[Ensaio VIP] Tatá Werneck sabe ser sexy

Tatá Werneck é a comediante mais divertida da nova geração. Mas apenas isso não a define. Aqui ela mostra que o humor não é sua única arma de sedução

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Considerada a melhor comediante brasileira de sua geração, Tatá Werneck não está nestas páginas para fazer graça.

A menina que desde os 3 anos queria ser atriz encarou este ensaio fotográfico sem aquele recurso de “entrei no personagem” ou “vesti a fantasia”.

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Posou como ela mesma, sem o disfarce do humor que, diz, ajuda a esconder sua suposta timidez. “Foi bem simples. Fiquei à vontade, fui eu mesma”, conta. “As pessoas não esperam isso de mim, mas sou supervaidosa, como a maioria das mulheres.”

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

A frase que Tatá usa como piada – “às vezes me pego sendo sensual” – revela mais que um fundo de verdade. “Foi diferente de quando estou atuando. Em cena, na TV, não tenho nenhuma vaidade. A prioridade é ser engraçada, não dá pra querer ficar bem na foto”, diferencia.

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Aos 32 anos, Talita Werneck Arguelhes confia no próprio taco. “Sei a mulher que sou. Não tive problema de autoestima nem na adolescência. Meu problema era o contrário: fazia coisas que diziam que não era para meninas, era extrovertida demais.

E sempre namorei os meninos que gostava.” Nem mesmo sendo baixinha? “Eu sou baixinha?!”, interrompe, com o cinismo e o timing afiado de sempre. “Não me vejo assim… Tenho 1,54m, mas bota aí que eu tenho 1,56m”, brinca.

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Em 2013, depois de se destacar na MTV em programas como Quinta Categoria e Comédia MTV (com Marcelo Adnet, Dani Calabresa e Bento Ribeiro), ela foi contratada pela Globo.

Dizia não se enquadrar no padrão global de atrizes, mas seu primeiro personagem, a periguete Valdirene, da novela Amor à Vida, transformou-a em estrela nacional, com direito a ótimos contratos publicitários e cenas hilariantes com galãs.

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Solteira, Tatá perdeu peso no ano passado para viver uma blogueira obcecada por bem-estar no filme TOC – Transtornos de uma Obsessiva Compulsiva, que entra em cartaz neste semestre.

“É uma pessoa que trabalha demais, com seus dilemas de mulher moderna. Não é uma personagem cômica”, define.

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Para ser a Fedora na novela Haja Coração, Tatá ficou loira. Mas garantiu que o visual não atraiu mais cantadas: “As pessoas vêm falar comigo geralmente mencionando trabalho”.

Mesmo quando o interesse é xaveco: “O cara fala pra mim: ‘Caraca, tava vendo você na batalha de rimas’…”

Nenhum problema em relação a isso. “O senso de humor era meu atrativo desde o colégio. Eu ia à escola para fazer rir, usava perucas, era expulsa de sala toda hora.”

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

A porra-louquice, porém, fica restrita aos improvisos e à persona cênica. “Gosto de ficar em casa e receber amigos… Não bebo, não saio, sou religiosa [vai a cultos evangélicos, missas católicas, é interessada por budismo]…

Namorei durante nove anos, megafiel, depois fiquei mais um ano em relacionamento. Sou a mais careta da turma, essa é que é a verdade.”

Tatá Werneck

(Yuri Sardenberg/VIP)

Atualmente toca um programa no Multishow que mistura talk show, improviso e a banda Renatinho, que formou em 2012 com os humoristas (e também músicos) Mauricio Meirelles (ex-CQC), Murilo Couto, Marco Gonçalves e Nil Agra.

“A ideia é fazer tudo que já foi feito em programas com bandas, mas de uma forma diferente.” Ela está conseguindo!

Fotos: Yuri Sardenberg
Estilo: Gabi Comis
Produção: Ana Morbach
Maquiagem: Kaká Moraes
Cabelo: Apoema Schiel
Assistentes de fotografia: Ana Monteiro e Bernardo Calmon