[Ensaio VIP] Isabeli Fontana: supergata, supermodelo, supervip

Com um corpo perfeito, traços fortes e muita personalidade, ela mostra neste ensaio por que é uma das mulheres mais desejadas do planeta

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Perdi um pouco o rumo quando entrei no apartamento de Isabeli Fontana, em São Paulo, para fazer esta entrevista.

Ela ouvia Bob Marley e usava um vestido desses de ficar em casa, cobrindo quase o corpo todo, mas o efeito que causou em mim foi como se estivesse de regata e calcinha. É humanamente impossível imaginá-la feia em alguma circunstância – qualquer uma.

Nascida em Curitiba, mãe de dois filhos, Isabeli precisava correr ao aeroporto, com destino a Paris, para fotografar a campanha do contrato que acabara de fechar, de embaixadora da L’Oréal, um dos postos mais almejados por mulheres belas do mundo todo. Poucas conseguem.

Por essas e outras (muitas outras), Isabeli é uma das modelos mais importantes da Terra. Tem o mundo a seus pés, mas, como revela nesta conversa, não vê a hora de ter sob eles somente a areia da praia.

Como foi fazer este ensaio para a VIP?
Foi maravilhoso. Minha primeira vez na VIP. Eu quis fotografar com o Zee Nunes porque ele capta uma beleza diferente. Amei as fotos, ficaram fantásticas.

Você é a modelo recordista no Brasil em calendários Pirelli. Quais fotos você mais gosta?
Eu fiz seis calendários. No mundo também é um recorde. Cada calendário tem seu valor especial. São sempre nomes grandiosos que eles chamam para fotografar. Talvez as que eu mais goste sejam as fotos do Peter Beard, na África. Eu não estou totalmente nua, mas sensual e ao mesmo tempo selvagem.

Nudez você tira de letra, não?
Não. Eu quase não faço foto totalmente nua, não me sinto bem. No Pirelli fiz só uma vez nu completo, com o Mario Sorrenti. Seminu eu faço, mas também não muito exposto. Não me sinto confortável.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Quais modelos você admira?
Em primeiro, Sophia Loren, exemplo de beleza e de mulher. Ela é muito natural. Outra é a Stephanie Seymour, que é cheia de pose, toda sensual, sexy. Gosto de mesclar as duas. Uma mistura da naturalidade da Sophia com a beleza mais forçada da Stephanie.

Que balanço você faz da carreira?
Eu sempre foco em me renovar. Procuro ficar neutra para cada trabalho. E então eles vão colocando uma mulher em mim, que eu vou transformando em verdade. Falo que sou uma atriz na fotografia. Eu olho para a frente o tempo todo.

Mas o que lhe dá mais tesão profissionalmente?
É esse trabalho que eu estou indo fazer em Paris agora, da L’Oréal. É o que eu mais esperei a minha vida toda. Estou me sentindo muito honrada.

E a parte chata?
É quando você está num momento de lazer com a família, e do nada surge um trabalho que você precisa viajar a outro país para fazer. As pessoas acham que a vida é maravilhosa porque se viaja muito, mas eu chego aos lugares e corro para o estúdio e depois vou embora.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Começar a trabalhar muito nova foi difícil?
O problema para mim era a alimentação. A felicidade maior do mundo era comer Cheetos. No fim, a pré-adolescência/adolescência/mulher foi uma fase só na minha vida.

Você teve momentos de se deslumbrar?
Tive, claro. Você sai de uma vidinha simples, muito nova, e de repente vê o mundo. Tudo na sua mão. Às vezes queria só curtir, conhecer gente, ir a festas. Minha mãe foi fundamental para me dar pé no chão. Ela dizia: “Olha de onde você veio, olha nosso país, olha as pessoas…”.

Hoje o que falta conquistar?
Quero ter mais tempo para mim e para meus filhos. Sou uma pessoa simples, mas vivo uma vida de luxo, um luxo que as pessoas almejam ter. Eu vivo esse glamour todo em Paris, Milão, Londres, Nova York, e cada vez o que eu mais gosto é de andar na praia e de fazer coisas normais.

Você não gosta de morar em São Paulo?
Preciso de São Paulo por causa do trabalho e meus filhos estudam aqui. Mas me sinto enclausurada em São Paulo. Eu preciso da praia, da natureza, do sol, preciso estar perto da água.

Onde você queria morar?
Eu amo o Nordeste e amo Flo­­­­­­­­­ripa, que é uma cidade meio hippie, tranquila. Meu sonho é construir uma casa totalmente sustentável e viver sem me preocupar com esse negócio de ter, ter e ter. Daqui dois anos quero estar bem calma.

Uma cabana onde toque reggae o dia inteiro?
Sim, o dia inteiro. O reggae me acalma.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Você está cansada?
Não ainda. Mas às vezes eu me canso, sim. Tem que ter muita paciência para lidar com as pessoas mais difíceis do mundo. Esse negócio do mais rico, do mais isso, do mais aquilo me irrita. Eu vivo disso, mas não vivo isso. Esse mundo da aparência, do olha aquele carro, olha a roupa, olha a bolsa…

Mas você gosta da profissão?
Sim. Gosto de inventar outros tipos de mulher. É como se eu estivesse atuando mesmo, encarnando personagens. Hoje eu vou ser tal mulher, amanhã, aquela outra…

Qual mulher você mais gosta de fazer e qual menos gosta?
Gosto da sexy com um lado dark, do rock, meio crazy, com maquiagem forte, cabelo para cima. Gosto da mulher exótica. E a que eu menos gosto é a boneca.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Quais são os planos para quando parar de trabalhar? Quer atuar também?
Já fiz participações, mas não penso em atuar. Quero montar minha própria marca de lingerie e voltar a estudar. Quero fazer três faculdades.

Três? Quais?
Nutrição, artes plásticas e arquitetura. Numa cidade com praia, para eu não enlouquecer.

Quais as coisas que você mais gosta de fazer na vida?
Gosto de dançar, curtir um som, ficar na natureza. Gosto de ler e de estudar.

Balada você ainda curte?
Sou meio chata com balada. Gosto muito de luau e show. Assistir a um bom show me dá muita felicidade.

E de Cheetos?
Amo alimentação saudável, e por isso vou estudar nutrição. Mas Cheetos é minha perdição [risos].

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

O que você ouve além de reggae?
Gosto de rock, de samba, de MPB, hip hop. Até de funk eu gosto.

E dança até o chão?
Ah, a gente tenta [risos]. Eu me divirto, me solto. Mas não aqueles funks com letras sujas.

Quantas cantadas você recebe por noite numa festa? Existe um lado ruim de ser tão bonita?
Em outros países, eu sou mais desejada e mais assediada. Acho que aqui o padrão de beleza é outro, de mulher mais forte.

Mas aqui você é muito conhecida, o homem pode ficar acanhado. Os homens andam com medo?
O homem tinha que batalhar antigamente para seduzir a mulher. Hoje a mulher ataca, e ele fica constrangido. Mas não acho isso bom. A mulher tem que ser seduzida. Tem que trabalhar, ser independente, lógico, mas não procurar ser igual ao homem em absolutamente tudo. Homem tem que levar a mulher para jantar e pagar a conta, pô.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Que estilo um homem precisa ter para chamar a sua atenção?
O que mais me chama atenção é quando ele está 100% confortável em seu jeito de ser. Modelão cheio de músculos não faz meu estilo. Tem que ser um pouco mais agressivo também, não ser sempre bonitão.

Você está numa fase de músicos. O que o músico tem que os outros homens não têm?
[Risos.] Não sei, acho que já passou essa fase de músico, mas fico encantada com a pessoa que pode escrever coisas lindas e pode cantar. Gente que tem esse dom de expressar o sentimento mais íntimo, aquela coisa que muita gente não percebe.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Nesta edição, temos uma pesquisa sobre sexo…
Hum, interessante. Diz o quanto o sexo é importante na vida?

Sim. De 0 a 10, as mulheres dão em média nota 7,9 de importância ao sexo no relacionamento. Os homens, 8,4. Você concorda?
Acho que para mulher o sexo é menos importante do que para o homem, né? Mas existem mulheres mais sexuais. Como eu [risos]. Eu daria nota, ah, 8. Mas tem que ter outras coisas, como cumplicidade e amor, porque sexo sem amor para mim não é importante.

Mas gostar de sexo casual é uma tendência forte entre as mulheres, desde que passaram a se sentir mais livres, não?
Eu acho que sexo é uma coisa tão íntima que você tem que fazer com quem você é apaixonado ou ama.

Por exemplo, essa nossa pesquisa constatou que três em cada dez mulheres têm um P.A. e outras duas querem ter. Sabe o que é um P.A.?
Não, o que é?

É um pau amigo.
[Risos] Olha, acho que sexo não é para fazer com qualquer um.

Porém o P.A. não é qualquer um, é um amigo.
Mas eu não concordo. Também pode ser um brinquedo ou outra coisa. Não precisa ser um homem. Eu tenho muito amigo gay, então eu vou dar para um porque estou precisando?

Se são gays, eles não iam querer…
Muitos querem. “Com você eu viro homem”, dizem. Se eu quisesse, eu teria os mais gatos do mundo. Mas para mim intimidade é tudo.

Isabeli Fontana

(Zee Nunes/VIP)

Você não acha que é um avanço isso de a mulher poder fazer o que quer?
Claro que eu acho. Mas ela pode fazer com o parceiro dela. Afinal, temos intimidade para quê? Para fingir para os outros? Vamos inventar juntos, ousar juntos, vamos confiar mais um no outro.

Esse negócio de ousar junto é outro aspecto. Tipo o mé­­­nage. Essa pesquisa mostrou que 25% das mulheres já fi­­­zeram ou querem fazer um dia. Numa outra pesquisa que fizemos, o sexo a três aparece como principal fantasia feminina.
Ah, é? Eu nunca fiz. Nunca tive essa aspiração. Acho que é mais uma fantasia do homem. Não que eu seja uma pessoa contida, mas acho que intimidade é com uma pessoa só.

Mulher transar num primeiro encontro você é contra?
Se ela se apaixonou pelo cara, não tem problema. Isso existe. Você fica deslumbrada com uma pessoa. Já me aconteceu. Não sei se no primeiro encontro. Talvez no segundo.

Estilo: Fabio Ishimoto
Coordenação de produção:
Marcia Kimie

Assistente de produção: Cora Sabourin
Beleza: Silvio Giorgio (Capa MGT, com produtos MAC e L’Oréal Professionnel)
Assistentes de fotografia: Sándor Kiss e Caio Porto
Assistente de styling: Kaio Assunção
Produção de moda: Oraide Oliveira
Tratamento de imagem: CR2_D2