Desde que abriu o filme Encontros e Desencontros mostrando, de costas, as suas curvas sensacionais, usando uma calcinha transparente, Scarlett Johansson se transformou num ótimo motivo para ir ao cinema. A espanhola Penélope Cruz, por sua vez, foi aparecendo aos poucos e, de freira em filme do Almodóvar ao par de peitos exibidos gloriosamente a Tom Cruise em Vanilla Sky, tornou-se outra estrela. Só mesmo um gênio do porte de Woody Allen teria bala na agulha para juntar as duas. Foi o que ele fez em seu novo filme, Vicky Cristina Barcelona, em cartaz nos cinemas brasileiros. Ele fez melhor: botou as duas gostosas trocando carinhos e se beijando. Coisa de mestre. Inspirados pelo beijo entre as duas deusas e interessados pela nobre arte de filmar belas atrizes se beijando e se tocando, pesquisamos os anais da sétima arte e escolhemos os melhores momentos de intimidade entre mulheres no cinema.

SHOW DE VIZINHA

Sung Hi Lee & Amanda Swisten A comédia promete pouco e entrega muito. Elisha Cuthbert é a atriz pornô Danielle, que, sem revelar a identidade, engata um namoro com um aluno nerd. Na noite da formatura, os amigos dele chamam umas “colegas” de Danielle, que se beijam torridamente numa limusine (sob o olhar atento de Dani, que bem que poderia ter entrado na jogada).


FOGO SAGRADO
Kate Winslet & atriz anônima

O filme é desconhecido, mas traz Kate Winslet (já alçada ao primeiro escalão do time das atrizes, dois anos após Titanic) iniciando sua série de papéis complexos e bem escolhidos. Harvey Keitel é o par da atriz, mas a principal lembrança que Fogo Sagrado nos deixa é Kate sem medo de ser feliz com outra gata.

AS PIONEIRAS

O primeiro beijo lésbico do cinema foi entre a atriz alemã Marlene Dietrich e uma figurante, num cabaré do filme Marrocos, de 1930.

O segundo foi no filme alemão Mädchen in Uniform, de 1931, que retrata um internato de meninas. As atrizes Dorothea Wieck e Hertha Thiele capricharam na cena.

O clássico

Palmas para o beijo trocado nos aposentos reais entre Greta Garbo e Elizabeth Young, em Rainha Christina, filme de 1933.

FEMME FATALE
Rebecca Romijn & Rie Rasmussen

No filmaço de Brian DePalma, a seqüência inicial mostra a monumental Rebecca Romijn realizando um roubo de diamantes na sessão de abertura do Festival de Cannes. É um negócio antológico: as tomadas são gigantes, tudo é enorme e bonito e acompanhado pelo Bolero de Ravel. E os tais diamantes estão cravados numa vestimenta ínfima que reveste o corpo escultural da modelo Rie Rasmussen. Pois bem, o papel de Rebecca, na qualidade de ladra internacional, é seduzir a modelo e arrancar a roupa dela. E, enquanto as duas (além de nós, claro) ficam entretidas numa cabine de banheiro, um terceiro vem e troca a tal roupa de diamantes por outra com brilhantes vagabundos. Só vendo pra crer.


FOME DE VIVER
Susan Sarandon & Catherine Deneuve

No começo dos anos 80, todo aquele clima gótico: vampiros, David Bowie, música do Bauhaus na primeira cena, muita pose e aparências… E ainda Catherine Deneuve como a representante de uma casta de vampiros que são imortais, mas que, a partir de uma certa idade, começam a envelhecer como um ser normal. Em meio a uma reflexão sobre o envelhecimento, o que emociona é a cena em que Catherine seduz com classe Susan Sarandon.

DÁLIA NEGRA
Mia Kirshner & Jemima Rooper

Mais uma vez, Brian DePalma. O cara é tarado mesmo! E gênio. No primeiro filme noir do século 21, tudo gira em torno do assassinato da tal Dália Negra (Mia Kirshner), uma aspirante a atriz cujo assassinato ficou famoso pela brutalidade. A pobrezinha, ainda em vida, fez uns filminhos bem pesados, que vão sendo revelados aos poucos. Em um deles, ela e outra gata se beijam, tiram a roupa e, aparentemente, usam um brinquedinho – com resultados particularmente dolorosos para Mia.


AOS TREZE
Nikki Reed & Evan Rachel Wood

Com direção bemfeita e um roteiro honesto, inteligente e confessional, escrito por uma das adolescentes protagonistas, o filme fez sucesso por tudo isso e por revelar Evan Rachel Wood – que, de quebra, dá um beijo e tanto, meio de brincadeira, em Nikki Reed.

PROCURA-SE AMY<
Joey Lauren Adams & atriz loirinha

No final dos anos 90, Kevin Smith virou líder e herói da revolução nerd. Seus filmes eram verdadeiros tributos à cultura pop, mas Procura-se Amy foi além. Muita coisa vale no filme: o monólogo romântico de Ben Affleck no final, a revelação de Jason Lee como um baita comediante, a amizade sincera que rola entre os personagens masculinos e, acima de tudo, a cena em que Joey Lauren Adams (a Amy do título) desce do palco, caminha em direção a Affleck e… tasca um beijo empolgado numa loirinha da platéia.


LUA DE FEL
Emmanuelle Seigner & Kristin Scott Thomas

O filme de Roman Polanski é pesadão: voyeurismo, sado masô, submissão. Num cruzeiro, o casal formado por Hugh Grant e Kristin Scott Thomas é envolvido nos jogos de um deficiente físico tarado e sua esposa gostosa (Emmanuelle Seigner). No fim das contas, a grande cena é aquela em que as duas moças dançam e se beijam para delírio da galera, no meio de um baile chique.

ROCKSTAR
Jennifer Aniston & assessora da banda

A história é sobre o metaleiro que vira vocalista de sua banda preferida. Mas o que importa neste filme é a presença de Jennifer Aniston, como a namoradinha do tal cabeludo. Numa balada esquema “festa estranha, com gente esquisita”, ela erra o grau nas drogas e acaba engatando um beijo com uma assessora da banda.


CIDADE DOS SONHOS
Naomi Watts & Laura Elena Harring

Esta é a verdadeira obra-prima de David Lynch. Muito respeito por todos os outros filmes – talvez melhores e com certeza igualmente malucos – que ele fez, mas só Cidade dos Sonhos tem Naomi Watts e Laura Elena Harring se conhecendo, se apaixonando, andando de mãos dadas e se beijando, nuas, em duas cenas memoráveis. Ninguém entendeu o que significa o filme e seus mil símbolos sobre sonhos e outros cabecismos, mas quem se importa?


SEGUNDAS INTENÇÕES
Selma Blair & Sarah Michelle Gellar

Neste remake teen de Ligações Perigosas, o destaque dramático fica para a revelação Reese Witherspoon, a menina certinha que bota o malaco Sebastian (Ryan Phillippe) na linha. Mais interessante, no entanto, mas muito mais interessante, é a trama paralela em que a quase-irmã de Sebastian, uma deliciosa e amoral Sarah Michelle Gellar, perverte uma virginal Selma Blair. Em um piquenique no Central Park rola o beijo – perfeito, doce, com muita língua –, que valeu às meninas o MTV Movie Award de 1999.


INSTINTO SELVAGEM
Sharon Stone & Leilani Sarelle

Sharon Stone se torna uma estrela – e uma deusa do sexo. A cena em que ela pega uma amiga loira é quase um detalhe em um filme com uma performance tão, digamos, exuberante. Ainda assim, um belo detalhe! Sharon entra numa balada eletrônica na São Francisco dos anos 90 e sem mais nem menos descarta a companhia de Michael Douglas e opta por ficar com a não menos estonteante Leilani Sarelle, que não fez muito mais coisa na carreira. Francamente, nem precisava mais nada


AMERICAN PIE 2
Lisa Arturo & Denise Faye

Na série que tornou populares experiências com tortas de maçã e colas de pega rápida, temos os brothers tentando se convencer de que, agora que são universitários, viraram malandros. E nós, do lado de cá, curtimos com os caras o show de duas gatas que pintam na área e se agarram.


ELEKTRA
Jennifer Garner & Natassia Malthe

Jennifer Garner é a namorada perfeita. Pelo menos isso é o que ela parece ser em De Repente 30 e nas comédias em que vem se especializando. Mas ela também se sai bem como heroína de filme de ação. Em Elektra, ela não só está muito gostosa, como ainda leva um beijo (premiado com o MTV Movie Award) da vilã Mary Tyfoid (Natassia Malthe). O filme não é grande coisa, mas, como já disse Silvester Stallone, “ninguém aqui está tentando fazer Cidadão Kane”.

TRÊS VIDAS E UM DESTINO
Charlize Theron & Penélope Cruz

O épico sobre a guerra civil espanhola não decolou, mas a personagem libertina de Charlize Theron domina não só as atenções, mas também a espanholinha Penélope Cruz (olha a gatíssima aí de novo!).


FRIDA
Salma Hayek & Ashley Judd & Karine Plantadit-Bageot

A pintora mexicana Frida Kahlo, no papel da vida de Salma Hayek, é uma hedonista. E competitiva. Em uma balada meio caída, Frida compete com os homens para dançar com a fotógrafa italiana Tina Modotti (Ashley Judd) e leva a melhor: elas dançam e se beijam de maneira absolutamente sensual. Outra cena de arrepiar no filme é quando Frida aborda uma cantora (Karine Plantadit-Bageot) no elevador e a leva para a cama. Cena linda, inspiradora, com nudez, com Salma Hayek em seus melhores ângulos.

TV MULHER COM MULHER

CONFIRA O QUE HOUVE DE MELHOR NAS SÉRIES

1996 FRIENDS
Ross leva um fora de sua namorada Carol, que se revela lésbica – mas mantém a esportiva e conduz a pequena ao altar, naquele que foi o primeiro casamento de mulheres na TV.

1999 PARTY OF FIVE
Julie (Neve Campbell) exorciza um namoro malsucedido com um caso rápido com uma escritora mais velha.

1999 ALLY MCBEAL
Calista Flockhart se engalfinha com a pantera Lucy Liu.

2001 BUFFY, A CAÇA-VAMPIROS
Inovou com a relação estável entre as personagens Willow e Tara (o episódio da reconciliação das duas está entre os melhores momentos da série).

2001 FRIENDS
Rachel (Jennifer Aniston) reencontra uma suposta namorada dos dias de colégio: Winona Ryder. Rola um beijinho.

2003 BUFFY, A CAÇA-VAMPIROS
Tara morreu, mas Willow continua na pegada. Protagoniza a primeira cena de sexo entre mulheres na TV, com a personagem Kennedy.

2003 XENA, A PRINCESA GUERREIRA
Ícone da comunidade lésbica, Xena mantém uma tensão sexual com a personagem Gabrielle, que, na sétima temporada, ressuscita Xena com um beijo.

2004 THE O.C.
Na série teen, Marissa (Mischa Barton) ganha uma namoradinha, Alex, e engata um namoro que marcou época.

2004 THE L WORD
Estréia a melhor série de todos os tempos para os apreciadores de cenas de garotas com garotas. Aqui aranha com aranha nunca dá em jacaré.

2008 GREY’S ANATOMY
As personagens Callie e Erica comentam, aos risos, a qualidade da sua transa matinal.

2008 GOSSIP GIRL
A segunda temporada, que estréia neste mês no canal Warner, trará um caso entre personagens femininas. Por enquanto, muito mistério… Olho no lance

NO SITE DA VIP, PESQUISA ESCOLHEU MELHOR CENA LÉSBICA DE TODOS OS TEMPOS. AND THE WINNER IS…
GAROTAS SELVAGENS

GAROTAS SELVAGENS
Neve Campbell & Denise Richards

Garotas Selvagens, filme meio trash da virada do século, se tornou um hit das locadoras. De quebra, serviu de piloto de provas para a função quadro-a-quadro dos primeiros aparelhos de DVD lançados no mercado. A razão: Neve Campbell, então a estrela pós-teen do momento, e Denise Richards, apropriadamente selvagem, se pegando e tirando a roupa na piscina, numa seqüência antológica. Sem falar na balada a três – a cena mais ousada da carreira de Denise Richards – que as duas protagonizam com um abençoado Matt Dylon.

QUASE LÁ! (NESSES FILMES, AS GATAS NÃO SE PEGAM, MAS QUE ROLA UM CLIMA LINDO, ISSO ROLA)

TOMATES VERDES FRITOS
As amigas Idgie (Mary Stuart Masterson) e Ruth (Mary-Louise Parker) formam um casal romântico no Alabama. Pena que as cenas mais quentes foram cortadas pelo diretor Jon Avnet.

THELMA & LOUISE
Geena Davis e Susan Sarandon são duas mulheres cansadas de monotonia que procuram aventura. A afinidade é impecável entre as duas. É óbvio que elas nasceram uma para a outra.