As melhores aulas de gastronomia para o homem cozinheiro

De olho no interesse masculino por gastronomia, escolas preparam grades de cursos para amadores

cursos de gastronomia massas

 (Gustavo Pitta/Revista VIP)

Quando chegou a São Paulo, o baiano Francisco Alves, 44 anos, reparou que todos os amigos novos sabiam cozinhar.

“Um me chamava para comer um risoto que ele fazia. Outro preparava um salmão. Outro, uma massa”, conta. “Você passa a se sentir excluído se não sabe manejar as panelas. Então, pensei, o que eu posso fazer? Churrasco, que é fácil.”

Começou, então, a preparar assados na varanda de seu apartamento. Mas só isso não parecia suficiente. Um dia, descobriu o curso de parrilla do Estação Leopoldina, inscreveu-se e foi um aluno animado.

“Hoje meu churrasco é 200% melhor do que antes”, diz.

Como Alves, mais homens se matriculam em escolas de gastronomia.

Cozinha é, mais do que nunca, um espaço de camaradagem. E ainda existem opções de programas para fazer cerveja e até vinho. “As aulas são uma maneira de tirar o foco da área profissional”, afirma Betty Kövesi, diretora da Escola Wilma Kövesi de Cozinha, em São Paulo.

Segundo ela, aparecem homens de todos os tipos: aposentados em busca de um hobby, executivos que querem mudar de área ou só relaxar, jovens que vão assumir a cozinha da casa etc.

cursos de gastronomia drinques

 (Gustavo Pitta/Revista VIP)

Não há estatística para as escolhas do curso.

“A principal diferença entre homens e mulheres está na forma como ambos abordam a cozinha”, compara Betty. “Elas são mais intuitivas. Eles são detalhistas, técnicos, se ligam nos equipamentos.”

Assim que terminou o curso de parrilla, Francisco Alves investiu em novas facas e novas tábuas. “Repaginei todos os meus acessórios”, conta.

Nas grandes cidades, é comum a vida social girar em torno de comida e de bebida.

“Na minha idade, a balada é se reunir na casa dos amigos, comer e beber”, diz o médico José Eugênio Colombo, de Mogi Guaçu, em São Paulo.

Nessas baladas, Colombo se apaixonou por vinho. Fez o curso de sommelier da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) e viajou para regiões produtoras do mundo todo.

Até que, em 2016, um amigo o convidou a se inscrever no programa Winemaker da Vinícola Miolo, no Rio Grande do Sul, no qual um grupo de 25 pessoas aprende na prática como se faz um vinho.

“O blend do vinho que fizemos não foi o que os enólogos sugeriram. A turma lançou a ideia e, na degustação, foi a escolhida. A bebida está nos barris de carvalho e será engarrafada no meio do ano”, conta Colombo.

Veja outros cursos em que você coloca, literalmente, a mão na massa – ou na coqueteleira, na taça, na grelha…

 

O segredo dos argentinos

Carne e farofa = combinação perfeita!

A post shared by Estação Leopoldina (@estacaoleopoldina) on

Rivalidades à parte, a maioria dos brasileiros reconhece que os hermanos são bons pilotos de grelha. Em São Bernardo do Campo (SP), o restaurante Estação Leopoldina ensina os segredos da parrilla argentina.

No curso “Os segredos da grelha”, você aprende a comprar a carne, cortar as peças, acender o fogo, montar a grelha. Segundo Rafael Venzol, sócio do restaurante, a grande vantagem do sistema argentino está na inclinação da grelha, que faz com que a gordura escorra, não pingue na brasa e, portanto, não levante labaredas.

Duração: 3 horas

Investimento: R$ 200 (inclui apostila, jantar, chope e vinho durante a noite). As aulas podem ser ministradas em empresas ou condomínios.

estacaoleopoldina.com.br

 

Drinques para os amigos

Focada na formação de profissionais, a Barones Bartenders, em São Paulo, oferece oficinas para amadores.

No workshop “Coquetelaria para todos”, o aluno aprende a mesclar bebidas, cortar frutas, escolher o copo certo para cada drinque… Ele sai de lá sabendo preparar alguns clássicos, como negroni, dry martini e moscow mule.

O workshop atrai principalmente homens e mulheres de até 35 anos.

Duração: de 4 a 6 horas

Investimento: R$ 150

barones.com.br

 

Em busca do prato perfeito

Quando Wilma Kövesi abriu sua escola nos anos 80, a ideia era mais moderna do que os cursos de culinária: foi pensada nos jovens, homens e mulheres, que iam morar sozinhos e que nunca aprenderam a cozinhar.

Logo vieram homens que cozinhavam por hobby. Hoje, conduzidos pela filha Betty Kövesi, os cursos mais procurados por eles são “Carnes de cozimento lento” e “Afiação de facas”.

Duração: varia entre os cursos

Investimento: a partir de R$ 270

wkcozinha.com.br

 

Cerveja na garagem

Segundo Alexandre Sigolo, da Sinnatrah Cervejaria-Escola, em São Paulo, dificilmente aparece um aluno sozinho para fazer o curso de iniciante de cerveja artesanal – uma tendência já em grandes cidades.

A maioria é homem e não tem objetivos profissionais imediatos. “Em geral, chegam em grupos de amigos bastante próximos”, diz.

Duração: 8 horas, aos sábados ou aos domingos

Investimento: R$ 350 (inclui almoço e uma cerveja)

sinnatrah. com.br

 

Um vinho para chamar de seu

O vinho Miolo Lote 43. É uma homenagem ao viticultor italiano Giuseppe Miolo, que quando veio para o Brasil em 1897, na Serra Gaúcha, adquiriu um lote de terra que trazia em sua escritura o número da parcela denominada Lote 43. É elaborado por meio de um corte de vinho Merlot com Cabernet Sauvignon com DOVV. Aprecie! #miololote43 #grupomiolo #vinhobrasileiro . Repost @beijodebacco Aquela surpresa boa de mais uma noite incrível no #armazem. Um vinho elegante, evoluído e muito bem feito. Nariz complexo, de frutas maduras, couro, cedro. Uma boca cheia, potente e equilibrada. Parabéns #Brasil! Parabéns @grupomiolo Vai com tudo!! 👏👏👏😱🍷🍇😍 #miolovinhos #cabernetsauvignon #merlot #vinhos #surpresa #surpresaboa #orgulho #lote43 #winetime #winelover #amovinho #vinhotinto #cursos #cursosdevinho #instavinho #instawine #grupomiolo #valedosvinhedos #serragaucha #brazuca

A post shared by Grupo Miolo 🍷 (@grupomiolo) on

Em 2018, o Projeto Winemaker, da Escola do Vinho Miolo, completa dez anos e terá a sexta turma de vinho tinto.

Em 2019, abrirá a terceira de espumantes. O curso funciona quase como um estágio em uma vinícola.

Nele, você participa de todas as etapas da elaboração da bebida, desde a poda das videiras até a decisão sobre o blend e a passagem por barris de carvalho, usando toda a estrutura física e humana da Vinícola Miolo.

No fim, o participante leva para casa 60 garrafas do vinho com rótulo personalizado. “Os participantes têm muito orgulho de servir o vinho que eles mesmos fizeram para os amigos”, diz Adriano Miolo, presidente do Grupo Miolo.

Duração: três finais de semana

Investimento: R$ 16,9 mil (o pacote inclui três viagens para Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, com hospedagem, transfer a partir de Porto Alegre, almoços e jantares, além das atividades educativas e degustações)

miolo.com.br

 

Técnicas artesanais italianas

Sauro d’ Italia é a nova marca de Pães Artesanais com Fermentação Natural e Salumeria. E o bolo da cereja é a massa feita de farinha de pão.
Depois da experiência de 20 anos do Friccò Ristorante, Sauro Scarabotta e Rita Russo, criaram a Sauro d’Itália Pane & Salumeria. São duas linhas compostas de 40 produtos gastronômicos com viés na tradição, na cultura italiana e na sustentabilidade. Os pães artesanais são elaborados com fermentação natural de até 24 horas e a linha de salumeria, são embutidos feitos principalmente com porco caipira, de pequenos produtores do interior de São Paulo @sauroditalia @salumeria @friccòristorante, @sauroscarabotta @ritarusso @sauroditaliapanesalumeria #sauroditalia #salumeria #friccòristorante, #sauroscarabotta #ritarusso #sauroditaliapanesalumeria

A post shared by PORTAL SPOT LIFE (@portalspotlife) on

Dos pães aos embutidos, passando pelas massas, tudo é feito no Friccò Ristorante, em São Paulo.

“Os cursos giram em torno do que servimos por aqui”, diz o italiano Sauro Scarabotta. Há cursos de massas, pizzas, pães e embutidos (este último é o mais procurado pelo público masculino).

O aluno aprende a fazer linguiça, cotechino e salsicha, desde a escolha das carnes até temperar e ensacar.

Duração: 3 horas
Investimento: R$ 300 (inclui um brunch)

fricco.com.br

 

Lado a lado com profissionais

O Senac forma profissionais e os cursos na área de comida e bebida são pensados para cozinheiros, garçons, sommeliers, bartenders etc.

Mas atraem vários amadores que querem ir um pouco mais além.

Segundo o professor Deumas Lourenço de Oliveira, docente dos cursos livres e técnicos da área de gastronomia da unidade Aclimação, entre os mais procurados pelo público masculino estão “Comida de botequim” (como feijoada) e “Hambúrguer gourmet”.

Duração: varia entre as unidades

Investimento: sob consulta

sp.senac.br

 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!