Veja o roteiro com o melhor do Carnaval paulistano

Considerado um dos maiores (e mais animados) do país, o Carnaval de rua de São Paulo tem crescido e inaugurado uma tradição

 (I Hate Flash/Reprodução)

Era uma cidade resignada, não tinha confete nem serpentina, não tinha nada. Ninguém podia fazer farra, não. No Carnaval mal se via folião….

Mas o jogo virou. Foi-se o tempo em que não restava viva alma na metrópole na Época dos festejos de Momo.

As estimativas da prefeitura para a festa deste ano são astronômicas: 509 blocos, somando quase 4 milhões de pessoas nas ruas da capital, um aumento de 69% em relação a 2015.

Tudo indica que São Paulo, que já foi considerada o túmulo do samba, logo terá o maior Carnaval do país.

“É natural que isso aconteça numa cidade enorme como a nossa. Ao contrário do sambódromo, o Carnaval de rua não é uma competição. Tem espaço para todos”, diz Raphael Guedes, compositor e um dos fundadores do bloco Casa Comigo.

 (Frâncio de Holanda/Reprodução)

“A festa virou um grande símbolo do processo de redescobrimento do paulistano em relação à ocupação. Foi uma espécie de estopim de uma guerra fria que sempre existiu na cidade entre as pessoas que veem São Paulo mais desenvolvimentista e aquelas que buscam e lutam por uma cidade mais humana”, afirma Alê Youssef, presidente do bloco Acadêmicos do Baixo Augusta.

Se o seu coração retumba ao som do surdo ou mesmo se não é muito chegado a um Alá-lá-ô, mas ainda não está convencido da vocação carnavalesca da cidade de dura poesia concreta nas esquinas, anote nossas dicas de blocos mais animados para seguir. Você mudará de ideia.

Roteiro dos blocos

Ponto a ponto dos principais bairros carnavalescos da cidade

No centro

  • Acadêmicos do Baixo Augusta

 (Frâncio de Holanda/Reprodução)

Onde: Rua da Consolação

Quando: 4 de fevereiro

Que horas: a concentração começa às 15 h

Com o tema “É Proibido Proibir”, em defesa da liberdade do Carnaval de rua, o bloco que representa o renascimento da folia paulistana tem como madrinha a atriz Alessandra Negrini e nos vocais, Wilson Simoninha.

“Será um desfile altamente politizado, contra o proibicionismo, conservadorismo, denunciando diversas mazelas na nossa sociedade, como a desigualdade, o machismo, a homofobia. Responderemos a todas essas atrocidades com a nossa maior festa”, crava Alê Youssef, presidente do Baixo Augusta.

  • Tô de Bowie

 (Reprodução/Divulgação)

Onde: Largo do Arouche

Quando: 13 de fevereiro

Que horas: ainda não confirmado

Opção aos tradicionais ritmos de Carnaval, o bloco que homenageia o ícone David Bowie já levou às ruas mais de 40 mil pessoas.

Com um raio pintado no rosto, marca do artista, os foliões agitam com muito, sim, rock inglês.

 

  • Tarado Ni Você

Onde: Avenida Ipiranga × Avenida São João

Quando: 10 de fevereiro

Que horas: a concentração começa as 10h

Reunindo os devotos de Caetano Veloso e da “filosofia caetânica de ser”, o bloco leva para as ruas o tema “Profane 2018”, em tom de protesto contra o “velho conservadorismo e um caretismo retrógrado e estagnado” e em defesa de liberdade, igualdade e expansão.

Na zona sul

Bicho Maluco Beleza

Onde: Avenida Pedro Álvares Cabral

Quando: 3 de fevereiro

Que horas: a concentração começas às 13h

Do alto do trio elétrico, Alceu Valença vai trazer o Carnaval de Pernambuco ao Ibirapuera, apostando em ritmos nordestinos para agradar os foliões.

Tem no repertório clássicos como Tropicana, Diabo Louro e Bicho Maluco Beleza. A abertura fica por conta do Frevo Mulher, bloco de estreia de Elba Ramalho em São Paulo.

 

  • Monobloco

 (Reprodução/Divulgação)

Onde: Avenida Pedro Álvares Cabral

Quando: 4 de fevereiro

Que horas: a concentração começa às 14h30

Completando 18 anos, o bloco carioca sai com cerca de 150 ritmistas e celebra o “Amor de Carnaval”, com música inédita de Moraes Moreira.

“Aqueles amores improváveis, às vezes efêmeros, às vezes definitivos, que apareceram no Carnaval”, conta Pedro Luís, um dos fundadores.

Eles prometem carregar um mar de gente com a diversidade de ritmos que é marca registrada do grupo.

 

  • Bloco do Síndico

 (Reprodução/Divulgação)

Onde: Praça Edgard Hermelino Leite

Quando: 18 de fevereiro

Que horas: a concentração começa às 14 h

Interpretando canções de Tim Maia em ritmo carnavalesco, o bloco conta com bateria de 50 batuqueiros e repertório com estilos que vão do samba e axé ao rock e eletrônico.

Na zona oeste

  • Sargento Pimenta

 (I Hate Flash/Reprodução)

Onde: Avenida Brigadeiro Faria Lima

Quando: 4 de fevereiro

Que horas: a concentração começas às 9h

Um dos mais famosos do país, o bloco dos cariocas beatlemaníacos também adotou São Paulo.

Com nome inspirado no álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, já levou mais de 60 mil foliões às ruas com hits como All You Need Is Love, I Want to Hold Your Hand, Love Me Do e Twist and Shout, que no Carnaval viram ciranda, samba, xote e afoxé.

 

  • Bangalafumenga

 (Reprodução/Divulgação)

Onde: Avenida Brigadeiro Faria Lima

Quando: 4 de fevereiro

Que horas: a concentração começa às 15h

O bloco é carioca, mas quase ninguém se lembra. Desde 2012, mantém uma oficina de percussão na cidade e já é tradição paulistana. Na batucada, o grupo transforma músicas regionais, MPB e cirandas em marchas, funk e samba.

 

  • Casa Comigo

Onde: Avenida Brigadeiro Faria Lima

Quando: 3 de fevereiro

Que horas: a concentração começa às 11h

Reúne noivos, noivas, amantes, freiras e padres com marchinhas e sucessos românticos. Este ano vem com o tema “Hater,
Eu te Amo”. “Queremos fazer a provocação de devolver com amor qualquer manifestação contra a liberdade: o racismo, a homofobia, a xenofobia, a misoginia e todo discurso de ódio”, diz Raul Silencio, músico e um dos fundadores.


Para baixar e se divertir

Os apps com os roteiros da folia

Blocos de Rua SP

 (Reprodução/Divulgação)

Grátis; para Android e iOS

  • Festas, ensaios e pós-folia

CarnaBlocos

 (Reprodução/Divulgação)

Grátis; para Android e iOS

  • Roteiros de SP, RJ, PE e BH

Blocos SP

 (Reprodução/)

Grátis; para Android e iOS

  • Datas, horários e endereços