A Viagem da Arte

Sua namorada está cansada de ir todo fim de semana para o sítio? Leve-a a Inhotim, um incrível e ainda pouco visitado lugar em Minas Gerais que mistura arte contemporânea e Jardim Botânico

Obras de Lygia Pape, Adriana Varejão, Cildo Meireles e Doris Salcedo

O alto de um guindaste de 45 metros, o artista plástico americano Chris Burden olhou para baixo, mirou bem e soltou a primeira viga de construção, que despencou verticalmente até afundar parcialmente numa vala gigante de cimento fresco preparada no solo, no alto de uma montanha, em Minas Gerais. Nas 12 horas seguintes, Burden permaneceu operando as alavancas do guindaste para frente, para trás e para os lados, até despachar lá de cima mais 70 vigas de aço, dando então por encerrada a obra Beam Drop Inhotim, uma recriação de outra de tamanho menor que o artista fez chover em 1984, nos EUA.

Refeita em 2008, a Beam Drop é uma das mais de 500 obras – das quais cerca de 120 estão expostas – de mais de 100 artistas de 30 diferentes países que compõem o acervo de Inhotim, o museu mineiro a céu aberto que é um dos lugares mais surpreendentes do Brasil. Surpreendente tanto pela relevância da coleção de arte contemporânea, quanto pela arquitetura de suas galerias, quanto pelo paisagismo de beleza indescritível criado sob influência de Roberto Burle Marx no 1,1 milhão de m² do parque, que possui outros 3 milhões de m² de mata nativa.

Se você ainda acha que arte contemporânea não é a sua praia, o Instituto Inhotim detém o mais forte poder de fogo para fazê-lo mudar de ideia, numa linha de convencimento que beira o tratamento de choque, no melhor dos sentidos. O instituto fica a 70 km de Belo Horizonte, em Brumadinho, cidade mal-ajambrada e cortada por trens carregados de minério, aliás a mesma atividade econômica do empresário Bernando Paz, que idealizou Inhotim nos anos 1980. Em 1984, o parque recebeu a visita de Burle Marx, que deu as diretrizes e sugestões para os jardins, cujo projeto continuou se expandindo até ser reconhecido com o título de Jardim Botânico em 2010. Hoje possui mais de 4 500 espécies de plantas, a maior coleção do Brasil. Há cerca de 20 mil palmeiras, de 1 300 espécies diferentes, a maior coleção do mundo. Somem-se à vegetação os cinco lagos ornamentais com água meticulosamente tingida de verde, e o resultado é que, para cada lado que você olha dentro do parque, você se espanta.

A Estalagem do Mirante e o restaurante Oiticica

Somente em 2006 o instituto foi aberto para visitação do público em geral. Em setembro último, Inhotim inaugurou mais duas galerias de arte, uma do pernambucano Tunga e outra da fluminense Lygia Pape (1927–2004), atingindo um total de 22 galerias espalhadas pelo verde, sem contar as obras expostas a céu aberto.

Das 22 galerias, quatro se dedicam a exposições temporárias, e as outras 18, a obras permanentes de artistas como Cildo Meireles, Adriana Varejão, Hélio Oiticica, Matthew Barney, Rivane Neuensch­­wander, Olafur Eliasson, Miguel Rio Branco, Doris Salcedo, Janet Cardiff e George Bures Miller. Todas com uma impactante arquitetura que, envolta pela imponência dos jardins, causa em diferentes visitantes de primeira viagem uma comum e reiterada impressão de não imaginar que existisse algum lugar assim. A recém-inaugurada Galeria Tun­­ga, para citar um exemplo, possui 2 600 m² distribuídos num edifício aberto com paredes de vidro que possibilitam que suas oito grandes instalações e esculturas sejam vistas também pelo lado de fora. Entre essas obras, estão algumas que nunca foram expostas no Brasil, como À La Lumière des Deux Mondes, exibida originalmente no Louvre, em Paris.

Certas instalações do Instituto Inhotim per­­mitem interação por parte do público, além da visual e auditiva. Se encontrar bolas numa sala, chute-as. Se vir redes, tire um cochilo. Se houver piscinas, dê um mergulho. E piscinas há duas, uma externa, do argentino Jorge Macchi, com formato de um catálogo telefônico, e outra interna, dentro da galeria Cosmococas, de Hé­­lio Oiticica e Neville d’Almeida, com a água man­­tida de propósito estupidamente gelada: a ideia é potencializar as sensações.

Além de caminhar pelas alamedas do parque, o visitante também pode utilizar carrinhos de golfe que funcionam como linhas circulares de ônibus em dois circuitos mais longos. Um desses circuitos segue rodeado de mata nativa até o alto de um morro, onde o artista californiano Doug Aitken instalou o Sonic Pavilion, uma construção de estrutura redonda dentro da qual você ouve os barulhos da Terra. Aitken cavou um buraco de 202 metros e o crivou de microfones geológicos que captam e amplificam os ruídos que vêm das profundezas.
Para completar, a comida é boa (leia ao lado).Reserve ao menos dois dias para a visitação.

 

COMIDA BOA

Inhotim tem dez pontos de alimentação espalhados pelo parque, entre os quais uma pizzaria, um quiosque de cachorro-quente e dois ótimos restaurantes, o Tamboril, à la carte, e o Oiticica, bufê a quilo. Toda a comida é supervisionada pela chef Dailde Marinho, que anos atrás foi cozinheira de Bernardo Paz. Uma negociação para levar Alex Atala, dono do D.O.M., para lá esbarrou em valores.

O custo anual de manutenção de Inhotim é de R$ 33 milhões, sem contar novas construções e investimentos em obras. São mais de mil funcionários. No último ano o instituto obteve autorização para captar R$ 21 milhões pela Lei Rouanet e levantou R$ 13 milhões. A bilheteria também é uma fonte de renda. A visitação é permitida de terça a sexta, das 9h30 às 16h30, e, aos sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30. A entrada na terça é grátis, exceto quando cai em feriado. Às quartas e quintas, custa R$ 20. Às sextas, aos sábados, domingos e feriados, R$ 28. A partir de 2013, os visitantes poderão ficar num hotel que está sendo construído dentro do próprio parque. Serão inaugurados 45 quartos no ano que vem e mais 65 em 2014. Enquanto isso, há boas hospedagens ao redor. VIP separou três opções.

 

ONDE FICAR

A 4 km de Inhotim
Pousada Saumar
A 500 metros do centro de Brumadinho, a Saumar tem sete suítes dispostas numa casa simples, mas aconchegante, com donos muito simpáticos. Diárias a partir de R$ 180 para o casal, com café da manhã. Tel.: (31) 3571-1210. pousadasaumar.com.br

A 9 km de Inhotim
Hotel Horizonte Belo
O hotel pertence a Brumadinho, mas fica afastado do centro urbano, numa fazenda com 20 quartos. As diárias para o casal saem a partir de R$ 380, inclusos café da manhã e jantar.
O hotel tem piscina e, como o próprio nome diz, uma bela vista para as serras mineiras. Tel.: (31) 3261-1515. hotelfazenda horizontebelo.com.br/

A 35 km de Inhotim
Pousada Estalagem do Mirante 
Se você quer impressionar uma mulher, este é o lugar. Localizada a 1 200 m de altitude na Serra da Moeda, com uma vista acachapante para o Vale do Paraopeba, a pousada oferece 16 chalés, cujos pacotes de sexta a domingo saem a partir de R$ 705, com café. Destaque para as duas unidades Top Master, com 90 m2 e vista de 270° para a paisagem. No restaurante da pousada, peça o lombo de bacalhau ao forno com especiarias (R$ 122, para vocês dois). Tel.: (31) 3575-5061. estalagemdomirante.com.br

 

Matéria publicada na Revista VIP de novembro de 2012.