Dona de voz poderosa, a cantora Iza é novo nome do pop nacional

No embalo do sucesso de Pesadão e participações em shows internacionais, Iza dá os arremates finais no álbum de estreia, Dona de Mim

 (Pino Gomes/Divulgação)

Participação especial nas apresentações do rapper americano CeeLo Green no Rock in Rio e do duo eletrônico inglês AlunaGeorge no Popload Festival, show de abertura para o grupo inglês Coldplay em São Paulo e, principalmente, mais de 15 milhões de visualizações do clipe de Pesadão em um mês e meio no ar.

Tudo isso aconteceu para a cantora Iza apenas entre setembro e novembro, criando um ambiente bem propício para o lançamento de seu primeiro álbum, Dona de Mim, previsto para dezembro. Um trabalho que chega após três anos de construção de reputação.

Com clipes no YouTube e singles no Spotify, Iza demonstrou uma fina sintonia com o pop/R&B de Beyoncé e Rihanna. E surpreendeu reinterpretando standards mais antigos na minissérie Nada Será Como Antes, da Globo, e no single I Put a Spell on You, cuja versão mais imponente é a da cantora de jazz Nina Simone.

“Nunca tinha gravado Nina Simone e era uma responsabilidade grande, mas é uma música que eu amo”, disse Iza à VIP.

Dona de Mim não terá os cinco singles anteriores a Pesadão — divulgada antecipadamente em outubro, com participação de Marcelo Falcão, do grupo O Rappa. Um pop-reggae-reggaeton com graves pulsantes e, sim, pesadões.

O resto do álbum terá misturas de pop, R&B e eletrônico, com toques de blues e percussão brasileira. A cantora adianta que Carlinhos Brown participa de uma faixa.

A ascensão de Iza — ou Isabela Lima, nome real da carioca de 26 anos — começou em 2014 quando ela, que se formou em publicidade, largou um emprego produzindo vídeos para ser cantora em tempo integral.

Filha de um sambista amador e de uma professora de música, ela cantava na adolescência na igreja católica que frequentava e em festas da família.

Em 2014, ela se lançou no YouTube interpretando covers de pop atual e até Purple Rain, de Prince. “Abri o canal para montar uma base de fãs com músicas conhecidas”, conta. A audiência lhe rendeu um contrato com a gravadora Warner.

Iza reforça o time de cantoras do pop brasileiro com sonoridade internacional. “Faço parte de um grupo de mulheres que está mudando a indústria musical, que ainda é machista, e estimulando outras mulheres”, ela diz.