“Ele tem sangue no olho”, diz diretor de filme sobre José Aldo. Veja o teaser aqui

O diretor de cinema Afonso Poyart e o diretor de expansão e acionista da Paris Filmes Sandi Adamiu têm mais um motivo para torcer para a vitória de José Aldo no UFC 194, neste sábado, em Las Vegas. Dela depende o lançamento de Mais Forte que o Mundo — A História de José Aldo, longa-metragem dirigido […]

O diretor de cinema Afonso Poyart e o diretor de expansão e acionista da Paris Filmes Sandi Adamiu têm mais um motivo para torcer para a vitória de José Aldo no UFC 194, neste sábado, em Las Vegas. Dela depende o lançamento de Mais Forte que o Mundo — A História de José Aldo, longa-metragem dirigido pelo primeiro e produzido pelo segundo. A estreia do filme está marcada para o dia 14 de janeiro. Isso caso Aldo vença. Se por acaso (toc, toc, toc) o brasileiro perder a luta para Conor McGregor, que vale a unificação do título mundial dos pesos-penas do UFC, o lançamento do longa será adiado para três semanas antes da revanche que deve ser marcada entre os dois.

O filme de Poyart tem muita ação. O diretor usou bastante tecnologia e até inventou algumas geringonças para captar cenas em 360 graus, como uma grua com uma câmera na ponta que girava ao redor do octógono ou uma traquitana composta por 30 GoPros. Além disso, gravou com um equipamento que capta mais de 1000 quadros por segundo e com vários drones. O teaser do longa, que você confere abaixo, dá uma mostra. O filme trabalha várias camadas, disse Poyart para a VIP. Tem um nível de ação muito bom, tentamos fazer algo inédito no Brasil. Mas tem um nível de drama muito bom também. E tem romance que é bonitinho, fofo, há uma cumplicidade entre Aldo e a mulher dele, Vivi, que vieram de mundos diferentes. O filme funciona em vários níveis. Tudo isso junto em uma panela só, cozido. O lutador é interpretado por José Loreto e sua mulher, por Cléo Pires.

O roteiro foi escrito pelo próprio Poyart, com auxílio em um dos tratamentos do escritor Marcelo Rubens Paiva. Uma coisa que aprendi sobre José Aldo no processo é que ele defende o que conquistou com unhas e dentes. Desde que pensamos em fazer o filme, morríamos de medo toda vez que ele lutava, porque, se ele perdesse, comercialmente o filme poderia perder um pouco de relevância. Daí ele fez uma luta, fez duas, fez cinco e ganhou todas! Ele tem sangue no olho e uma gana absurda. Não quer perder esse título de jeito nenhum. Fico pensando de onde sai isso.

O filme deve ser lançado fora do Brasil também. Para isso, terá o auxílio do próprio UFC e será feito com parceiros da organização nos Estados Unidos. É uma história universal. Ele tem um nome reconhecido lá fora, diz Poyart.