7 perguntas para John Cruz, master builder da Fender

O norte-americano é um dos responsáveis por modelos customizados de guitarras da marca usada por Clapton e Hendrix

Ao lado de “jogador de futebol”, “astronauta” e “bombeiro”, existe uma profissão muito visada por crianças (e talvez adultos) sonhadores: guitarrista. O instrumento é um dos mais adorados no mundo da música e, sem caras como John Cruz, não teriam o mesmo glamour.

VEJA TAMBÉM:

O master builder da Fender, que trabalha com modelos customizados há 28 anos, tem um currículo extenso: além de ter entre seus clientes músicos reconhecidos como Bono, Duff McKagan e Richie Sambora, ele também criou a Fender Custom Shop Master Design 1963 Relic Stratocaster, releitura clássica de uma das guitarras mais icônicas da Fender.

Conversamos com Cruz para entender um pouco sobre sua rotina e sobre a profissão.

Qual é o trabalho de um master builder?
Nós somos responsáveis por manufaturar pedidos customizados que se adequem às necessidades de nossos clientes. Se necessário, entramos em contato com o futuro dono da guitarra para trabalhar com eles, visando um produto ainda melhor. Todo esse trabalho inclui a seleção da madeira, pintura customizada e outros fatores que envolvem cada parte da guitarra, do pescoço aos frets, até cada corda.

Como você entrou nesse universo?
Faz muito tempo: 28 anos, para ser mais exato. Sou guitarrista, sempre tive o sonho de ser um rockstar e, quando percebi que não ia rolar, vim para a Fender porque amaria fazer isso. Um amigo estava trabalhando para uma outra companhia de guitarras, feliz, e eu estava num emprego ruim. Por conselho dele, tentei um emprego na tal empresa. Não rolou, mas indicaram a Fender, que ficava a uns 45 minutos de carro da minha casa. Eu fui e, no minuto em que passei pela porta, me senti em casa. O cheiro da madeira, as pessoas, as guitarras penduradas, tudo… O lugar onde as guitarras do Hendrix e do Clapton foram feitas! Comecei na parte de madeira, ajudando o pessoal a limpar e fazer o que era importante. Aceitei porque queria entrar, e a partir disso fui subindo.

De todas as lendas das música que já tocaram uma Fender, qual sua favorita?
As pessoas da minha família eram muito ligadas a esporte, queriam jogar futebol americano ou beisebol, e eu me descobri um grande amante de música. Meus irmãos mais velhos ouviam Led Zeppelin e Hendrix, então gosto muito disso. Guitarristas europeus também se tornaram muito importantes para mim, como Ritchie Blackmore e Gary Moore. Era uma atitude muito diferente da cena de Los Angeles, especialmente o Deep Purple. Também curto o Stevie Ray Vaughan, o John Mayer… Tenho uma vibe hardcore com amor por caras como Clapton e David Gilmour.

O que você gosta de tocar?
Venho tocando muita coisa, coisas alternativas, amo rock’n’roll e blues, e agora pretendo fazer uma banda de tributo ao Gary Moore.

Qual seu modelo favorito da Fender?
Eu venho pra cá todos os dias, vejo essas guitarras diferentes que amaria ter… Meus heróis tocaram Stratocasters, sabe? Eu também me tornei um grande fã da Telecaster.

E quais suas guitarras favoritas de outras marcas?
É um tabu, não é? (risos) Tenho uma ótima coleção da Fender, mas também tenho algumas Gibson, ESP, Kramers, esse tipo de coisa. Toco com elas ocasionalmente, especialmente as Les Paul, mas nada é tão confortável pra mim como uma Fender. Eu me expresso bem com ela, e espero que o mesmo aconteça com as pessoas para quem crio guitarras.