Redes sociais voltadas para o sexo se espalham pela internet com a promessa de encontros sem compromisso. Na prática, são versões adultas e sem rodeios (se a intenção é mesmo conhecer alguém para transar) de sites como o Orkut e o Facebook: as pessoas têm perfis com foto principal e álbuns e trocam mensagens. Mas há diferenças fundamentais: muitas imagens e conversas são bem explícitas, só podem ingressar maiores de idade e o cadastro é pago, via cartão de crédito. Decidimos nos inscrever em um site para saber o que rola. Optamos pelo líder mundial, o americano Adult Friend Finder.

Com mais de 30 milhões de perfis do mundo todo (cerca de 1,5 milhão são do Brasil), o Adult Friend Finder é o carro-chefe do grupo Friend Finder, que administra outras redes sociais mais inocentes e foi adquirido em 2007 pela Penthouse, gigante do mercado erótico. Graças ao Adult, o Friend Finder foi classificado pela revista de negócios Inc. como a companhia que cresce mais rapidamente nos Estados Unidos: em 2005, faturava US$ 31 milhões; em 2008, US$ 331 milhões.

Durante duas semanas, utilizamos um perfil no Adult na caça de mulheres que aceitassem sair do computador e partir para um encontro real. Pagamos R$ 38,60 (na fatura do cartão, a cobrança veio em dólar: US$ 20,95) por uma Conta Ouro, que coloca sua foto e seu perfil em destaque maior, dá prioridade para contatar novos perfis e acesso completo a vídeos e outras funcionalidades como os blogs. Partimos para diferentes abordagens. Desde um direto “Oi, que tal um restaurante japonês e depois um pulo no motel?” até clichês como “Seu sorriso me hipnotizou. Qual seu nome?”. É um momento de paciência. Nem sempre as pessoas que respondem parecem valer a pena. Não é impossível achar uma gata com jeito de modelo, mas elas são exceções. A maioria das usuá rias está acima dos 30 anos e é casada ou divorciada. Recebemos também abordagens de garotas de programa que enviavam seus telefones de olho em transas pagas.

Finalmente, depois de 15 respostas recebidas, topamos com uma que, pela foto, merecia ser cultivada: uma carioca de 34 anos, casada, que se dizia “viciada em sexo”. Após algumas mensagens trocadas no Adult, partimos para conversas privadas no MSN, cheias de flertes. No papo, ela contou ser corretora de imóveis e que já saiu com gringos através do site. Ficamos de ligar para combinar algo. Parou nisso. Mas era só ter marcado que rolaria.

Há quem navegue pelo Adult só pelo prazer virtual. Como a dona de casa de 31 anos que usa o perfil Molhadinha2920. Ela contou que só teve um encontro através do Adult e prefere mesmo a atividade online, mas tem uma dica para quem busca algo real: “A parte que mais propicia isso é o chat. O melhor é puxar papo e ser educado. Porque homem que chega e já vai logo falando ‘Quero uma garota para sexo’ não consegue nada”.

OS INCONVENIENTES

Concorrência masculina
A disputa pelas atenções femininas é acirradíssima, porque as redes têm muito mais marmanjos. No brasileiro Pulacerca.com, a proporção é de sete homens para três mulheres. Outro fator desagradável é topar com fotos em que os caras exibem seus “dotes”.

Perfis falsos
Gente que não é o que aparenta na foto nem o que diz ser. Segundo a administração do Pulacerca.com, pelo menos 10% dos perfi s inscritos nesse tipo de rede social são claramente enganadores. Desconfi e sempre.

Garotas de programa
Estão sempre rondando para tentar marcar um encontro e depois cobrar por isso – o que contraria a razão de entrar numa rede social. Costumam enviar mensagens com o número de telefone delas logo de cara.

“FUI DO SHOPPING PARA O MOTEL”
A designer de moda B., 38 anos, escreve o blog Avidasecreta.com. Já transou com 20 pessoas através de redes sociais e já teve perfil nos sites Adult Friend Finder e Alt.com.
Por que você tem perfil em redes de sexo?
Sou tímida. Não funciono em baladas. Uso a internet como um barzinho, para conhecer gente.
E os encontros reais?

No primeiro encontro, costumo só conversar em ambientes públicos, como shopping, livraria e centros culturais. Não rola nem beijo. Mas um olhar, uma roçada de pernas, uma frase mais safada, tudo isso faz perceber se o interesse é mútuo.
Nunca conheceu alguém pela internet e foi direto transar?
Já. Fui do shopping seguro diretamente para uma tórrida noite no motel. Mas isso é perigoso demais.
Alguma dica para quem quer entrar em um desses sites?

Nunca mentir. Nem altura, nem peso, nada. E evite fotos explícitas. Tudo o que é insinuado é mais gostoso.

OS PRINCIPAIS SITES
AdultFriendFinder.com
Maior do mundo. Inclui batepapo com webcam, modelos ao vivo em chat, mensagem instantânea, fóruns e blogs. Sem pagar, é quase impossível navegar nele. Plano mais barato: um mês de Conta Prata por R$ 25,70. Mais caro: um trimestre de Conta Ouro por R$ 77,29.
Pulacerca.com

Site brasileiro que afi rma pos suir 500 mil usuários ativos. Oferece chat, fotos e vídeos dos usuários. Apesar do nome, só 6% dos perfi s são de gente casada. O cadastro é grátis, mas certas áreas são restritas a quem paga. A assinatura mensal é R$ 50,70. A trimestral, R$ 127.
Alt.com

Possui a mesma plataforma do Adult Friend Finder, mas é voltado exclusivamente para pessoas em busca de BDSM (sigla para bondage, disciplina, sadismo e masoquismo). Dói também no bolso: um trimestre de assinatura sai entre R$ 76 (Conta Prata) e R$ 127 (Conta Ouro).
Swingreal.com

O site avisa logo na entrada: “No Fake” (Nada de perfi l falso). Para participar, é obrigatório receber um convite de um integrante do site e também conhecer outros três casais participantes, que vão se certifi car de que os novatos são realmente casados.