6 palavras sem tradução, mas que tem tudo a ver com o Carnaval

O carnaval é uma festa tipicamente brasileira, mas algumas palavras estrangeiras podem definir muito bem os seus dias de festa

 (Mario Tama/Getty Images)

É de praxe que, em todo começo de ano, o marasmo bata forte até que o Carnaval termine. Ainda que o trabalhe não dê folga nos primeiros dias do ano, é fato que a folia de fevereiro é a verdadeira divisora de águas entre a ressaca das festas e o começo oficial do batidão do ano.

E vamos concordar: é um evento tão brasileiro que a palavra em português – com todas as cores e ritmos – nem deveria ter tradução. Mas esse jeito intraduzível de ser não é nossa exclusividade.

Pelo mundo, é fácil encontrar uma série de expressões e termos que não existem em outros idiomas.

Para entrar no ritmo da batucada, confira seis locuções que nem o Google Tradutor resolve.

Forelsket

Essa palavra do norueguês significa, basicamente, “a euforia que sentimos quando nos apaixonamos”.

Afinal, quem nunca? Segue o aviso aos que exageram na comemoração e não dão trégua ao pobre fígado: o peixe certo pode estar à espera em meio ao mar de gente dos blocos e avenidas.

Mokita

O dialeto Kivila, falado na Papua Nova Guiné, quase nos faz crer que a pequena ilha na Oceania também tem seus próprios sambódromos. Isso porque a palavra Mokita quer dizer “um fato que todos concordam em não comentar”.

Pena que as câmeras e a memória dos amigos sempre vão lembrá-lo daquele seu vexame impronunciável.

<> on February 25, 2017 in Rio de Janeiro, Brazil.

<> on February 25, 2017 in Rio de Janeiro, Brazil. (Reprodução/Getty Images)

Jayus

O termo da Indonésia, se traduzido para nosso dia-a-dia, viraria o clássico “rir para não chorar”, mas quer dizer “uma piada tão ruim que você até ri”.

A ressaca moral da quarta-feira de cinzas que o diga, não é mesmo? Então, muito cuidado para não virar um Jayus entre os amigos.

Fernweh

Em alemão, a palavra resume a sensação de sentir uma imensa saudade de um lugar em que nunca se esteve. Em meio à muvuca e dos batuques, também pode expressar um lugar em que você nunca quis estar.

Ao menos que seja um banheiro químico a 30 metros de distância, quando sua bexiga já está prestes a estourar.

Mamihlapinatapei

Os nativos Yagan da Terra do Fogo, no extremo sul do América Latina, acharam uma coisa que provavelmente define o humor de muita gente.

Se você e sua companhia de festa integram o time dos desmotivados ou têm uma alma velha, a sentença tem tudo a ver: “o olhar vazio, sem fala, de duas pessoas que querem começar alguma coisa, mas relutam ao fazer”.

Ainda bem que os dialetos são infinitos, já que tem sempre quem prefira fugir da bagunça.

 (Mario Tama/Getty Images)

L’appel du vide

Pelo visto, os franceses pegaram o espirito das cuícas e alegorias. A frase, sem tradução literal, tem a ver com uma vontade inexplicável de pular de lugares altos. Usando nosso filtro carnavelesco, nada mais é do que um “se joga!”.