Os anos 2000 voltaram: por que estamos revivendo tendências do passado

Estamos revivendo tendências de épocas passadas com uma velocidade cada vez maior, criando assim um fenômeno inédito: a nostalgia precoce.

Britney Spears

 (Kenzo/Divulgação)

Caso você não tenha boas lembranças do tempo em que “it girls” problemáticas, reality shows, bonés Von Dutch e bandas emo reinavam supremos, é melhor ir se preparando.

A saudade de uma época em que celebridades tinham menos controle de suas imagens continua a crescer.

Paris Hilton está de volta aos tabloides e seus antigos looks, brilhosos e reveladores, retornam às ruas, ao mesmo tempo em que o modelo de tênis xadrez da Vans retomou sua popularidade.

tênis vans

 (Vans/Divulgação)

Falta muito pouco para ser oficializado: os anos 2000 estão de volta.

Mas por que tão cedo? Para entender essa nostalgia precoce, temos que, veja só, voltar ao passado.

Quando se trata de nosso consumo de mídia em massa, acredita-se que existam ciclos de 20, 30 ou 40 anos, entre os quais nos tornamos mais saudosistas por certas épocas.

O resultado é sempre uma onda de filmes, séries, músicas e tendências de moda inspirada pela cultura pop de tempos passados.

Esse conceito veio à tona após acadêmicos da indústria cinematográfica tentarem entender o sucesso esmagador de Star Wars em 1977, já que o filme foi inspirado em séries americanas de ficção científica dos anos 40 (e, consequentemente, produto do tal ciclo dos 30 anos).

Star Wars

 (Divulgação/Reprodução)

Desde então, a influência desses ciclos na cultura tem se repetido.

Na década de 80, por exemplo, ocorreu um período no qual a nostalgia pelos anos 50 e 60 foi estabelecida (com Grease e De Volta para o Futuro)

Grease

 (Paramount Pictures/Divulgação)

e esse sentimento se estendeu pela década de 90 (Forrest Gump), só que com a adição de produções inspiradas pela cultura setentista (Austin Powers).

Austin Powers

 (Divulgação/Reprodução)

Nos dias de hoje, não é difícil identificar por quais ciclos estamos passando. O mais forte é provavelmente o dos 30 anos, considerando que uma das séries atuais de maior sucesso é Stranger Things, inspirada nos livros de Stephen King dos anos 80.

Stranger Things

 (Netflix/Divulgação)

O segundo ciclo seria o dos 20 anos, com reboots de filmes dos anos 90 (Jumanji) e longas ambientados nessa era (Lady Bird).

Jumanji

 (Columbia TriStar Filmes do Brasil/Divulgação)

A semelhança entre esses períodos é que houve um espaço de tempo suficiente para que os jovens que consumiam a cultura pop de uma certa era crescessem e se tornassem produtores de cultura em outra.

É isso que faz com que haja um “ciclo dos 10 anos” inédito – como a produção de conteúdo popularizou-se, não é mais preciso esperar tanto.

O melhor exemplo tem nome e sobrenome: Matt James, um jovem de apenas 20 anos, criador do Pop Culture Died in 2009 (ou “cultura pop morreu em 2009”), blog que celebra os anos 2000.

montagem

 (popculturediedin2009/Reprodução)

A coleção de tabloides e artigos de celebridades como a socialite Nicole Richie rendeu a Matt (que nunca mostrou seu rosto) mais de 155 mil seguidores, uma exibição em um museu de Nova York e até uma ameaça de processo do diretor Michael Bay – após publicar artigos denunciando atitudes sexistas de Bay em 2017.

naomi campbell

 (THNK1994/Divulgação)

O susto o levou a deletar as contas do blog, para reativá-las somente este ano.

Mas há uma explicação mais séria sobre por que estamos nos tornando mais rapidamente nostálgicos: a conturbada atualidade.

“A nostalgia pode servir como um mecanismo de defesa, um porto seguro. Se nos remete ao passado, pode também nos levar a algum lugar que faça com que o momento atual seja menos doloroso”, diz a psicóloga Cátia Gerber, de São Paulo.

Considerando que vivemos em tempos instáveis politicamente, com recentes ataques à Síria e o extremismo tomando conta das discussões, é compreensível que até mesmo os mais jovens tentem, de certa maneira, reviver um tempo mais simples – no qual sua maior preocupação era qual seria a próxima peripécia de Paris, Nicole, Lindsay ou Britney.

nicole richie lindsay lohan

 (popculturediedin2009/Reprodução)


Oops! She did it again

Britney Spears

 (Kenzo/Divulgação)

Longe dos dias de careca e ainda mais dos tempos de princesinha não-tão-inocente do pop, Britney Spears é a estrela da mais nova campanha da Kenzo para a coleção de primavera da marca.

O tema principal disso tudo? Nostalgia.

As peças foram feitas como um tributo à época de estreia da Kenzo Jeans (1986), e algumas delas até contam com estampas do logo original da grife.

Por incrível que pareça, esta é a primeira campanha de luxo da cantora pop, que se diz animada pela oportunidade de certa maneira celebrar a moda chamativa e sem barreiras dos anos 80 (nós avisamos sobre o ciclo dos 30 anos, não avisamos?).

 


Tendências dos anos 2000 que já estão de volta

TRACKSUITS

Lacoste x Supreme

 (Divulgação/Reprodução)

Combinações de academia eram populares graças à finada Juicy Couture. Hoje, tracksuits voltam com vibe mais masculina – Lacoste e Supreme se juntaram para lançar uma coleção em abril.

 

LENTES COLORIDAS

Drake

 (Instagram/Reprodução)

Usadas com frequência nos anos 2000, elas voltaram a ser facilmente encontradas nos rostos de celebridades como Drake ou Gigi Hadid.

 

PANIC! AT THE DISCO

brendon urie

 (Getty Images/Reprodução)

Brendon Urie reencontrou o sucesso com seu disco Death of a Bachelor em 2016 e lançará seu próximo álbum ainda este ano.

 

O DRAMA JANNIFER ANISTON x BRAD PITT x ANGELINA JOLIE

Brangelina Jennifer Aniston

 (InTouch/Reprodução)

Foi só Brangelina se separar – e Jennifer Aniston também – para os tabloides virarem um eterno throwback thursday sobre o escândalo dos anos 2000.

 

PARIS HILTON

Paris Hilton

 (Getty Images/Reprodução)

Ela fez jus ao título de empresária e conseguiu reacender o interesse do público – principalmente após admitir ter votado em Donald Trump.

 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você