3 livros para ler nas férias

Futebol, biografia que conta tudo sobre a high society ou narrativa bem humorada sobre os linchamentos morais da web... Escolha o seu e boa leitura!

1 – A noite e a alta sociedade do Rio no século 20

O livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança é mais que uma biografia do jornalista Zózimo Barroso do Amaral (1941–1997), um dos principais colunistas sociais do país. O autor Joaquim Ferreira dos Santos faz nele um amplo panorama da sociedade do Rio de Janeiro no século 20: quem eram os ricos e poderosos, quem eram os personagens da noite, passageiros ou duradouros, quem eram os jornalistas que falavam dessas pessoas. Na era da internet, a essência ainda é a mesma.

Zózimo foi importante em seu ofício. Bem-nascido, frequentou a elite sem inibição. Era uma pessoa complexa que teve sérios problemas de alcoolismo. Possuía um humor fino e crítico, mas aceitava trens da alegria e troca de favores. E Zózimo era um esnobe, para o bem e para o mal: sabia identificar elegância autêntica, mas não tolerava novos-ricos. Há muitos personagens no livro. De Jorginho Guinle ao príncipe Charles, de Chico Buarque a Arnaldo Jabor, de Danuza Leão a Ricardo Amaral, de Brizola a Collor. E há histórias cômicas, como as duas prisões dele pela ditadura militar. Pode ser que muita gente hoje não saiba quão importante era ter seu nome publicado “no Zózimo”. Mas o relato histórico de como isso se dava é bem educa- tivo para quem vive em qualquer nível da pirâmide social.

Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança – Joaquim Ferreira dos Santos/Intrínseca R$69,90

2 – Tribunal da Web

Na era de redes sociais e WhatsApp, qualquer escorregão pode causar a desgraça de alguém. Uma ironia mal interpretada, uma piada interna que seja ofensiva para estranhos, uma irritação na hora errada… Os linchamentos morais da internet inspiraram o escritor gaúcho Michel Laub em seu oitavo livro, O Tribunal da Quinta-Feira. O narrador é um publicitário de 43 anos, recém-separado da mulher. Uma senha anotada num papel esquecido permite que a ex invada o e-mail dele. Além de descobrir que foi traída, ela disseca toda a correspondência entre o ex e um velho amigo homossexual. Para se vingar, ela espalha pela internet os trechos mais politicamente incorretos das conversas, cheias de termos e piadas que só os dois amigos entendem. A exposição do que era particular promove um julgamento virtual, em que os amigos são condenados até por absolutos estranhos que adoram ser guardiões da moral alheia. Enfim, uma história atualíssima.

O Tribunal da Quinta-Feira – Michel Laub/Companhia das Letras R$34,90

Futebol é coisa séria

Pelos livros da série Minha Luta, sua saga autobiográfica de sucesso mundial, o norueguês Karl Ove Knausgård soa como um escritor profundo que mal se diverte. Mas Karl é um entusiasta do futebol, e demonstra isso em Home and Away: Writing the Beautiful Game, publicado em novembro no Reino Unido. A obra traz a empolgada correspondência dele com o escritor sueco Fredrik Ekelund, que estava no Brasil na Copa de 2014. O ponto alto é, como seria de se esperar, o drama dos 7 x 1 que o Brasil levou da Alemanha.