Uma legião de Legião

Dois filmes adaptam um mito fictício e um verdadeiro criados pela Legião Urbana

Uma legião de Legião

Desde meados dos anos 1990 que noticiam a possibilidade de produção de um filme baseado na extensa Faroeste Caboclo. Com quase dez minutos de duração, a composição de Renato Russo tinha doses suficientes de sacanagem, violência e tragédia para segurar um filme de quase duas horas. O projeto enfim andou, e Faroeste Caboclo, o filme, reuniu alguns dos melhores nomes do cinema nacional atual. O roteiro, de Paulo Lins (autor do livro Cidade de Deus), se concentra na ascensão e queda de João de Santo Cristo (Fabrício Boliveira) no mundo do crime e no romance dele com a filha de senador Maria Lúcia (Ísis Valverde). Ele é negro, ela é branca, ele é pobre, ela é elite, e essa enésima adaptação da manjada história de princesa e plebeu só chama a sua atenção por causa da trama paralela de tráfico de drogas e porque se passa numa Brasília setentista, fazendo da direção de arte (carros, roupas, objetos de cena) uma atração à parte.

E é sempre válido, sempre mesmo, ver Ísis Valverde fazendo qualquer coisa, seja um filme, uma novela ou compras no supermercado. Faroeste Caboclo faz bom uso tanto dos seus atributos dramáticos (chora bem demais essa moça) quanto dos físicos (o início do romance entre ela e Santo Cristo garante a dose necessária de beleza feminina em tela).

Será sem imaginação?
Uma legião de Legião
Se uma composição de Renato Russo providencia ação o suficiente para justificar uma adaptação para um longa-metragem, a vida do próprio não tem drama o bastante para preencher nem um curta. Ainda assim, sua cinebiografia, Somos Tão Jovens, chega também neste mês aos cinemas. Do nascimento do Aborto Elétrico ao início do sucesso da Legião Urbana, Somos Tão Jovens acerta ao menos no recorte de apenas parte da vida de Renato Russo. Infelizmente, é aquela em que ele parece mais irritante, repetindo que quer porque quer ser um astro do rock, enquanto sua família (e a audiência) não pode fazer muito a não ser dar de ombros.

Filma essas
Outras duas músicas da Legião Urbana que poderiam render filme

Eduardo e Mônica
O romance entre Eduardo, um cara de 16 anos, e Mônica, uma universitária pedante com gosto esquisito, é uma comédia romântica pronta, porém à espera de um clímax melhor do que “o filhinho do Eduardo tá de recuperação”.

Pais e Filhos
O filme poderia mostrar várias histórias diferentes, que não se cruzassem e tivessem em comum apenas o tema “a falta de comunicação entre pais e filhos na geração das redes sociais”. Um bom título alternativo: “Classe Média Sofre”.