O verdadeiro Jogo da Vida

O blogueiro Oliver Emberton defende que a vida não passa de um game de estratégia no qual a principal atividade é gerenciar recursos como saúde, tempo e dinheiro para se dar bem

Cover-shallow-1024x626

Já parou para pensar que a vida é um jogo (sem continues, claro)? Não? Apresentamos Oliver Emberton, blogueiro que vai te convencer do contrário. Ele publicou recentemente um texto mostrando que a vida não passa de um game de estratégia no qual a principal atividade é gerenciar recursos como saúde, tempo e dinheiro para se dar bem. Tudo isso acompanhado de ilustrações pixelizadas cheia de carisma.

No começo do jogo, ou seja, na infância, o jogador tem tempo e energia de sobra e está moldando seu personagem. No início da vida adulta ele começa a lidar com dinheiro, mas não tem experiência o bastante para “destravar” empregos melhores e outras “missões”. Tudo também muda atributos: estudar melhora suas perspectivas de emprego, enquanto tomar uma cerveja te deixa feliz, mas te faz perder dinheiro. Assim como casar aumenta em dez pontos sua dor de cabeça.

Drink-vs-code-1024x684

No meio dessa explicação do jogo da vida, Emberton dá dicas, como a divisão de tarefas para empreender níveis de força de vontade e manter sempre o que chama de estado elevado, a chave para atingir os níveis mais avançados com um personagem evoluído.

O guia completo com o passo a passo e as dicas para “zerar” esse jogo chamado Vida está neste link. Algumas regras são bem chatinhas e há fases bem difíceis de passar, mas, convenhamos, é um game legal pra caramba de jogar!

Mas a vida não é só um jogo real. São poucos, mas existem games que pertencem a gêneros chamados life simulation e social simulation, que simulam interações sociais e a existência de pessoas com base em tecnologias de inteligência artificial. Não conseguiu ser um rockstar ou ter seu restaurante na vida real? Não se preocupe, realize seus sonhos no computador! Veja alguns games em que você pode viver uma vida alternativa:

* * *

The Sims

É o mais famoso game do tipo e o único ainda no mercado. O jogador escolhe sua personalidade, sua aparência e é jogado no mundão virtual, onde precisa trabalhar e dividir o tempo entre diversão, descanso, alimentação e outras tarefas. Ah, se tudo fosse tão fácil e colorido como no game… Já existem três edições do jogo e inúmeros pacotes de expansão, além de uma versão para redes sociais. The Sims 4 será lançado ainda neste ano, mas só no segundo semestre.

Little Computer People 

É o precursor do gênero, e muito provavelmente o mais difícil dessa lista de ser jogado. O game foi lançado pela Activision (a mesma que hoje é responsável pela franquia Call of Duty) lá nos idos de 1985 para computadores especializados em rodar jogos da época. Aqui não tem perder ou ganhar, e sim um personagem que vive em uma casa e aguarda a interação do jogador. É só digitar comandos e o pequeno ser virtual avaliava se aquilo batia ou não com suas necessidades para executar a atividade. É uma espécie de bichinho virtual pré-histórico, mas com humanos. Sádico.

Alter Ego 

Também criado pela Activision, Alter Ego, de 1986, dá ao jogador o poder da escolha. Tudo começa na maternidade, quando o personagem, o “alter ego” do jogador, começa a moldar seu caráter ao selecionar o modo como vai lidar com a situação. Cada escolha, por sua vez, influencia nas experiências futuras e podem resultar em uma vida duradoura ou mesmo em uma morte prematura. O mais legal do game é que, pelo menos segundo o que os produtores diziam, tudo foi feito com base em estudos de psicologia.

Leisure Suit Larry

Fugindo um pouquinho do assunto, aqui não temos nada muito simulado e vale só para os homens. Na série Leisure Suit Larry, o objetivo é se dar bem com a mulherada. Como? Interagindo com tudo o que está no jogo e atentando ao que os personagens dizem e pedem. A série teve início em 1987 e teve títulos lançados até pouco tempo atrás, sempre mantendo a boemia e a não tão bem sucedida vida sexual do protagonista em primeiro plano.

Bônus: Jogo da Vida, da Estrela

Não é um jogo eletrônico, mas claro que tem lugar garantido na lista. O clássico jogo de tabuleiro lançado pela Estrela no final da década de 1980 foi o primeiro contato de muita gente com uma perspectiva de vida futura. Mas a questão aqui é a sorte, já que suas “escolhas” de vida dependem do número tirado na roleta. “Jogo da Vida” ainda está à venda em versões atualizadas e reformadas, mas mantem preservada a diversão de imaginar a família se apertando dentro de um carrinho plástico.

jogo-da-vida