Os hotéis mais lendários do rock – e suas histórias escabrosas

Hotéis são um barato. Aqui celebramos os que fizeram a história do rock. Você pode até se hospedar neles se não se chamar Ozzy, Axl Rose ou Robert Plant

Patty Smith em seu quarto no Chelsea Hotel

Patty Smith em seu quarto no Chelsea Hotel, onde viveu nos anos 70 (reprodução/VIP)

A história do rock também é a  dos excessos. Quer dizer, costumava ser numa época em que grandes bandas promoviam orgias de proporções romanas enquanto quebravam quartos e corredores de hotéis, tudo regado a litros de álcool e muitos gramas de muitas drogas.

Que não se fazem mais roqueiros como antigamente é fato – aceitemos que dói menos. Mas a história está aí, e se as paredes de hotéis que se tornaram conhecidos no mundo inteiro pelas bandas e artistas que transformaram seus quartos em segundas casas (ou playgrounds de vandalismo) resolvessem falar.

Reunimos algumas dessas melhores histórias a seguir, que podem se tornar um roteiro afetivo para quem, na primeira nota de um solo do Led Zeppelin ou de uma virada de Keith Moon na bateria do The Who, só deseja uma coisa: voltar no tempo e botar pra quebrar!

 

Delmonico Hotel (Nova York, EUA)

Os reis do pedaço: Beatles, Bob Dylan

Bob Dylan e John Lennon

Bob Dylan mostrou a maconha aos Beatles no Delmonico. Resultado: “Got To Get You Into My Life”, “Dr. Robert”… (reprodução/internet)

Um dos programas de maior sucesso da televisão americana foi o Ed Sullivan Show, que ficou no ar de 1948 a 1971. Ed Sullivan levava ao programa a nata do entretenimento mundial e foi responsável por apresentar os Beatles e muitos outros ao público americano.

O poderoso apresentador e empresário morava no luxuoso Delmonico (hoje, The Trump Park Avenue), localizado no coração de Nova York e perto do Central Park.

Por causa da associação com Ed Sullivan, muitos artistas que participavam do programa dele se hospedavam lá. O hotel se tornou o local favorito dos Beatles quando iam à Big Apple. E foi no Delmonico que aconteceu um dos encontros mais marcantes da história do rock: o quarteto de Liverpool conheceu Bob Dylan.

No dia 28 de agosto de 1964, John, Paul, George e Ringo se juntaram a Dylan para uma noitada de vinho barato regado a maconha. Todos deram muitas gargalhadas, mas o mais importante é que aquela noite ficou conhecida como o dia em que Dylan apresentou a cannabis aos Fab Four.

Local: 502 Park Avenue, Nova York
Preço: a partir de R$ 450/noite

 

The Hyatt House(Los Angeles, EUA)

Os reis do pedaço: Led Zeppelin

Robert Plant na sacada de um dos quartos do The Hyatt House

Robert Plant na sacada de um dos quartos do The Hyatt House, durante a turnê do álbum Physical Graffiti (reprodução/internet)

Uma lenda conta que antigamente havia uma foto de um roqueiro genérico cabeludo em frente do balcão de atendimento do Hyatt com a seguinte legenda: “Trate este homem com respeito. Ele pode ter vendido milhões de discos”.

O Hyatt, fundado em 1962, por um tempo era um hotel convencional até ser descoberto por Doors, Jefferson Airplane e outras bandas que frequentavam o lendário clube Whisky a Go Go.

Logo a comunidade do rock fez do Hyatt a sua base e o hotel passou a ser chamado de “Riot” (trocadilho com “desordem”). Era o hotel favorito do Led Zeppelin – o baterista John Bonham uma vez andou de motocicleta pelos corredores e o cantor Robert Plant cunhou lá a frase: “Eu sou um Deus grego!”.

No documentário Cocksucker Blues, Keith Richards e o saxofonista Bobby Keys são vistos jogando uma televisão da sacada do Hyatt. Hoje batizado de Andaz West Hollywood, o hotel foi todo reformulado e as sacadas onde os rock stars jogavam televisões agora se encontram ladeadas por vidro, uma prova que os tempos, definitivamente, mudaram.

Local: 810 S. Douglas St., El Segundo, Los Angeles
Preço: a partir de R$ 750/noite

 

The Sunset Marquis Hotel (Los Angeles, EUA)

Os reis do pedaço: Bruce Springsteen, Guns N´Roses, Bob Marley, Beastie Boys

Bob Marley no The Sunset Marquis Hotel

Tranquilo e luxuoso, o The Sunset Marquis Hotel foi o porto seguro de Bob Marley em Los Angeles nos anos 70 (reprodução/internet)

Se vários roqueiros procuravam o Hyatt pelo fato de ser um hotel que fazia vista grossa para destruição de quartos, orgias sexuais e consumo de drogas, muitos artistas se hospedam no Sunset Marquis por motivos opostos.

O hotel é conhecido por oferecer total privacidade e ser um paraíso para aqueles que querem passar despercebidos.

O luxo e o conforto oferecidos pelo Sunset tornaram o local obrigatório para modelos, gente de Hollywood e empresários. E roqueiros milionários como U2, Rolling Stones, Ozzy Osbourne, Roger Waters, Phil Collins, Bruce Springsteen e Guns N’ Roses fizeram de lá parada obrigatória.

O hotel tem pouca tolerância para desordens. Até mesmo notórios arruaceiros como Ozzy e Axl Rose se comportaram quando estiverem lá. Bob Marley e o The Wailers passaram um bom tempo ali durante a turnê de 1976 – mas naqueles tempos, fumar em ambiente fechado era tranquilo.

Mas os rapazes do Beastie Boys, ainda no começo de carreira, não respeitaram as regras do Marquis e foram convidados a se retirar no segundo dia de hospedagem.

Local: 1200 North Alta Loma Road, Los Angeles
Preço: a partir de R$ 750/noite

 

Holiday Inn (mundo inteiro)

Os reis do pedaço: The Who

Aniversário de Keith Moon no Holiday Inn

O Holiday Inn até deu os parabéns a Keith Moon em seu letreiro. Horas depois, eles seriam banidos para sempre (reprodução/internet)

Essa rede é conhecida como o McDonalds dos hotéis. Existe em todo o mundo e busca uma uniformização de serviços – por isso era o único hotel onde Ray Charles ficava, já que ele sabia exatamente onde encontrar tudo.

Era um lugar perfeito para The Who, que começou destruindo instrumentos no palco e depois levou a expertise para a demolição de quartos de hotel.

No dia 23 de agosto de 1967, a banda celebrou no Holiday Inn de Flint, em Michigan (EUA), os 21 anos do anárquico baterista Keith Moon.

Tudo começou inocentemente com The Who, Herman’s Hermits e vários convidados de uma emissora de rádio (a maioria garotas) ao redor de um bolo de aniversário em um salão adjunto. Logo, começou uma guerra, com os convidados e músicos se jogando (e sendo jogados na piscina).

Os extintores de incêndio foram arrancados da parede e descarregados nos carros estacionados. No meio da confusão, Moon, que teve as calças arrancadas, tropeçou e quebrou o dente da frente. Foi levado ao dentista e não teve chance de jogar um Lincoln Continental na piscina, como clamou anos depois.

Mas o quebra-quebra foi épico e o Holiday Inn baniu o Who para sempre.

Local: presente em mais de 100 países
Preço: a partir de R$ 140/noite

 

Hotel Chelsea (Nova York, EUA)

Os reis do pedaço: Sex Pistols, Patti Smith, Ramones, Iggy Pop

Hotel Chelsea

O Hotel Chelsea fica no bairro de mesmo nome, em Manhattan, e já teve fases bem pesadas (reprodução/internet)

O Chelsea é o hotel preferido da intelectualidade boêmia de Nova York e sua reputação como local frequentado por figuras de imenso talento já precedia o surgimento do rock.

O prédio, construído em 1884, com o passar das décadas teve em seus quartos notáveis como Mark Twain, Sarah Bernhardt, Edith Piaf, Thomas Wolfe, Arthur C. Clarke (que escreveu lá 2001: Uma Odisseia no Espaço) e muitos outros.

A partir da década de 1960, o hotel virou point da turma de vanguarda de Andy Warhol e isso também atraiu a comunidade do folk e do rock.

Bob Dylan (que escreveu Visions of Johanna e Sara inspiradas no Chelsea), Pink Floyd, Leonard Cohen (que escreveu Chelsea Hotel #2), Janis Joplin, Grateful Dead e Jimi Hendrix foram alguns dos nomes que fizeram do Chelsea seu lar em Nova York.

Na década de 1970, também foi adotado pela turma do punk. Iggy Pop, Ramones e Patti Smith eram figurinhas fáceis no prédio.

Sid Vicious (baixista dos Sex Pistols) e sua namorada, Nancy Spungen, estavam hospedados no Chelsea, em 1978, quando ela foi morta a facadas, crime atribuído a Vicious, embora ele tenha negado até morrer de overdose, pouco tempo depois.

Local: 222 W 23rd St., Nova York
Fechado para reformas desde 2011

 

Las Vegas Hilton (Las Vegas, EUA)

Os reis do pedaço: Elvis Presley

Show de Elvis Presley no Las Vegas Hilton

Show de Elvis Presley anunciado no Las Vegas Hilton, em 1969 (reprodução/internet)

O luxuoso hotel localizado na meca do jogo dos Estados Unidos foi inaugurado em 1969 e era conhecido na época como The International Hotel. Nesse ano, passou a se chamar Westgate Las Vegas Resort & Casino.

Nomes como Frank Sinatra e Barbra Streisand costumavam se hospedar por lá, mas ninguém reinou absoluto no velho Hilton como Elvis Presley.

Em agosto de 1969, o rei voltou a se apresentar ao vivo e a sala de espetáculos do hotel foi o local escolhido. Elvis ficava obrigatoriamente na Suíte Imperial, localizada no 30º andar, e lá virou sua segunda casa.

No suntuoso quarto com carpete verde, tinha à disposição serviço 24 horas. Nos quartos adjacentes ao do rei ficava a chamada máfia de Memphis, que era uma mistura de guarda-costas com amigos assalariados.

Em seu quarto, Elvis também costumava praticar pontaria, dando tiros na televisão toda vez que a programação o desagradava.

Local: 2650 Las Vegas Boulevard South, Las Vegas
Preço: a partir de R$ 650/noite