Comportamento

3 riscos conscientes para correr na sua carreira profissional

(Pinterest/Reprodução)

Mesmo uma carreira sólida precisa de uma arejada.

Abraçar o risco do mercado é uma forma de fazer isso.

Achar aquele projeto congelado (e fazê-lo para mostrar serviço) ou mesmo encarar novos rumos profissionais pode ser uma boa.

No entanto, qual é o caminho das pedras para fazer isso da melhor forma?

Confira histórias inspiradoras.

 

1. Use sua vantagem comparativa ao seu favor

(Pixabay/Reprodução)

Sarah Feingold foi uma advogada corporativa que adorava expressar seu lado artístico.

Essa paixão a levou a vender jóias para tirar um dinheiro extra.

Apaixonada pela empresa Etsy, uma espécie de rede social para artesãos, ela resolveu enviar algumas sugestões jurídicas à empresa pelo SAC.

Mesmo ignorada, Sarah não desistiu: entrou em contato com o fundador da companhia, apresentou suas propostas e, logo em seguida, marcou um voo para encontrar o empreendedor.

Por conta de sua resiliência e ousadia, a advogada passou quase uma década como conselheira da Etsy, contribuindo para o negócio com seu diferencial: o uso da lei e da criatividade com um só.

 

2. Inove um produto ou serviço

(Pixabay/Reprodução)

No final dos anos 70, os Estados Unidos sofriam com taxas de juros altíssimas, afetando os bancos de forma substancial.

Craig Hatkoff — hoje um investidor de sucesso, filantropo e cofundador do Festival de Cinema de Tribeca — na época, era um profissional recém-formado, trabalhando em um banco de varejo.

E já tinha a corda no pescoço.

Para salvar sua pele, usou as raras oportunidades que tinha para mexer no sistema de empréstimo e fundos do banco, de forma a aliviar o passivo da empresa.

As ideias de Craig, hoje vistas como mantras na área financeira, foram essenciais para que aquele risco de perder o emprego virasse uma promoção.

Na época, a inovação não foi uma ideia de 1 milhão de dólares, mas foi um ponto de virada para o banqueiro.

 

3. Procure oportunidade fora do seu domínio

(Pixabay/Reprodução)

Não é só o diploma que nos define.

Lisa Aumiller é uma veterinária que resolveu oferecer seus serviços via celular — hoje, a receita anual de seu serviço superam os U$ 5 milhões.

Para chegar ao sucesso, ela constantemente saiu de sua zona de conforto.

Contratou profissionais de diferentes ramos: fashion, para a “moda pet”, também oferecida por sua empresa.

Da área química, para a elaboração de cosméticos e remédios antipulga.

E para impulsionar o negócio, mentes criativas da área de marketing.

Ainda que a ideia principal fosse relacionada à sua formação, ela precisou pisar fora da linha.

Mesclar nosso talento e/ou formação com o lado empreendedor pode ser (e deve ser) uma alternativa.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você