RIP 2016: uma playlist com 30 grandes artistas que se foram

David Bowie, Cauby Peixoto, Leonard Cohen, Frank Sinatra Jr., Sharon Jones... só faltou Prince, que não tem músicas no Spotify

Mais uma playlist temática da VIP no Spotify. No clima de retrospectiva que sempre toma conta de dezembro, olhamos para os grandes nomes que perdemos durante 2016. Trazemos 30 deles em nossa seleção musical.

Só faltou o brilhante Prince, morto em 21 de abril, porque nenhuma faixa — por vontade e teimosia dele próprio — está disponível no Spotify.

Vamos ao “quem é quem” da playlist:

-Paul Bley, pianista americano de jazz (morreu em 3/1, aos 83 anos).

-David Bowie, cantor inglês de rock (10/1, aos 69 anos).

-Glenn Frey, cantor e tecladista americano de rock, membro fundador da banda Eagles (18/1, aos 67 anos).

-Paul Kantner, guitarrista e vocalista americano de rock, fundador dos grupos Jefferson Airplane, Jefferson Starship e Starship (28/1, aos 74 anos).

A banda funk Earth, Wind & Fire entra com o clássico “Let’s Groove” por causa de seu líder e cantor principal Maurice White (4/2, aos 74 anos).

-Severino Filho, líder do grupo vocal Os Cariocas, participante de primeira hora da bossa nova (1/3, aos 88 anos).

-George Martin, maestro e produtor dos Beatles durante toda a carreira do quarteto (8/3, aos 90 anos). A faixa “Pepperland” é de Martin e fez parte da trilha sonora do desenho animado Yellow Submarine.

-Naná Vasconcelos, percussionista brasileiro de MPB e jazz (9/3, aos 71 anos). A música “Assim Naná Ensina” é uma parceria com o cantor Itamar Assumpção, que morreu em 2003.

-Emerson, Lake & Palmer, trio inglês de rock progressivo, perdeu dois membros: o tecladista Keith Emerson (11/3, aos 71 anos) e o cantor, guitarrista e baixista Greg Lake (7/12, aos 69 anos).

-Frank Sinatra Jr., cantor americano de pop e jazz, com voz que lembrava bastante a do pai (16/3, aos 72 anos).

-Phife Dawg, rapper americano do grupo A Tribe Called Quest (22/3, aos 45 anos).

-Gato Barbieri, saxofonista argentino de jazz, famoso pela trilha sonora do filme O Último Tango em Paris (2/4, aos 83 anos).

-Gétatchèw Mèkurya, saxofonista etíope de jazz (4/4, aos 81 anos).

-Merle Haggard, cantor americano de country (6/4, aos 79 anos).

-Papa Wemba, cantor congolês de soukous (24/4, aos 66 anos).

-Billy Paul, cantor e pianista americano de soul e pop (24/4, aos 81 anos).

-Cauby Peixoto, cantor brasileiro de MPB (15/5, aos 85 anos).

-Muhammad Ali, boxeador americano tricampeão mundial dos pesos pesados, que gravou em 1963 um LP quando ainda se chamava Cassius Clay (3/6, aos 74 anos).

-Scotty Moore, guitarrista americano que acompanhava Elvis Presley quando ele surgiu como “Rei do Rock” (28/6, aos 84 anos).

-Suicide, dupla americana pioneira do rock eletrônico alternativo, entra por causa de seu vocalista Alan Vega (16/7, aos 78 anos).

-Vander Lee, cantor e violonista brasileiro de MPB (5/8, aos 50 anos).

-Toots Thielemans, gaitista belga de jazz (22/8, aos 94 anos).

-Prince Buster, cantor jamaicano de ska e reggae (8/9, aos 78 anos).

-Dead or Alive era, no nome, um grupo inglês de pop. Mas sua existência se devia totalmente a seu vocalista, líder e figura pública Pete Burns (23/10, aos 57 anos).

-Bobby Vee, cantor americano de pop-rock (24/10, aos 73 anos).

-Roland Dyens, violonista francês de música clássica (29/10, aos 61 anos). Obs.: na faixa da playlist, ele está creditado incorretamente pelo Spotify como “Ronald”.

-Leonard Cohen, cantor e poeta canadense de rock e folk (7/11, aos 82 anos).

-Sharon Jones, cantora americana de soul e funk do grupo Sharon Jones & The Dap-Kings (18/11, aos 60 anos).

-Colonel Abrams, cantor e instrumentista de dance music eletrônica (24/11, aos supostos 67 anos).

-Golden Boys, grupo vocal brasileiro de pop-rock, foi incluído por causa de Roberto Corrêa, um dos três irmãos da formação original (26/11, aos 76 anos).