Primeiro SUV da Rolls-Royce é um diamante sobre rodas

Cullinan foi batizado com o nome do maior diamante bruto já encontrado, que hoje faz parte das joias da coroa britânica

Rolls-Royce Cullinan, a estreia da marca no mercado de SUVs

Rolls-Royce Cullinan, a estreia da marca no mercado de SUVs (Rolls-Royce/Divulgação)

Centenária instituição britânica que tornou-se sinônimo de tradição e imponência com suas limousines, a Rolls-Royce lançou nesta quinta (10/5) seu primeiro SUV, o Cullinan.

Para entrar na disputa do mercado mundial de SUVs, a montadora investiu no seu grande trunfo em relação à concorrência: o luxo.

No comunicado de lançamento, a Rolls-Royce advoga que este é o primeiro SUV 4 x 4 capaz de proporcionar conforto e luxo mesmo em terrenos off-road.

A riqueza do Cullinan já é indicada no nome, homenagem ao maior diamante bruto claro já encontrado.

O Cullinan pesava 3 106 quilates (621 g) ao ser extraído na África do Sul em 1905. Depois foi dividido em gemas menores que hoje fazem parte das joias da coroa britânica.

Como curiosidade, o Cullinan só perde para um diamante negro encontrado na Bahia em 1895, 61 quilates (cerca de 12 g) mais pesado.

Voltando ao Cullinan sobre rodas, a Rolls-Royce afirma que nenhum SUV concorrente se iguala ao seu modelo com motor biturbo V12 de 563 cavalos.

“Tínhamos de oferecer a nossos clientes algo que eles não encontram no mercado de SUVs. Eles não aceitam limitações ou concessões e querem a sensação de aventura e ousadia ao viver uma experiência. Isso requer um carro capaz de ir a qualquer lugar com o máximo de luxo e estilo”, orgulhou-se Torsten Müller-Ötvös, CEO da Rolls-Royce, no lançamento do SUV.

A fábrica também procurou caprichar no design e na tecnologia avançada tão necessária para os carros e motoristas de nossos dias.

Todos os assentos são de couro. E os traseiros são eletronicamente reclináveis e oferecidos em duas opções: Lounge (inteiriço para três passageiros) ou Individual.

O Individual tem dois bancos, separados por um console que embute refrigerador, copos, de uísque, taças de champanhe e decanter.

Os assentos podem ser elevados para ter uma vista melhor de uma bela paisagem.

O porta-malas comporta 560 litros em configuração standard, podendo chegar a 600 litros avançando para a área dos assentos.

Graças a um recurso eletrônico, o assoalho do bagageiro, que é rebaixado, pode ser elevado até ficar no mesmo nível da base dos bancos.

Isso amplia a capacidade para 1 930 litros e espaço de 2,245 metros da porta até os bancos dianteiros.

Em seu comunicado, a Rolls-Royce brinca que isto é ideal para um cliente carregar uma obra de arte de tamanho grande de um artista renomado — no caso, eles citam Mark Rothko.

 (Rolls-Royce/Divulgação)

O sistema de sensores permite abrir e fechar o Cullinan com u toque. E o veículo baixa 40 mm para a entrada do motorista e dos passageiros, voltando à altura normal quando andar.

No painel, a tela central é sensível ao toque e funções podem ser acionadas nela própria ou no botão batizado de Spirit of Ecstasy situado no console.

 (Rolls-Royce/Divulgação)

Entre outros recursos tecnológicos, há o sistema de quatro câmeras que proporciona uma visão panorâmica 360º, hotspot de Wi-fi, alerta de colisão, cinco entradas USB para recarregar dispositivos e recarga sem fio na parte dianteira.

A suspensão com absorção de choques se ajusta eletronicamente com milhões de recálculos a cada segundo.

Para off-road, há o reforço de um sistema de ar comprimido para baixar uma roda que esteja perdendo contato com o solo irregular.

O já citado motor biturbo V12 proporciona velocidade máxima controlada de 250 km/h. O consumo, segundo a Rolls-Royce, é de 8 quilômetros por litro. O Cullinan roda apenas com gasolina.

As primeiras unidades devem chegar aos clientes no fim do ano.  E quanto vale tudo isso? O Rolls-Royce Cullinan terá preços a partir de US$ 325 mil, cerca de R$ 1,15 milhão.

Sim, não é um carro para muitos.