Revista de videogames dos anos 1980 te ensina a ser ‘cool’ em oito passos

Saiba como ser retrô no século XXI seguindo passos de frequentadores de casas de fliperama

Hoje em dia, quando você pensa em uma loja cheia de jogos retrôs (como aqueles lugares cheios de fliperamas, máquinas de pinball e consoles de diversos tipos) é bem provável que imagine alguém gastando muito e aproveitando pouco, não é mesmo? Bom, se você não tiver grana o suficiente para bancar um fliperama em casa, há grandes chances de isso ser verdade e você acabar com os bolsos vazios. Contudo, essa não era a realidade dos gamers norte-americanos dos anos 1980, por exemplo, que gastavam muito e se divertiam de acordo, sendo esta também a realidade de revistas especializadas da época.

Assim, na tentativa de trazer uma realidade diferente aos “nerdões que não pegavam ninguém”, a revista Video Games Player lançou um especial com as melhores técnicas de comportamento para ter a etiqueta adequada em tais locais e realmente ser o cara mais cool de qualquer lugar.

VEJA TAMBÉM:

A seguir, dicas de Art Cater (brincadeira com “arcader”, o nome dado aos frequentadores dos arcades) de como se sair bem e ainda ser um expert nos games:

Regra #1: Não chame atenção

  (Créditos: Divulgação)

(Créditos: Divulgação) (/)

Quando entrar no arcade, não chegue como Wyatt Earp [delegado e apostador do velho-oeste] e espere que todos escondam-se debaixo das mesas com medo. Eles vieram para se divertir, não para te ver andar engraçado. O jogador cool de verdade não precisa fazer cena.

Regra #2: Não seja porco com a máquina

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Colocar uma moeda na máquina é um sinal de que você terá o próximo jogo. Não tire proveito desse tipo de cortesia. Colocar uma moeda é cool. Colocar duas é forçar a barra. Três é motivo para uma execução.

Regra #3: Conheça seus jogos

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Não pegue simplesmente um jogo para jogar sem controle. Alguns deles são bons. Alguns nem tanto. Pac-Man é bom. Defender é bom. É a marca de um novato ser visto “jogando” em uma máquina que só serve para te dar trocados ou em uma máquina de cigarros.

Regra #4: Não distraia os outros jogadores

  (Créditos: Divulgação)

(Créditos: Divulgação) (/)

Videogames requerem concentração intensa e a maioria dos jogadores não gostam de serem incomodados, seja com comida na tela ou com gritos de “cuidado com aquele mutante!” em intervalos regulares. A não ser que você queira passar um tempo no hospital, mantenha suas mãos consigo e sua boca fechada.

Regra #5: Feche sua cara

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Da mesma maneira que você não quer alheios atrapalhando seu jogo, outros jogadores não querem você atrapalhando a jogatina deles. O camarada do gabinete ao lado não quer uma narração de seu próprio jogo. Exclamações como “Yipee!” e “Morre, seu slime!” são frequentemente repetidas em tais situações.

Regra #6: Comece seu jogo desde já

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Se está jogando algo popular, é provável que haverão pessoas esperando em uma fila para também participar da jogatina. Não fique ocioso. O jogador cool de verdade não precisa ler o manual de um game — ele sabe o que fazer. Seja bondoso com quem está esperando atrás de você, ou você pode se dar mal.

Regra #7: Aprenda a aceitar a derrota

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Ninguém nunca vence um jogo. Conforme você fica melhor, melhor a máquina fica. Dê tempo o suficiente, ela sempre vencerá. Então não xingue nem cause danos físicos a ela. Saia de cabeça erguida, até que você possa desafiá-la novamente.

Regra #8: Saiba quando deixar o local

  (Créditos: Reprodução)

(Créditos: Reprodução) (/)

Essas regras de etiqueta de videogame são complexas e algumas vezes mesmo um cara cool como Art Cater passará as fronteiras da decência. Não espere por uma dezena de motociclistas nervosos olhando para você com tom de ameaça. Se você sentir-se ofendido por qualquer um que tenha mal gosto, vaze!


O curioso de trazer o conteúdo de volta é mostrar como isso faz parte de uma cultura perdida, bem como o estilo da época, e as dicas que hoje parecem hilárias — como “você precisa saber como parecer, precisa saber como se mexer, precisa saber ser cool” — mas que faziam sentido naquela realidade.

A publicação completa, com o arquivo digital da revista, pode ser conferida aqui.