A longa espera: o retorno do Jesus and Mary Chain

Jesus and Mary Chain volta a lançar álbum de inéditas depois de 19 anos, um dos maiores intervalos entre artistas de rock

A banda escocesa Jesus and Mary Chain foi referência do rock alternativo nos anos 80 e 90, especialmente com Psychocandy, de 1985 – um dos álbuns mais ensurdecedores da história. Líderes, os irmãos Jim e William Reid brigavam tanto ou mais que os Gallagher do Oasis. A separação veio após o lançamento de Munki, de 1998. Apaziguados, eles retornaram em 2007 apenas para shows. Mas retomaram o processo criativo e soltam agora Damage and Joy, seu primeiro álbum de músicas novas em 19 anos. E assim o grupo entra para o clube dos artistas com os maiores intervalos entre dois trabalhos inéditos.

Nem todo fim de hiato é satisfatório. Assim, para evitar maiores decepções, o Jesus and Mary Chain parece ter jogado no garantido, retomando o que fazia em suas últimas produções – mais controladas no quesito barulho que o excesso de decibéis de Psychocandy. Por exemplo, Amputation tem ruídos distorcidos controlados e andamento rock que remetem a composições de Munki. E Always Sad é uma música mais lenta com um quê de melancolia que dava o tom de todo o álbum Stoned and Dethroned, de 1994 – o tema de guitarra da faixa nova até reproduz uma melodia de vocal de Sometimes Always, maior sucesso daquela obra.

jesus-mary-chain-musica-cultura-vip

 (Divulgação/Reprodução)