VIP conversou com Patrick Dempsey, o ator que também é piloto

Aos 50 anos, Dempsey não faz figuração nas pista. Já correu cinco vezes no circuito de Le Mans, na França (até subiu ao pódio em 2015) e, neste ano, compareceu como dono de uma equipe

Por Rodrigo França

Existe uma forte relação de Le Mans com o cinema. Por que essa prova é tão especial?

Sempre há drama aqui, isso é certeza. É só questão de saber quando e com quem. Steve McQueen capturou a essência desse ambiente [no filme de 1971]. E transformou em ícones o Porsche 917, o [relógio] Tag Heuer…

Você é um ator que fez do automobilismo uma profissão, como McQueen e Paul Newman…

Adoraria correr com Paul e Steve aqui e ver qual de nós seria o mais rápido [risos].

O que há em comum entre pilotar e atuar?

[Pensativo] Acho que a disciplina mental. E ter sempre de buscar desafios… É muito importante nas duas áreas. Nas 24 Horas de Le Mans, isso é evidente: você anda o tempo todo em ritmo extraordinário, muito forte, até de noite, fazendo voltas rápidas como na classificação.

Você já correu em Interlagos numa preliminar do GP Brasil de F1. O que achou da experiência?

Foi demais! Interlagos é um circuito com muita história. Lembro bem de 1991, quando Ayrton Senna teve problemas no câmbio e, com muita garra, levou o carro até o fim porque queria muito vencer em casa. O amor dele pelo país é muito bonito. E o circuito é desafiador. Gostei bastante da curva Laranjinha.