MoMA expande sua plataforma digital e disponibiliza todas suas mostras online desde 1929

A VIP separou cinco mostras que imperdíveis na nova plataforma que possui 3.500 exibições online

Desde que abriu as portas, em 1929, o Museu de arte moderna de Nova York (MoMA) foi casa de algumas das obras de arte mais importantes do século XX. Foram mais de 3500 exibições desde sua inauguração e, enquanto algumas dessas resistiram ao tempo graças a fotos e vídeos, outras não tiveram a mesma sorte e acabaram sendo esquecidas pelo grande público.

Com isso em mente, o MoMA disponibilizou digitalmente todas as exibições que já passaram por seus corredores desde 1929. De mostras de arte até mostras de cinema e performances, tudo pode ser encontrado na plataforma digital do museu.

O acervo acompanha praticamente toda a história da arte do século XX, começando com a primeira mostra do museu que tratava sobre o pós-impressionismo, passando por Pollock, Warhol a até artistas brasileiros como Lygia Clarke e Candido Portinari.

A novidade complementa o já extenso acervo digital do MoMA, que já conta com mais de 70.000 peças de arte do acervo permanente do museu, disponíveis online.

Em comemoração ao novo serviço, fizemos uma curadoria própria, e separamos cinco mostras imperdíveis no acervo digital do MoMA.

Cézanne, Gauguin, Seurat, van Gogh (1929)

Crédito: The Museum of Modern Art Archives, New York

Como maneira de abrir o museu, o MoMA preparou uma mostra dedicada aos pós-impressionismo. Apesar de modesta – para os padrões atuais – a exposição juntou quatro dos maiores mestre da arte: Paul Cézanne, Pablo Picasso, Georges-Pierre Seurat e Paul Gauguin. A mostra fez enorme sucesso em uma Nova York que ainda estava se acostumando a receber grandes nomes da arte. A exposição também vale por conta das fotos de época, que mostram um MoMA modesto e simples.

Portinari of Brazil (1940)

Crédito: The Museum of Modern Art Archives, New York

Cândido Portinari ganhou notoriedade internacional após expôr três de suas telas na feira internacional de Nova York, que chamaram a atenção do então diretor do MoMA Alfred Barr. Um ano depois, o artista ganhou uma mostra própria no museu, se tornando o primeiro brasileiro a ter suas obras expostas no local.

Picasso: 75th Anniversary (1957)

Crédito: The Museum of Modern Art Archives, New York

A mostra em comemoração aos 75 anos do pintor catalão foi uma das mais célebres do museu que, inicialmente, foi programado para mostrar uma retrospectiva do trabalho de Picasso a partir do quadro Guernica, de 1939. Porém, o período foi extendido para abranger todo o trabalho do artista, criando uma das exposições mais completas sobre o assunto. Entre os destaque da exposição, o próprio Guernica, que havia acabado de voltar de sua exposição no Brasil, e A Mulher em Azul, primeiro quadro do artista a ser exibido.

Marina Abramović: The Artist Is Present (2010)

Crédito: The Museum of Modern Art Archives, New York

A exposição já virou viral no Facebook com o vídeo do reencontro entre Marina e seu antigo parceiro Ulay, mas a exposição foi muito mais do que isso, trazendo todo panorama do trabalho artístico de Marina. Além da já célebre performance O Artista Está Presente, outras cinco re-encenações de obras da artista foram espalhadas pelos pisos do museu. Além do caráter performático da mostra, ela ainda trouxe uma linha cronológica do trabalho de Marina e suas muitas maneiras de documentar sua obra efêmera.

Jackson Pollock: A Collection Survey, 1934–1954 (2015)

Crédito: The Museum of Modern Art Archives, New York

A exposição foi uma das mais comentadas do último ano, com uma extensa retrospectiva de 58 obras do artista que subverteu o conceito de abstração no século XX. Partindo do início de sua carreira, na década de 1940, quando Pollock ainda acenava para uma arte figurativa com toques primitivos, até a década de 1950, quando o artista desconstruiu por completo a arte figurativa, fazendo quadros com sua técnica de dripping. O destaque da mostra ficou para o quadro One: Number 31, 1950, a gigante tela de 5m x 2,7m, uma das mais famosas do artista.