Um balde de gelo nas especulações: Raikkonen fica na Ferrari em 2017

Escuderia italiana anunciou hoje em Silverstone a renovação de contrato com o piloto finlandês, pondo fim às especulações de quem seria o companheiro de equipe de Sebastian Vettel no ano que vem

O GP da Inglaterra normalmente é marcado pelo auge das fofocas do paddock para a temporada do ano seguinte na F-1. É a chamada “silly season”, que pode ter muitas bobagens, mas também muito fundo de verdade.

Mas eis que uma das protagonistas da temporada das fofocas jogou nas especulações um balde de água gelada — com o perdão do trocadilho: a Ferrari confirmou que Kimi Raikkonen, o popular “Homem de Gelo”, segue na escuderia italiana por mais uma temporada — foi com a Ferrari que o finlandês ganhou seu título mundial F-1 em 2007.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A vaga de companheiro de equipe de Sebastian Vettel em 2017 era a principal peça na dança das cadeiras dos pilotos para o ano que vem. Muitos nomes foram cogitados para esta vaga: Valtteri Bottas (Williams), Daniel Ricciardo (Red Bull), Sergio Perez (Force India), Romain Grosjean (da estreante Haas, parceira técnica da Ferrari) e até Nico Rosberg, sobretudo após os atritos recentes com Lewis Hamilton na Mercedes.

A confirmação de Raikkonen, no entanto, indica que o mercado deve sofrer poucas alterações nas grandes equipes – a própria Red Bull já anunciou a permanência de Ricciardo até 2018.

VEJA TAMBÉM:

A McLaren, por sua vez, tem a dupla mais experiente, composta por dois campeões mundiais: Fernando Alonso e Jenson Button, mas deve abrir uma vaga ao promissor belga Stoffel Vandoorne.

Quem sairia? Provavelmente o inglês, que pode se aposentar ou buscar uma vaga na Williams. E Felipe Massa, fica mais um ano no time? O nome do brasileiro já foi ligado à Renault.

O time francês tem se mostrado aberta a negociar com jovens pilotos, como outro representante do Brasil, Felipe Nasr, que, após um excelente ano de estreia em 2015, sofre com a falta de competitividade de sua Sauber.

Por fim, a Mercedes ainda deixa uma pergunta no ar: será que Rosberg segue no time? Fica evidente que a briga interna esquentou bastante depois do GP da Áustria e, com o Mundial ficando ainda mais equilibrado, a tendência é que o clima entre os dois pilotos fique cada vez mais insustentável.

Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Se o alemão perder pela terceira vez seguida o campeonato para o seu companheiro de equipe, parece difícil imaginá-lo novamente ao lado de Hamilton em 2017.