Novas Triumph Tiger 800 e 1200 chegam modernizadas e mais potentes

Mais eletrônica, posição de pilotagem mais relaxada, novo painel... As novas Tiger são a prova de quem em time que está ganhando dá para mexer e melhorar

Triumph Tiger

 (Triumph/Divulgação)

Triumph ganhou a imortalidade com a clássica Bonneville, a moto de Steve McQueen.

Mas é a linha Tiger, já consagrada dentro do segmento big trail, que representa hoje praticamente metade de todas as vendas da fabricante britânica no Brasil.

Imagine a responsabilidade dos engenheiros em aprimorar este modelo que desembarca por aqui em seis novas versões, que começam em R$ 43 190 e podem chegar aos R$ 55 890.

Segundo a marca, no total foram 200 alterações que visam melhorar o comportamento da moto, principalmente com relação a motor, sistema de resfriamento e engrenagens mais precisas no câmbio.

O painel de instrumentos recebeu um belo upgrade e agora exibe as informações em uma tela colorida de 5 polegadas (lembra um tablet), com possibilidade de três diferentes configurações.

Triumph Tiger

 (Triumph/Divulgação)

A nova iluminação em led (farol, lanterna e piscas) inclui sinalização diurna. O escapamento ganhou um ronco mais esportivo, graças à mudança do fluxo de ar. Atrás do guidão, agora mais ergonômico, é possível ajustar a posição do para-brisa e a altura do assento.

Mesmo sem alterar o desempenho, a nova relação deixou o felino mais dócil: a primeira marcha está mais curta, o que garante maior controle de tração no off-road. Engana-se quem imagina que a emoção ao acelerar ficou reduzida. Mesmo na aceleração mais gradativa, a resposta está mais eficiente.

Para os mais experientes, um novo modo de pilotagem, o off-road pro, permite desligar os sistemas eletrônicos de auxílio e deixa o controle totalmente na mão do piloto.

Se você não atingiu esse nível (ou acha que não vale a pena arriscar), fique tranquilo, pois o aumento de tecnologia tornou a Tiger mais segura, com novos freios ABS, controle de tração e acelerador eletrônico. Além disso, a versão top de linha ainda oferece alguns “mimos”: piloto automático, banco e manoplas com aquecimento.

A Tiger não é uma moto totalmente nova, e isso não é ruim. Ciclística e estabilidade continuam sendo os pontos fortes. Em ano de Copa, a Triumph mexe em time que está ganhando — e com sucesso.

 

Quer mais aventura?

Triumph Tiger

 (Triumph/Divulgação)

Em junho a Triumph também lança a nova Explorer. Agora ela carrega a cilindrada no sobrenome e passa a ser chamada de Tiger 1200. Por aqui, está disponível em três versões a partir de R$ 60 090.

Está 10 quilos mais leve, com mais resposta, agilidade e facilidade de manobras.

O intervalo de manutenção ainda impressiona: são 16 mil quilômetros entre as revisões, quase três vezes o percurso de Recife a Buenos Aires sem precisar encostar a máquina.

Nada mal para quem gosta de viajar sobre duas rodas.

 

Ficha técnica

 

#TIGER 1200

■ Potência — 139 cavalos

■ Peso seco — 248 quilos

■ Altura do assento — 835-855 mm

■ Preço: de R$ 60 090 a R$ 84 490

 

#TIGER 800

■ Potência — 95 cavalos

■ Peso seco — 199 quilos

■ Altura do assento — 810-830 mm

■ Preço: de R$ 43 190 a R$ 55 890

Newsletter Conteúdo exclusivo para você