Sam Jolen quer te ensinar a ser rico

Como se dar bem financeiramente? O empresário traz ao Brasil um renomado congresso de sucesso pessoal — palestrantes gringos fazem parte do pacote

Sam Jolen

 (Instituto Elsever/Divulgação)

“Quando comprar suas próprias coisas com seu próprio dinheiro você saberá o que é felicidade”, dizia o pai de Sam Jolen, que cresceu em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo.

A máxima virou uma espécie de mantra profissional para o hoje especialista em programação neurolinguística. Neuro… O quê? Calma, já conto. Antes é legal entender como Sam chegou lá. 

Aos 19 anos, voltou sua atenção ao Japão influenciado pelo sócio de seu primo e dono de uma locadora na zona norte da capital paulista. Lá, esperava conhecer o “futuro dos negócios”.

Seu primeiro emprego no exterior foi na linha de produção da Toyota, na região de Nagoya, onde chegou a ganhar cerca de 4 mil dólares por mês. “Isso deve ser felicidade”, imaginava. Contudo, o dinheiro era fruto de uma jornada exaustiva com horas extras e o corpo respondeu com sinais de esgotamento. Aí veio àquele velho questionamento: “vale à pena?”

Nesse momento, a resposta veio da literatura — não tão convencional. Livros de autoajuda que o acompanharam na viagem, como  “O maior vendedor do mundo”, de Og Mandino, e “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki, pesaram em sua decisão de retornar ao Brasil depois de onze meses no Japão.

Com o dinheiro que arrecadou, logo veio a ideia de empreender. Você pode achar mentira, mas a primeira saída foi vender espetinhos com morango nas ruas paulistanas. No entanto, o negócio lhe custava horas tão extensas quanto as que passava na linha de produção e o dinheiro, como imaginado, também não compensava. 

O plano B? Investir em sua formação profissional. Foi quando uma amiga apresentou a Programação Neurolinguística, “um divisor de águas em minha vida em vários aspectos”, ele lembra.

A PNL (abreviação de Programação Neurolinguística) é uma área profissional que busca remodelar processos mentais formados inconscientemente e que influenciam nosso comportamento consciente. “Com isso, podemos reprogramar a cabeça para as pessoas poderem fazer o que quiserem”, disse o antes tímido Sam. 

Depois que começou a dominar o assunto, Jolen começou a dar alguns cursos e correu atrás de outras especializacões, como em gestão de eventos. O resultado: em 2011, ele fundou o Instituto Elsever focado em desenvolvimento pessoal.

O escritório da instituição funcionava em sua casa, enquanto as aulas e palestras eram ministradas em auditórios alugados. Mais tarde, compraria o próprio espaço para as atividades da companhia. Um sucesso! 

Entre seus workshops, buscou responder uma das perguntas cruciais para os adultos: “como ter mais dinheiro”. Ele não é hipócrita e lembra como as crenças de sua família influenciaram na sua relação com a grana e como precisou mudar sua mentalidade para conseguir administrar bem uma conta bancária.

Havia ali uma oportunidade de ajudar as pessoas e ensiná-las a mudarem o jeito como lidam com suas finanças. “Todos querem ganhar muito, mas porque nem todos conseguem?”

Chris Gardner e Robert Kiyosaki Chris Gardner e Robert Kiyosaki

Chris Gardner e Robert Kiyosaki (Divulgação/Reprodução)

No momento em que o Brasil passa por uma crise econômica, é importante que todos saibam gerir o que ganham. E é por isso que o tema da primeira edição brasileira da National Achievers Congress, evento mundial que já recebeu nomes como Bill Clinton e Tom Brady, é tão pertinente, segundo Jolen. “Muitos não ganham bem por não ter estratégias em um momento propício a mudanças. Se as pessoas não se adaptam, elas perdem.”

Para o evento, que acontece nos dias 23 e 24 de setembro e espera mais de 5 mil pessoas, Sam Jolen vai contar com dois nomes conhecidos: o autor Robert Kiyosaki e o empresário Chris Gardner, cuja história foi retratada no filme “À Procura da Felicidade”, estrelado por Will Smith.

Outros palestrantes, incluindo o próprio Sam, também devem falar ao público presente. Ele enfatiza que a NAC 2017 é voltada a qualquer um que queira independência financeira. “Quero repassar o que aprendi com esses dois autores”, conclui o homem que admite ter tido no começo da carreira medo de falar em público. Mudança. Tá aí algo que ele entende como poucos.