Como funciona o novo rei da F-1

Lewis Hamilton treinou desde menino para ser o mais jovem campeão. Conseguiu. E prepare-se para mais porque ele está só amaciando

Cérebro

Guarda um objetivo: bater os recordes de sete títulos e 91 vitórias de Michael Schumacher. Mas ele tenta despistar: “Não corro pensando em recordes. Corro para vencer, só isso”.

Barriga

Congelou ao ver o título escapando pela segunda vez no Brasil. Mas, ao contrário de 2007, a sorte lhe sorriu a 500 metros da bandeirada e os pneus estropiados de Timo Glock lhe deram a colocação necessária para a conquista. Quando o frio na barriga acabou? “Quando o Vettel passou o Glock e vi que eu teria velocidade para também passá-lo na última curva.”

Bolso
(Sim, macacão tem bolso! E bem grande!)

Abriga um salário anual de US$ 3 milhões (R$ 6,8 milhões). É menos que alguns rivais, mas ele diz: “Não posso reclamar. Ganho muito bem para praticar meu hobby.”

Calcanhar (de aquiles)

Seu ponto fraco: correr sob pressão. Quando precisa mesmo de pontos, erra feio e joga o carro nos rivais. Este ano, bateu o recorde de punições numa só temporada: cinco. Mas ele afirma: “Não vou mudar meu jeito de guiar.”

Pé do acelerador

Pisa fundo e suas marcas comprovam: é o mais jovem campeão da história (23 anos e 300 dias) e tem um título e um vice, a 3ª melhor média de pódios (62%, à frente do Schumacher!) e a melhor média (5,91) de todos que marcaram pontos em mais de um GP.

Olhos

Se fixam para garantir um poder absurdo de concentração na pista. Consegue fazer voltas voadoras mesmo quando o carro está inferior.

Ouvidos

Esperaram 2 angustiantes segundos após a bandeirada do GP Brasil até a McLaren comunicar que o 5º lugar lhe dera o título. O que ele sentiu naqueles instantes de espera? “Entrei em pânico”, confessou. “Só senti que ganhei quando a equipe gritou pelo rádio: ‘U-hu! Parabéns, campeão do mundo’.”

Coração

“Já tem dona”, garante. E que dona: Nicole Scherzinger, cantora do grupo Pussycat Dolls. “Ela me ajuda a focar apenas na corrida.”

Pé do freio

Nem sempre responde a tempo. Como na batida na traseira do Kimi Raikkonen nos boxes do GP do Canadá. Ou na trapalhada com o desafeto Fernando Alonso no Bahrein.

O CAMPEÃO FALA DOS BRASILEIROS

“Nunca disse que sou melhor que o Ayrton Senna. E, se fosse falar de alguém, não seria dele, que é meu piloto favorito. Simplesmente o melhor que já existiu. Ainda hoje, ninguém conseguiria derrotá-lo.”

“Não tenho dúvidas: Felipe Massa vai dar trabalho no ano que vem na luta pelo título.”