Nossos campeões de F-1 na capa da VIP

Houve um tempo em que o Brasil comandava a F1. Entre a estreia de Emerson Fittipaldi em 1970 e a morte de Ayrton Senna em 1994, foram 8 títulos mundiais

Houve um tempo em que o Brasil comandava a Fórmula 1. No período entre a estreia de Emerson Fittipaldi em 1970 e a morte de Ayrton Senna em 1994, os números foram de respeito:

  • 8 títulos mundiais (Emerson em 1972 e 1974, Nelson Piquet em 1981, 1983 e 1987, e Senna em 1988, 1990 e 1991)
  • 5 vice-campeonatos (Emerson em 1973 e 1975, Piquet em 1980 e Senna em 1989 e 1993)
  • 79 vitórias em GPs (41 de Senna, 23 de Piquet, 14 de Emerson e uma de José Carlos Pace, que morreu precocemente num acidente de avião em 1977, sem entrar para o clube dos campeões como poderia)
  • 96 pole-positions (65 de Senna, 24 de Piquet, 6 de Emerson e uma de Pace)

Os três brasileiros campeões foram destaque na VIP. Último a ganhar título, Ayrton Senna foi o primeiro a aparecer em nossa capa em fevereiro de 1989, poucos meses depois de sua primeira conquista.

Nelson Piquet apareceu na capa quando já estava fora da F-1. Foi em agosto de 1992, meses depois do grave acidente que teve nos treinos para as 500 Milhas de Indianápolis, prova da Fórmula Indy, quando bateu num muro e teve pés e pernas esmigalhados.

No ano seguinte, Piquet conseguiu disputar a prova de Indianápolis, só para provar que podia. Depois do acidente, ele não tinha mais como ser competitivo.

E o pioneiro Emerson Fittipaldi esteve em nossa capa em abril de 1996, numa celebração antecipada de seu 50º aniversário (que só aconteceria em dezembro). Depois que deixou a F-1 em 1980, Emerson migrou para a Fórmula Indy em 1984, na qual foi campeão em 1989 e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis em 1989 e 1993. Ainda disputava a categoria quando esta edição foi às bancas.

Apenas três meses depois dessa capa, Emerson sofreu um grave acidente na corrida de Michigan que encerrou sua carreira de piloto.

***

Um adendo curioso: outro campeão de F-1 apareceu numa capa da VIP, mas sem ser o astro principal. O alemão Michael Schumacher teve direito a apenas um cantinho na página frontal da edição de abril de 1995. Pelo menos ele falava bem do Ayrton Senna na chamada.

***

Posts relacionados