11 feitos de Romário que o tornam o maior atacante brasileiro da história

Conquistas (dentro e fora de campo), golaços e declarações polêmicas; a lista de feitos do eterno baixinho vai muito além das quatro linhas

romario

 (Wikipedia Commons/Reprodução)

Falem mal ou falem bem, o baixinho é uma unanimidade.

Protagonista do Tetra do Brasil em 1994 ao lado de Bebeto, Taffarel, Branco e Zinho, o “peixe” é, de fato, um dos maiores boleiros da história do futebol mundial.

Se você já não estiver convencido do fato, reunimos uma onze indícios que mostram que, ao menos entre os brasileiros, o artilheiro é o maior entre todos.

 

1. Mais de 1000 gols

Não é para qualquer um.

Um dos momentos mais marcantes da carreira do craque foi balançar as redes pela milésima vez.

O gol saiu de pênalti, contra o Sport, na vitória do Vasco por 3 a 1.

 

2. Artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2005 com 39 anos de idade

Como se não bastasse fazer gol a vida toda, Romário bateu mais um recorde já aos 39 anos.

Jogando pelo Vasco, sagrou-se artilheiro da edição do Campeonato Brasileiro de 2005, em um jogo contra o Paraná Clube.

Foi só mais uma das chuteiras de ouro do cara…

 

3. Conseguiu ser ídolo em 3 times rivais

Romário

 (Montagem/VIP/Reprodução)

Muitos jogadores brasileiros vão e vem entre clubes que o consagraram e times rivais.

Mas no caso do baixinho, a casaca virada rendeu frutos: foi artilheiro em três das quatro grande equipes do Rio de Janeiro.

Mesmo quando vestiu outras camisas, ficava difícil odiar o craque.

 

4. Não fazia média com ninguém. Nem com o “Rei”

Além da intimidade com a grande área, Romário era amigo das polêmicos.

Em um dos episódios mais marcantes, chegou a dar uma sonora patada em Pelé.

Sem papas na língua!

 

5. Já marcou belos gols também fora de campo

mulehres romario

Ao longo da carreira, uma série de sereias caíram no conto do peixe.

Na parte de cima: Mônica Santoro, primeira esposa de Romário e mãe de Romarinho e Moniquinha; Cibelle Ribeiro, a Miss Bumbum do Ceará.

Em baixo, Fabíola Azevedo, que namorou o atacante em 2014 e Dixie Pratt, cantora norte-americana, namorou com o baixinho em 2015.

O cara não é fraco.

 

6. Foi fundamental em um título de Copa do Mundo (1994)

Em 1994, no Tetra, o Romário foi o grande nome da Seleção na Copa dos Estados Unidos.

Ao longo da competição, o atacante desfilou seu faro de gol, fazendo gols decisivos em todas as fases da competição.

Esse, contra a Holanda, mostra a dificuldade do atacante em fazer um gol importante…

7. Comprava qualquer briga

Equilíbrio não era muito a praia do artilheiro.

Em vários episódios, acabou mandado para o chuveiro mais cedo, por não conseguir de briga.

Um dos casos mais lembrados é o “duelo” entre ele e o lateral Cafézinho, na goleada do Flamengo sobre o Madureira por 7 a 0.

 

8. Fazia gols de cabeça

Conhece a expressão “tamanho não é documento”?

Romário não.

Mesmo com 1,67m, gols de cabeça estavam em sua cartilha, mostrando todo seu talento dentro da área.

 

9. Era adepto do churrasco para unir o time

Bom apreciador de uma farra, o craque carioca não dispensava um bom pileque, com pagode e muita carne.

Com certeza era um bon vivant.

 

10. Fazia apostas com o treinador (e vencia)

Romário

 (YouTube/Reprodução)

A confiança no próprio taco era tamanha que o boleiro usava os gols para conseguir favores do técnico.

Quando defendia as cores do Barcelona, sob o comando do holandês Cruyff, pediu dois dias a mais de descanso para voltar ao Rio de Janeiro, por conta do Carnaval.

O preço do treinador: dois gols de Romário no jogo do dia seguinte.

Depois de marcar duas vezes com 20 minutos de jogo, Romário pediu para ser substituído e voltou à terra natal.

 

11. Era um cara divino

romario

 (Wikipedia Commons/Reprodução)

“Quando eu nasci, o Papai do Céu apontou o dedo e falou: esse é o cara”, Romário, na época em que jogava pelo Flamengo.

Só uma das incontáveis frases do craque.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!