Como ser um bom colaborador freelancer em 5 passos

Grande parcela dos brasileiros é autônoma. E a exigência por qualidade, profissionalismo e técnica segue até mais alta para quem que não bate ponto na firma

freela

 (Pixabay/Reprodução)

Trabalhos editoriais, consultorias, projetos gráficos, fotografia, pequenas palestras.

A vida sem carteira assinada não domina a maioria, mas já é realidade na vida profissional de muitas pessoas.

Mesmo que os limites entre emprego informal e um mero bico ainda sejam bastante discutidos, uma parcela grande dos brasileiros ainda ganha o pão do mês por meio de colaborações esporádicas.

Mas ainda que você possa se dar o luxo de ser seu próprio chefe, é importante saber que a exigência por qualidade, profissionalismo e boas técnicas segue tão alta (ou até maior) para os que não batem ponto na firma.

Confira cinco dicas para aprimorar suas habilidade como autônomo que vão fazer saltar os olhos dos clientes e, claro, afastar a concorrência.

 

1. Escolha um nicho

Malhação no escritório

 (Pinterest/internet)

Só no Brasil, em 2016 para 2017, o número de frilas cresceu 181%, segundo Relatório de Trabalho Independente e Empreendimento realizado pela Workana

Com o boom de novos membros, a competitividade vem no pacote. E é preciso achar uma diferencial competitivo.

Quando falamos em ganhar destaque, não basta ser muito na prática mas, também, saber definir seu objetivo na profissão.

Quem acaba sendo bom demais em tudo, às vezes não vira referência em nada.

Que tal deixar bem claro sua área exata de atuação? Ou, talvez, cavar mais fundo e ficar perito em uma segmento em especial?

Seja um especialista. Uma expertise boa (e definida) pode colocá-lo alguns passos à frente.

2. Um site bem feito vai bem 

site tablet

 (Pixabay/Reprodução)

Já entrou em um restaurante sujo, com as mesas bagunçadas e sem a localização para o banheiro?

Depois de perguntar três ou quatro vezes para o garçom, a coisa começa a ficar chata.

Em um ambiente digital, a coisa é bem parecida.

Quando o cliente acessa o site, que deve conter suas informações e ser atrativo para gerar interesse, o que ele espera é o mínimo de organização.

Segundo estudo da Forbes, ter o próprio site aumenta sua rentabilidade em 65% por hora.

Vale contratar um bom designer que dê um tapa no seu escritório virtual para que o cliente entre, se encante e não pense duas vezes antes de contratar sua mão de obra.

 

3. Presença nas redes

redes sociais

 (Pixabay/Reprodução)

Depois de deixar sua plataforma nos trinques, é hora de se aventurar nas mídias sociais.

O engajamento por meio delas, que contam com um potencial de alcance enorme, pode colocar seu negócio no radar de mais pessoas.

Se a coisa se tornar viral, comemore: você ganhará reconhecimento em pouco tempo.

Mas, para tornar isso uma realidade, você precisa realmente participar da coisa. E é bom fazer isso de forma diversificada.

Um blog, com dicas e relatos do dia a dia, pode ser um bom pontapé inicial.

Conte sobre sua rotina de trabalho e abra uma caixa de comentários — interaja com os leitores. Isso passa uma boa imagem.

As mídias mais conhecidas como Twitter, Instagram, Facebook e Pinterest podem ser uma boa sacada também.

Opte por contar tudo, com imagens e vídeos, para saberem quem exatamente é o profissional que será contratado.

Além disso, a presença online pode arrumar parceiros, ampliar os horizontes do seu negócio e até achar sócios dispostos a ir além.

 

4. Aprenda, aprenda, aprenda…

 (Pixabay/Reprodução)

Mesmo depois de alcançar o sucesso, você não deve parar.

Além de ser importante sempre manter um pé no olhar acadêmico de sua profissão, com especializações, cursos e produções que possam dar um upgrade no currículo, é valido pensar em melhorar seus dotes de gestão.

Ainda que sua praia não sejam calculadoras e planilhas, sua carreira de freelancer não deixa de ser um negócio a se administrar.

Aprender a gerir tempo, dinheiro, fazer orçamentos e organizar a logística do seu trabalho pode ser uma das fórmulas para ganhar mais dinheiro.

Se novos conhecimentos não pararem, os clientes tendem a fazer o mesmo.

 

5. Leve a melhor experiência 

Para consolidar tudo o que você acumulou, o negócio é levar o melhor serviço a seu cliente.

Mais do que só mostrar resultado, atente-se aos prazos, seja proativo, faça um preço coerente e se mantenha à disposição para ganhar a confiança de quem paga a conta.

Seja transparente.

Antes de sair dando preços e estabelecendo prazos de pagamento, convide quem o contatou para uma conversa e explique seus métodos de forma didática e processual.

Um passo a passo pode tirar eventuais dúvidas e matar a pulga atrás da orelha do seu contratante.

Não tire o preço da cabeça.

Fazer um padrão de cobrança é essencial para que uma péssima fama não caia sobre seus ombros. Achar um valor equilibrado pode não só conquistar o cliente, como também fidelizá-lo.

Por sim, mostre-se flexível e seja uma pessoa agradável.

Para chegar se tudo está indo bem, pergunte-se: se fosse um chefe, eu me contrataria?

A reposta pode dizer se seus passos de freelancer estão no caminho certo.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você