Personal trainer ensina truques para definição muscular

Rodrigo Sangion, além de trabalhar com angels (sim, ele é o preparador físico de Izabel Goulart) ainda revela truques para você otimizar seu treino

 

Nos próximos dias, o personal trainer Rodrigo Sangion, dono da academia Les Cinq Gym (SP), representa o Brasil em dois importantes campeonatos de fitness nos Estados Unidos: o World Beauty Fitness & Fashion (WBFF), em Orlando, e o Fitness Universe Weekend, em Miami. Na categoria dele, a model, é preciso ter musculatura desenvolvida e definida, sem exageros. Sangion, que é responsável pela preparação física de beldades como a top model Izabel Goulart, a blogueira Anna Fasano e as candidatas brasileiras nos últimos quatro concursos de Miss Universo, caso da atual Miss Brasil, Raissa Santana, revela alguns dos segredos dele que podem ser aproveitados por você, que busca melhorar o corpo.

Exercício em jejum

Isso é polêmico. Há quem consiga aproveitar os benefícios. Mas tem pessoas que sentem tontura por conta da hipoglicemia (baixa da taxa de açúcar no sangue). A ideia da atividade física praticada em jejum, logo ao acordar, é fazer com que o organismo, na ausência de estoque de nutrientes, como o carboidrato, utilize a gordura para gerar energia. Em busca de uma melhor definição muscular (menos gordura para que os músculos saltem aos olhos), Sangion caminhou diariamente na esteira, em jejum e em ritmo acelerado, por 40 minutos. “Preferi caminhar do que correr porque não queria correr risco de o meu organismo, estimulado por um exercício mais intenso, utilizasse a proteína dos músculos para gerar energia. E o objetivo do exercício em jejum é perder gordura e não massa muscular”, diz ele. Segundo o personal trainer, isso vale também para quem está acima do peso e precisa eliminar gordura, preservando os músculos. Afinal, quanto mais músculos a gente tiver, mais o metabolismo (transformação dos nutrientes em energia) fica celerado. Agora, na dúvida, se você consegue fazer exercício em jejum, consulte um nutricionista ou médico com experiência em treinamento. Você também pode começar devagar, por menos tempo, e sentir. Caso sinta tontura ou náuseas, pare imediatamente de se exercitar e se alimente.

Musculação na medida certa

Antigamente, a receita era de bolo: mais repetições e menos carga nos exercícios para definir a musculatura, melhorando a resistência da mesma, e menos repetições e mais carga para ter hipertrofia (aumento da massa muscular). Isso não existe mais. Já ouviu falar de individualidade biológica? O que serve para um, pode não servir para outro. Cada organismo reage de uma forma diferente, ou seja, não existe receita de bolo para estimular a musculatura, caso queira que ela aumente. Há quem consiga isso fazendo quatro séries de oito a 12 repetições, praticando vários exercícios. Mas também existem aqueles que conseguem melhores resultados fazendo duas a três séries de até 20 repetições, praticando menos exercícios. Tudo é uma questão de testar no dia a dia qual é a sua receita de sucesso, com a orientação do professor de sua academia ou personal trainer. De todo modo, os estudos mais modernos sobre treinamento e resultados feitos com atletas apontam que é melhor treinar menos tempo (cerca de 40 minutos), fazendo poucas séries e exercícios, em uma intensidade maior (carga no limite do esforço). O que isso significa? Que na musculação não é quanto mais melhor”. O “quanto mais melhor” só funciona na dieta. “Eu preferi, dessa vez, seguir essa tendência, fazendo menos exercícios e menos séries, no máximo três. Mas apostei em mais repetições: acima de oito, chegando até 20. Assim, eu canso menos e meu treino rende mais”, revela Sangion.

Liberação miofascial

Provavelmente, você já deve ter visto em uma competição – Olimpíadas, quem sabe – um atleta sendo “massageado” antes ou depois de entrar em cena. Pode ser que ele estivesse sendo submetido a uma liberação miofascial. Trata-se de um método de aplicação de pressão, utilizada pelos fisioterapeutas, com o intuito de soltar o músculo da fáscia. Fáscia é uma lâmina de tecido, logo abaixo da pele, que cobre a musculatura. O método ajuda a estimular a circulação local, aliviando dores e estresse muscular. Quando o músculo é submetido a um grande esforço (estresse), há liberação de toxinas que podem prejudicar o rendimento do mesmo e, com o tempo, favorecer o aparecimento de lesões. “A liberação miofascial, portanto, é uma forma de aliviar a tensão muscular. Faz com que os músculos também rendam mais no treinamento, ao recuperá-los do desgaste a que são submetidos na musculação”, explica Sangion, que utilizou esse método na sua preparação para os campeonatos uma vez na semana. E, uma vez utilizado antes do treino, esse método garante, ainda, uma maior mobilidade articular, que favorece a execução dos movimentos. Portanto, se você pratica musculação como um gladiador e quer melhorar ainda mais o rendimento, a liberação miofascial pode ser uma grande aliada.