A seleção de ilustres ausências da Copa do Mundo de 2002

Romário, Alex, Djalminha, Juninho Pernambucano, Antônio Carlos, Amoroso... todos craques - e todos ficaram de fora da lista do Felipão

Uma das escalações da Seleção Brasileira em 2001: Dida, Edmílson, Washington, Lúcio, Zé Maria, Sonny Anderson. Agachados: Carlos Miguel, Ramón, Fábio Rochemback, Léo e Leomar (capitão!) (reprodução/Reprodução)

O capítulo final sobre a Seleção Brasileira de 2002 você conhece muito bem — Brasil pentacampeão, com o capitão Cafu levantando a taça enquanto gritava “Regina, eu te amo” para a esposa. 

O que nem todos lembram é que a trajetória da Seleção canarinho até o torneio foi um drama cheio de derrotas preocupantes contra Bolívia, Equador e Paraguai. A amarelinha só carimbou seu passaporte no último jogo das eliminatórias, quando venceu a Venezuela por 3 a 0 em São Luís do Maranhão – se perdesse ou empatasse, uma combinação de resultados poderia deixar o Brasil fora de uma Copa pela primeira vez na história. 

cafu-esporte-copa-do-mundo-2002-vip

((Photo by Shaun Botterill/Getty Images)/Revista VIP)

Essa coleção de revés fizeram o time tupiniquim trocar algumas vezes de técnico (começou a campanha com Vanderlei Luxemburgo, encarou uma única partida sendo comandado por Candinho, passou uma fase com Emerson Leão e foi ao oriente nas mãos do Felipão) e testar um número quase incontável de jogadores. Muito deles bons atletas – outros, tão bizarros que precisamos acionar o Google para relembrar (ou descobrir) quem eles eram.

Para brincar com a ideia de final alternativo, fizemos um levantamento de jogadores brasileiros que estavam atuando bem na época da convocação final e montamos um “Time de ausentes” que poderia, sem exagero algum, ter brigado pelo penta.

 

Titulares (clique na foto para ampliar!)

esquema-tatico-esportes-copa-do-mundo-2002-vip

Goleiro: Hélton (Vasco da Gama)

O arqueiro do time carioca não foi uma vez sequer convocado no período pré-Copa. Mas era ele o goleiro da Seleção Brasileira Sub-23 em 2000. Inclusive venceu o Torneio Pré-Olímpico no mesmo ano. Fora isso: era titular absoluto do time da Colina, tendo sido destaque no título do Campeonato Brasileiro de 2000.

Lateral-direito – Alessandro (Atlético Paranaense)

Campeão brasileiro em 2001 pelo time paranaense, chegou a fazer parte de três convocações da Seleção Brasileira, mas perdeu a vaga no fim para a polivalência de Belletti, que foi à Copa como reserva imediato de Cafu.

Zagueiro – Antônio Carlos (Roma)

Foi um dos zagueiros na estreia de Luiz Felipe Scolari no comando do Brasil contra o Uruguai. Sem mencionar que o beque era atual Campeão Italiano pela equipe da capital italiana em 2001.

Zagueiro – Cris (Cruzeiro)

Fazia parte da zaga titular da Seleção na Copa América de 2001 e vivia grande momento no clube mineiro, onde conquistou, entre 2000 e 2002, um título da Copa do Brasil e dois títulos da extinta Copa Sul-Minas.

Lateral-esquerdo – Serginho (Milan)

Presente em apenas uma convocação nas Eliminatórias, justo na derrota para a Bolívia por 3 a 1, Serginho estava em boa forma na equipe italiana. Logo na temporada seguinte, venceu com o Milan a Liga dos Campeões 2002/2003.

Volante: Mauro Silva (Deportivo La Coruña)

Assim como o lateral do Milan, Mauro só jogou um jogo das Eliminatórias. Suas chances foram encerradas definitivamente quando recusou a convocação para a Copa América de 2001, na Colômbia – sua justificativa foi a insegurança do país na época. Porém, o nosso volante do tetra continuou batendo um bolão e ajudou o La Coruña a vencer a Copa da Espanha em 2002.

Volante: Juninho Pernambucano (Lyon)

O meia, ex-Vasco, estava começando sua trajetória na França. Já em 2002 encaçapou o título do Campeonato Francês e da Supercopa da França. Nos anos seguintes, se tornaria o maior nome da história do clube, além de disputar alguns jogos da Copa de 2006 como titular. 

Meia: Djalminha (Deportivo La Coruña)

Apesar de não ter sido convocado nenhuma vez por Felipão, o meia era cotado com um dos favoritos para ir à Copa, já que ele era a peça principal do La Coruña campeão da Copa da Espanha em 2002. Porém, uma briga com o técnico do time as vésperas do mundial zeraram as chances do jogador na seleção. Para nós, nenhuma briga seria capaz de excluir um craque. Djalminha fica e joga!

Meia: Alex (Palmeiras)

Talvez a maior surpresa da lista final de Scolari seja ausência do canhoto Alex. O craque fez parte da seleção que jogou a Copa América de 2001, e mais: foi o atleta que contribuiu decisivamente para o título da Libertadores da América em 1999 pelo Palmeiras, sob o comando de Felipão. O jogador já admitiu ter mágoa do técnico gaúcho. No nosso time, a camisa 10 é dele.

Atacante: Romário (Vasco da Gama)

Romário não é só o cara do tetra, ele é o cara dos 1.000 gols, melhor do mundo da FIFA e provavelmente o jogador de futebol com a maior página de Wikipédia da internet (a lista de títulos e artilharias é interminável). E no biênio 2001/2002 o baixinho estava com o pé para lá de calibrado: foi artilheiro do campeonato brasileiro de 2001 e Chuteira de Ouro Revista Placar em 2002. Convocado por todos os técnicos do período pré-Copa, ele acabou preterido por Felipão, que resolveu apostar na recuperação de Ronaldo. 

Atacante 2: Élber (Bayern de Munique)

Só um técnico brasileiro teria coragem de deixar de fora da Seleção o atacante do atual campeão da Liga dos Campeões. Élber estava marcando gol de tudo que era jeito no time bávaro e ganhou, além da orelhuda em 2001, o Campeonato Alemão (2000/01, 2001/02) e o Mundial de Clubes (2001). Ou seja, esse cara estava chamando conquistas. Camisa 9 para ele.

 

Banco de resevas: outros jogadores que também poderiam estar nesse hipotético “supertime”

  • Goleiro: Júlio César (Flamengo)
  • Lateral-esquerdo: : Sylvinho (Arsenal)
  • Lateral-direito: Zé Maria (Perugia)
  • Zagueiro: Juan (Flamengo)
  • Volante: Zé Roberto (Bayern Leverkusen)
  • Meia: Zinho (Grêmio)
  • Meia: Marcelinho Paraíba (Hertha Berlin)
  • Atacante: Amoroso (Borussia Dortmund)
  • Atacante: França (São Paulo)

 

Show de bizarrices: jogadores que foram convocados para a Seleção Brasileira entre 2000 e 2002 (pré-Copa)

  • Lateral-esquerdo: Athirson (Flamengo): Atuou três vezes pela Seleção em 2000 sob o comando de Vanderlei Luxemburgo.
  • Lateral-esquerdo: César (São Caetano): Atuou duas vezes pela Seleção em 2001 sob o comando de Emerson Leão.
  • Zagueiro: Émerson Carvalho (Portuguesa): Atuou três vezes pela Seleção em 2000 sob o comando de Vanderlei Luxemburgo.
  • Volante: Donizete Oliveira (Cruzeiro): Atuou uma vez pela Seleção em 2000 sob o comando de Candinho.
  • Volante: Leomar (Sport): Atuou inacreditáveis sete vezes pela Seleção em 2001 sob o comando de Emerson Leão.
  • Meia: Esquerdinha (Santos): Atuou uma veze pela Seleção em 2002 sob o comando de Luiz Felipe Scolari.