Conheça o ‘iBoat’, último legado deixado por Steve Jobs

Criador da Apple, além de gastar o tempo criando iPhones e manias, encontrava tempo para projetos pessoais. Este talvez seja um dos mais bacanas!

Por Pedro Borg

323. Esse foi o número de patentes que Steve Jobs deixou em seu nome quando faleceu no início de outubro de 2011. Ao menos é o que se acreditava até agora, quando o escritório de patentes dos Estados Unidos confirmou que o co-fundador de Apple foi creditado por um projeto de 2013 e aprovado somente em 2016. A descoberta foi feita pelo site Patently Apple, especializado na marca da maçã.

Veja a interface do sistema operacional. (Foto: Divulgação)

Não, a patente não tem nenhuma relação com produtos Apple e seus dispositivos móveis. Pelo contrário, ela diz respeito ao último projeto pessoal de Jobs, o Iate Vênus. A nova patente, apelidada de , é um sistema operacional que tem como objeto unificar em um mesmo aparelho todos os controles do barco via superfície tátil, como um tablet. Do controle do timão, passando por dados do ambiente e telemetria do motor, tudo está concentrado na tela do dispositivo que nunca chegou a ser produzido.

VEJA TAMBÉM:

Controlado via rede wireless, o sistema ainda prevê a instalação de diversos sensores no barco que transmitiriam em tempo real dados do ambiente e dos sistemas do iate, que podem ser inspecionados remotamente.

Fluxograma do sistema operacional (Foto: Divulgação)

A patente existia desde 2011, porém foi esquecida após o falecimento de seu criador. O sistema operacional fazia parte do projeto Vênus, iate particular feito pelo prestigiado designer Philippe Starck, que desenhou o barco de acordo com as especificações de Jobs – com um casco de 82 metros, seis quartos iguais e o mais importante, ser silencioso. Infelizmente o criador nunca chegou a andar em sua criatura, uma vez que Vênus ficou pronto mais de um ano depois da morte de Jobs.