[Ensaio VIP]: Juliana Paes, a mulher mais sexy do mundo

Linda, deslumbrante, Juliana Paes conquista o tricampeonato nas 100+. Se fosse vivo, Jorge Amado podia ter um treco vendo esta Gabriela

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Ensaio originalmente publicado na edição 332 da revista VIP, em novembro de 2012.

Ela é tricampeã. Depois de conquistar o bicampeonato em 2006 e 2007, Juliana Paes fecha este ano de 2012 como a mulher mais sexy do mundo.

Numa votação astronômica, a atriz, que encantou o Brasil com sua Gabriela, comprova que é mesmo um patrimônio nacional. E olha que, nestes últimos anos, muita coisa mudou em sua vida.

Ela se casou, tornou-se mãe, mas sua beleza e sensualidade permanecem inabaláveis. Aos 33 anos, ela escancara seu lindo sorriso e, modestamente, atesta: “Devo este tricampeonato à Gabriela, certamente”.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Se foi na pele de Gabriela – com sua inocência e sedução tão contraditoriamente presentes na personagem -, não importa. O que nos alegra é que esse novo título fez Juliana Paes nos brindar com seu charme e sex appeal neste ensaio.

“Fui muito feliz como Gabriela. Sei que a escolha do meu nome foi controversa, pois, na Globo, um grupo me queria no papel e outro, não. O principal objetivo do trabalho era homenagear Jorge Amado em seu centenário, e todos que participamos conseguimos isso, e eu ainda pude calar a boca de muita gente. Mas sei que é assim, um ator não pode querer ser unânime.” Engana-se, Juliana, você é uma unanimidade!

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Como é ganhar esse tricampeonato da VIP?

Ser eleita agora, neste momento, é muito legal porque mostra que as pessoas conseguem enxergar sensualidade numa mulher que já é mãe, que já tem uma estrada. Significa que, para ser sexy, você não precisa necessariamente estar solteira ou ser tão novinha, ter 20 anos, estar na flor da idade. Eu sou uma balzaquiana, apesar de detestar esse termo por remeter àquela mulher de 30 anos dos tempos de Balzac [escritor francês do século 19], que não tinha mais perspectivas na vida. Bom, hoje é bacana perceber que, mesmo balzaquiana, a mulher pode ser jovem e sensual. Para mim, sensualidade tem muito a ver com atitude.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Ter sex appeal significa o quê?

Sensualidade tem a ver com empatia e carisma, com estar sempre disponível, ter sorriso aberto, é um conjunto de características que acabam configurando a sensualidade que o brasileiro quer ver. O brasileiro não quer ver a sensualidade fria, distante. Tenho certeza de que, se você puser uma foto de uma mulher sorrindo, plenamente feliz, e outra mostrando uma mulher incrivelmente linda, poderosa, mas distante, vão escolher a foto que tem calor humano, que tem sorriso largo.

Mudou a abordagem que você recebe dos homens, já que em Gabriela você se expôs mais em cena?

Eu percebia olhares curiosos, tanto de homens quanto de mulheres. E também ouvia algumas cantadas, o que é ótimo! Elas são mais raras, por isso, quando escuto, eu acho uma delícia, é bom demais. E ainda chego em casa e conto para o Dudu [Carlos Eduardo Baptista], meu marido! [Risos.] Até porque nunca ouvi nenhuma cantada grosseira ou de baixo nível, elas são sempre amáveis e divertidas.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Em Gabriela, você ficou muito mais exposta do que em qualquer outra experiência como atriz. Foi fácil fazer as cenas de nudez, de sexo? Teve que buscar um despudor maior?

Tratar de Jorge Amado sem a sensualidade é uma mutilação da obra, porque isso está muito explícito, a sensualidade está no cheiro das páginas dos livros dele. E o papel do ator é contar uma história. Mas, apesar de toda a minha entrega neste trabalho, não posso dizer que foi supertranquilo e confortável. Não, não é confortável gravar uma cena de sexo. Ao mesmo tempo não são cenas que me tiram o sono, que me deixam pensando em como realizá-las. Faz parte do trabalho, é essa a história que eu tenho que contar? Então é com serenidade que eu encaro essas cenas. Além disso, tive muita confiança no Maurinho [o diretor Mauro Mendonça Filho].

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Como foi voltar a ter essa sua forma física (aliás, impecável) após o nascimento do seu filho [em dezembro de 2010]?

Eu demorei bastante, levei um ano para voltar à minha forma. Mas foi também porque eu não me preocupei, eu encarei a gravidez como um momento em que eu me permiti fazer o que eu quisesse, como comer doce ou ir ao cinema e comer pipoca. Eu fiz tudo o que quis, mas paguei um preço, engordei 16 kg. Dizem que não é tanto para a minha estatura, tenho 1,70 m, mas, de fato, eu chutei o balde. Obviamente segui todos os cuidados que a gestação exige, como não tomar café e não beber, mas comer besteiras, ah, isso eu comi! Então, levei muito tempo para me recuperar, e acho que Gabriela me ajudou a voltar à minha antiga forma, que são os meus 59 kg.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Então a novela recuperou sua porção “mulher”, após um período em que você foi apenas “mãe”?

Sem dúvida! Veio tudo junto com Gabriela. Porque, veja bem, você começa a resgatar essa mulher principalmente quando volta a sair de casa para trabalhar. Foi no momento em que iniciaram as gravações, e eu já não amamentava mais o Pedro. Quando eu passei a sair para trabalhar, quando comecei a soltar o cabelão, dar conta do comecinho todo, em que Gabriela seduz e é seduzida por Nacib, foi nesse contexto que eu fui retomando essa mulher que não é só mãe. Ao virarmos mãe, a maternidade nos preenche profundamente, nós ficamos meio misturadas mesmo. A viagem que fiz para o sertão, para gravar lá, também foi determinante. Tudo isso veio como resgate da Juliana sem marido, sem filho, sem casa. Isso foi muito importante para mim. Eu devo muita coisa à Gabriela. Agora é que eu estou vendo o quanto esta entrevista está me abrindo uns canais aqui… [pensativa].

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Achar esse equilíbrio entre ser mulher, mãe e atriz ajuda a aflorar o seu lado sensual, que todos homens e também as mulheres aplaudem?

Acredito que sim. Como disse, a sensualidade tem muito de atitude, de carisma. Mas estar feliz, realizada em todos esses aspectos, contribui bastante. O meu marido, além de ser um gato, um companheirão, uma pessoa íntegra, um pai maravilhoso e dedicado, é um homem que só me põe para cima. Ele não se cansa de me elogiar, de dizer que me acha linda e deslumbrante, então, isso só ajuda a ter a minha autoestima lá no alto. Como mulher e, agora, como mãe que sou.

E um homem sexy? Como ele é?

Fisicamente falando, é aquele que tem um sorriso bonito, aquele homem que se ilumina ao sorrir. E também adoro homem com humor, com boas sacadas. Um cara que me faz rir é muito sexy.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Os homens dizem que as mulheres são muito complexas. Qual é a melhor forma de lidar com elas?

As mulheres são cheias de sutilezas, o nosso universo é mais denso. Então, acho bacana o homem se inteirar sobre o mundo feminino, tudo o que ronda esse nosso universo, como trabalho, filhos, família, beleza… Acho que não custa nada ele dar uma lida em revistas femininas, para nos entender melhor, já é um caminho. Vai lá, dá uma olhadinha nelas também, e não apenas na VIP [risos].

O que as mulheres querem num homem?

Elas querem se sentir cuidadas. Querem cuidado, proteção, querem pôr a cabeça no ombro desse homem e se sentir seguras, mas não aprisionadas. A gente quer, nesse homem, também um amigo, alguém para expor nossas fragilidades, sem que isso signifique um retrocesso em tudo o que conquistamos.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Como começa e termina uma noite perfeita?

Não existe uma fórmula para noites perfeitas. Elas têm a ver com sintonia, com a companhia. Por isso, uma noite perfeita pode acontecer diante da TV, assistindo a uma novela e tomando um suco, ou num jantar bacana. O mais importante é o cara estar aberto a ouvir. E a pergunta é simples: o que é que você mais quer fazer? Seja ficar em casa, ir jantar fora, ir a um motel, não importa, o que vale é fazer o que ela gosta e que você esteja a fim de fazer em sua companhia.

Existe alguma parte do seu corpo que você não considere sexy?

Os meus joelhos. Eu trocaria de joelhos.

Juliana Paes

(Paulo Vainer/VIP)

Foto: Paulo Vainer
Realização: Andrea Bueno
Estilo: Juliano Pessoa e Zuel Ferreira
Produção de moda: Juliana Rossoni
Beleza: Saulo Fonseca (Capa Mgt)
Assistente de produção: Cora Sabourin
Assistentes de fotografia: Luciana Izuka e Pedro Nasser
Eletricista: Marcelo Brasil
Tratamento de imagem: Aldo Teixeira (CTI Abril)