar um tempo em Caraíva, na Bahia, um lugar onde o tempo adquire um ritmo tão mais lento que até esta coluna está sendo entregue bem atrasada (desculpa, editor querido). Como uma colunista de sexo não para de trabalhar nem quando está em férias, claro que o tema impera em meus papos por aqui. Ontem, estava no jardim da minha casinha caraivense, tomando café da manhã com dois amigos com ideias sexuais bem libertárias como as minhas. Eis que um terceiro amigo passa na frente e o chamamos para se juntar a nós. E, no papo, o cara confessa que não gosta de fazer sexo oral. Os outros dois reagem com intensidade, com argumentos muito elaborados sobre o prazer que eles viam na prática do cunilingus. Nossa fervorosa defesa do sexo oral fez o café da manhã durar horas. Aqui, divido um resumo dos nossos argumentos. Vai que você, leitor, também não seja muito chegado, né?

Se for só insegurança

Seja sincero: você não curte mesmo o ato ou não se sente seguro em fazer sexo oral por não ter certeza de que faz direito? Muitos homens usam como desculpa esse discurso de que não gostam para encobrir o fato de que não sabem. É, como na adolescência, dizer que não gosta de química porque só tira nota baixa. É normal não ter certeza se está ou não acertando, a vagina é um universo megacomplexo e as mulheres não falam muito de como gostam de ser chupadas. E ainda tem o agravante de que cada mulher tem a anatomia diferente, sente prazer de forma distinta. Então seja sincero consigo mesmo. Se você não se sente seguro fazendo, é fácil de aprender – e de começar a gostar.

Se você não sabe fazer

Nesse caso, posso ajudar com algumas coisas. 1) Foque no clitóris. Tudo é muito bom nos arredores, mas, se você quer que ela goze, é lá que você deve se atentar, fazendo movimentos ritmados com a língua. Se você não sabe onde é esse ponto (vários não sabem, believe me), pesquise. 2) Não chupe apenas de passagem, fique ali um tempo considerável para que ela goze – o que é mais tempo do que você imagina. 3) Sinta a mulher, teste variações do movimento e perceba as reações dela a cada mudança. 4) Se preferir, pergunte durante o sexo se ela gosta mais que você faça de um jeito ou de outro. Falar sobre o ato pode ser supersensual – e é provável que ela não fale se você não perguntar.

Se não gosta mesmo

Se você chegar à conclusão de que não gosta mesmo, seja lá qual for o motivo, ainda assim você precisa tentar. Você não adora quando ela faz sexo oral em você? Isso não é parte essencial do sexo? Então. Isso é já suficiente para que você se esforce e dê esse prazer a ela também. Pense no quão deliciosamente pervertido é o ato de ter sua boca ali, assista a vídeos pornôs de sexo oral e se masturbe vendo aquilo, foque no prazer que ela vai sentir, se torne cada vez melhor na prática, de forma que isso o estimule mais. E, se todas essas dicas falharem, lembre-se disso: os homens bons em sexo oral são inesquecíveis para as mulheres. Justamente por eles serem poucos, se você arrasar nisso já sai na frente. Seja esperto e siga a dica da amiga aqui.

Carol Teixeira é filosofa, escritora e autora do livro Bitch (Record). Siga-a: @carolteixeira_ 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!