A nova moda entre jogadores de futebol é ter um vinho próprio

Você tomaria um tempranillo de Iniesta ou um chardonnay de Ronaldinho Gaúcho? Ele e outros craques entraram de cabeça nesse meio

vinho bola

 (packgingoftheworld/Reprodução)

O recém-aposentado Ronaldinho Gaúcho entrou para o mercado de vinhos ao emprestar seu nome a alguns rótulos de uma vinícola da região da Puglia, na Itália.

Mas ele não é a única pessoa do futebol que resolveu se aventurar no universo dos taninos.

E nem é preciso ser um grande ídolo, como prova Jussiê, campeão brasileiro pelo Cruzeiro em 2003 que encerrou sua carreira no Girondins de Bordeaux, da França.

O primeiro gole na vida de Jussiê Ferreira Vieira foi em 2007.

Recém-chegado ao Bordeaux, achou melhor não fazer desfeita à tradição do clube e aceitou a taça de vinho que os atletas bebem nas refeições.

“Achava que álcool e futebol jamais davam jogo”, lembra o capixaba, que ficou fascinado na hora.

“Naquela mesma noite, já estava pesquisando sobre vinho.”

Ainda radicado na região, Jussiê inaugurou em 1º de março a importadora Juss Millesimes, que irá despejar no Brasil mais de 300 rótulos franceses, a maioria da Borgonha.

Vejam os 4 atletas que agora se aventuram em outros campos.

Da bola para o vinho

Jussiê

Jussie

 (Facebook/Reprodução)

Na França desde 2007, o atacante (ex-Cruzeiro) criou a importadora Juss Millesimes, com a qual pretende vender no Brasil vinhos franceses.

Os preços devem variar entre 80 e 150 reais.

Ronaldinho Gaúcho

ronaldinho vinho

 (Esportes FERA/Reprodução)

Associado de Fábio Cordella, dono de uma vinícola de Puglia, na Itália. Com a marca R-ONE, o campeão da Copa de 2002 assina três vinhos diferentes.

Os rótulos custam de 20 a 30 euros.

Hernanes

hernanes

 (Getty Images/Reprodução)

O volante (ex-São Paulo) apelidado de Profeta lançou em 2017 os três primeiros tintos de sua vinícola Ca’del Profeta, em Asti, na região italiana do Piemonte.

São vendidos entre 11 e 13 euros.

Iniesta

vinhos iniesta

 (winechef/Reprodução)

Andrés Iniesta talvez seja o modelo para os outros craques. Em atividade desde 2010, a vinícola Bodega Iniesta já produz 1,3 milhão de garrafas por ano.

E o meia de 33 anos segue firme e forte no Barcelona.