Veja quais filmes retratam fielmente a rotina de uma profissão

Por que ser agente secreto é menos glamoroso que em 007 e a vida de uma bailarina não é tão infernal como em Cisne Negro

 (Fox/Divulgação)

Nos últimos anos, o cinema vem se especializando em filmes baseados em acontecimentos reais.

Talvez por falta de criatividade ou mesmo por maior conhecimento de acontecimentos incríveis, dignos de virar longas-metragens, estas obras está dominando o mercado e as cotações ao Oscar.

Muitas vezes, a história sofre pequenas adaptações para a telona, seja para dar ritmo seja para prender melhor a atenção do espectador.

Tudo é válido. Porém, alguns enredos glamorizam demais determinadas profissões — chegam a se tornar uma ficção de tão fora da realidade.

Por isso, o jornal Washington Post recrutou alguns profissionais de diversas áreas e, depois de uma análise criteriosa, conseguiu constatar quais filmes retratam fielmente a vida daqueles trabalhadores.

Esqueça o retrato quase surreal da vida de uma atriz em La La Land, ou mesmo a dedicação extrema (e desumana) de um músico em Whiplash: na vida real, tudo é mais ameno, mais monótono.

Veja quais longas mais chegaram perto da vida real:


 

Astronauta, em Perdido em Marte

Depoimento de Charles F. Bolden, ex-administrador da NASA

“Muitas pessoas citam o filme ‘Os Eleitos’ quando falam de filmes de astronautas. Mas ‘Perdido em Marte’ é cientificamente correto, e conta a história do que estamos prestes a viver.

Ainda não estamos plantando batatas na estação espacial internacional como no filme, mas estamos crescendo alface e tomates cereja; estamos aprendendo como chegar em um lugar e usar o que tem lá.

Eu amo aquela cena de um jovem entrando no escritório da NASA com uma ideia maluca que acaba salvando Mark Watney.”


Advogado, em Meu Primo Vinny

Depoimento de Robert Spagnoletti, ex-advogado geral do Distrito de Columbia

“É um filme que mostra como todos no sistema legal podem ser muito bem intencionados e, mesmo assim, completamente falhos.

O promotor do filme acha que tem tudo resolvido, quando na verdade não tem. Todas as testemunhas acreditam no que viram, mas eles estão errados.

Então Vinny chega, apesar de completamente confuso, e mostra uma análise direta — apesar dos problemas dos envolvidos no caso — que se mostra correta, fazendo com o que veredito seja correto.

É um filme que captura a beleza do sistema judiciário.”


Chef de cozinha, em Comer Beber Viver

Depoimento de Anthony Bourdain, chef e apresentador de TV

“A cena de abertura do filme — sobre um velho chef de banquetes em Taiwan — é uma das mais belas e extravagantes cenas de cozinha, de longe.

Você acha que ele está preparando um refeição para 30 pessoas, mas depois vê que ele faz tudo aquilo somente para suas filhas.

Ninguém do filme sabe expressar seu amor de forma adequada; eles fazem isso pela comida. Isso é algo que acontece com muitos chefs.

Socialmente ineptos, eles expressam o carinho com outras pessoas pelo alimento.”


Bombeiro, em Brigada 49

Depoimento de Mark Treglio, ex-bombeiro em Jacksonville, Flórida, atualmente diretor de campanhas estratégicas da Associação Internacional de Bombeiros

“Basicamente, todos os filmes sobre bombeiros são falsos no quesito efeitos visuais. Pois, quando você está correndo em um prédio em chamas, não é possível ver um palmo à frente: tem muita fumaça.

Mas Brigada 49 é verossímil com a profissão ao retratar toda a carreira de um bombeiro, deixando claro que as brigadas são como um família. O

pessoal da minha brigada me conhece mais do que minha própria mulher, e o filme capta essa essência.”


Barbeiro, em O Homem que Não Estava Lá

Depoimento de Jane Bruner, barbeiro no Hell’s Bottom Barber Shop

“São os irmãos Coen trabalhando junto com Billy Bob Thornton e Frances McDormand, então…

Mas o filme faz um trabalho mostrando as relações entre as pessoas que trabalham com você e como isso pode mudar o rumo do seu dia.

Como um barbeiro, você passa muito tempo do dia escutando seus colegas de trabalho.”


Inventores, em Joy

Depoimento de Elizabeth Dougherty, conselheira sênior da subsecretaria de patentes dos Estados Unidos

“Eu quase escolhi ‘De volta para o futuro’, mas ‘Joy’ mostra a vida real e os desafios de muitos inventores de mesa de cozinha.

Nós sempre pensamos em Thomas Edison ou Nicola Tesla, mas 94% das patentes americanas são melhoras de produtos que já existem.

Onde estaríamos se não houvesse gente criando melhores escovas de cabelo ou esfregões?”


Mágico, em O Cavaleiro das Trevas

Depoimento de Penn Jillette, mágico

“Você tem que ir com calma com a palavra Mágica. Ela tem dois significados fortes: o primeiro é algo que é ligado ao sobrenatural — por conta disso abomino filmes como ‘O Ilusionista’, ‘O Grande Truque e ‘Harry Potter’.

A mágica que acho linda é aquela de enganar. Eu amo o Batman porque ele não tem nenhum poder sobrenatural.

Em ‘O Cavaleiro das trevas’, o Coringa e Batman são dois mágicos praticando golpes um no outro

Quando falamos de mágica moderna, não é algo fora do comum, mas sim um estudo episcopológico.

É como angariamos informação e como separamos o que é falso do que é real. A cena do barco mostra isso: o que as pessoas entendem por moral misturado com uma pegadinha impossível.

No final, o Batman é o maior mágico de todos.”


Professor, em O Clube do Imperador

Depoimento de Casey Bethel, professor do ano no estado da Georgia, em 2017

“A maioria dos filmes sobre professores de escola tem uma característica em comum de terminar triunfantemente. O Clube do Imperador não faz isso.

Kevin Kline atua como um professor veterano em uma escola só de meninos, que nunca desiste de um aluno em particular, mas também nunca consegue entendê-lo.

Isso traz um senso realístico sobre o balanço que um professor deve ter. Você faz o que é melhor para toda a classe ou você se ajusta a um aluno, esperando salvá-lo?

Como lidar com esses momentos onde você já fez tudo que era o possível e, mesmo assim, não funcionou?”