O roqueiro bossa-nova e a seleção musical do mês pela VIP

Fã de João Gilberto, o americano Ron Gallo faz rock que lembra um monte de artistas, mas com muita personalidade

Ron Gallo é um daqueles roqueiros inusitados que surgem de vez em quando. Seu som pode lembrar vários artistas e, mesmo assim, sua abordagem parece diferente. Ele faz barulho com a guitarra, mas seus álbuns favoritos incluem o gospel de Mahalia Jackson e o clássico da bossa nova Getz/Gilberto – a parceria de 1963 entre o saxofonista americano Stan Getz e o cantor brasileiro João Gilberto. E lança seu segundo álbum, Heavy Meta (disponível em streaming), dizendo que é como se fosse o de estreia, numa espécie de recomeço de carreira.

Natural da Filadélfia, Gallo formou em 2007 a dupla Toy Soldiers, que começou com guitarra e bateria e, a cada ano, foi inchando até contar com uma dúzia de membros. A banda não chegou a decolar e Ron saiu em 2014, lançando um álbum solo meio levinho logo em seguida.

Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Frustrado com a falta de rumo e uma relação amorosa complicada, ele decidiu dar uma guinada completa – na vida pessoal e na carreira. Parou de beber, mudou-se para Nashville e reformulou-se como um roqueiro mais básico, acompanhado por baixo e bateria. É essa encarnação de Gallo que está presente em Heavy Meta.

Nas 11 faixas, ele tem vários momentos comparáveis a outros roqueiros. Sua torrente de palavras em letras narrativas lembra Lou Reed e Bruce Springsteen. A guitarra vai de The Who e Neil Young até T. Rex e Television (às vezes numa única música). E a faixa Black Market parece misturar dois grupos mais recentes, Jon Spencer Blues Explosion e White Stripes.

Da abertura mais suja de Young Lady, You’re Scaring Me à reflexão de All Punks Are Domesticated no encerramento, Ron Gallo mostra que pode nem ficar famoso e marcar época, mas sabe fazer um álbum de rock que não é apenas música ambiente.


TRANSE

Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Oczy Mlody, Flaming Lips
Uma banda veterana e uma novíssima vêm com álbuns de sons hipnóticos, algo psicodélicos. Com 30 anos de carreira, os americanos do Flaming Lips lançam Oczy Mlody, que segue a mistura de sons estranhos e celestiais que criaram a reputação da banda com seus trabalhos nas décadas de 90 e 2000. Eles sabem o que fazem, com a autoridade de quem já recriou obras-primas intrincadas como The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd, e Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles.

Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Meandering, The Mysterons
Já os holandeses do quinteto The Mysterons só agora chegam ao primeiro álbum, Meandering, depois de divulgar algumas faixas avulsas. O que atrai no grupo é o tempero que melodias orientais exóticas dão ao pop rock dançante, como se nota em Metamorphosis e, especialmente, na hipnótica Turkish Delights. Uma estreia interessante.    

Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação