Por que a gente é assim?

Por que deixamos tudo para a última hora?

“Morei nos Estados Unidos, onde tudo é feito antecipadamente, mas é preciso conhecer a história para entender a diferença. O Brasil sempre foi instável, com planos econômicos e regras do jogo mudan do em cima da hora. Então, nos acostumamos a esperar até o último momento para decidir o que fazer. Nos Estados Unidos, nunca foi assim: até para visitar amigos próximos você tem de marcar com antecedência.”

Ricardo Amorim, 39 anos, economista e membro do programa Manhattan Connection, do canal GNT. Quando chegou a Nova York, estranhou que os convites de festas traziam horas de início e de fim

“É mal do brasileiro deixar tudo para a última hora. No Natal, as lojas ficam abertas até tarde no dia 24 para os desesperados. Mas quem se ferra nessa história são os lojistas, que trabalham em plena véspera como se não tivessem família.”

Juliana Giannini, 25 anos, ex-vendedora de shopping. Quase perdeu a última ceia de Natal porque trabalhou até 23h40 (e esqueceu os presentes na loja…)

“É questão de planejar para não sofrer. O melhor é programar cedo. Eu, por exemplo, vou comprando presentes durante o ano e deixo guardados. Fico nervosa se não consigo escolher o presente com calma. Por isso faço antes, para não ficar estressada.”

Luciana Gimenez, 39 anos, apresentadora do programa Superpop, da RedeTV!. Ela monta sua árvore de Natal quando entra novembro

“Fazer correndo deixa a adrenalina muito maior. O que seria simples se torna uma missão quase impossível. Se vo cê cumpre, se sente um herói.”

Luiza Possi, 24 anos, cantora. Uma vez, até comprou meses antes um presente de aniversário. Mas, no dia da festa, esqueceu o presente em casa