Nos sapatos de Michael Jordan

Nike recupera tênis clássicos de Michael Jordan, o maior nome da história do basquete

jordan destVai lá… Faz igual, fera!

Certos ~viuvismos~ são inevitáveis. Como os santistas, por exemplo, poderiam não passar o restante dos dias lamuriando que ‘bom era o Pelé’? E olha que por lá surgiu muito mais gente boa, ousada e alegre. Mas não adianta. Quando um ‘maior da história’ passa, o legado é um invariável vazio. O vácuo nas coronárias dos fãs do Chicago Bulls atende pelo nome de Michael Jordan. O sujeito que melhor tratou a bola laranja (Kobe Bryant é Maradona) tem sua ausência sentida até hoje, 15 anos após ter largado o time da Cidade dos Ventos.

Michael Jordan foi um fenômeno. Sua carreira marcou profundamente não só os torcedores do Chicago Bulls, mas todos os americanos — e qualquer admirador do basquete. Sua presença, mesmo que meramente imagética ou conceitual, gera frisson. A Nike, patrocinadora do craque desde o início da sua carreira, sabe disso. Por isso explora a imagem de Jordan até hoje. Quer ver? Chega ao Brasil, agora na segunda quinzena de agosto, uma linha retrô do Nike Air Jordan, os icônicos calçados do jogador. O Sport Blue Pack traz três modelos de tênis inspirados em três importantes conquistas do americano.

aair jordan iiiO Nike Air Jordan III, de 1988 foi desenhado por Tinker Hatfield. Michael Jordan
foi eleito pela primeira vez MVP usando este tênis, um dos seus favoritos.

air jordan 6O Air Jordan VI, de 1991 calçou o astro do basquete na conquista do título de 1991.

air jordan 14Air Jordan XIV foi utilizado em 1999, na última temporada de Jordan pelos Bulls.

Os calçados têm preço sugerido de R$ 699,00 e serão comercializados em lojas selecionadas e no nike.com. O Nike Air Jordan III terá venda exclusiva na Nike 1994, loja conceito da marca que fica na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo.

A primeira leva do Air Jordan, lançada em 1985, fez impressionantes US$ 153 milhões no primeiro ano de vendas — o contrato de Jordan com a Nike rende ao astro US$ 20 milhões anuais e tem validade até 2023. Ou seja, se a Nike desenvolver um tênis para cada conquista da carreira do jogador, vai ter material para recuperar o patrocínio com facilidade. Michael Jordan foi uma máquina avassaladora de fazer história.

O primeiro nascimento de Michael Jordan aconteceu em 17 de fevereiro de 1963, no bairro nova-iorquino do Brooklyn. O segundo rolou em 26 de outubro de 1986, quando Jordan estreou na NBA pelo Chicago Bulls (com uma medalha de ouro olímpica já no peito, ganha como universitário). Foram tímidos 16 pontos — rendimento fraco se comparado com a impressionante média da carreira: 32,3 por jogo, a maior da história.

Michael Jordan faz sua estréia na NBA com 21 anos. Ele foi eleito a revelação da temporada

Na temporada 1987/88 da NBA, Michael Jordan foi eleito MVP da temporada regular. O Bulls, no entanto, não acompanhava o talento da estrela. Nada que tenha feito a estrela fazer bico ou pedir pra sair. Jordan teve a paciência recompensada na temporada 1990-91, quando o timaço do Chicago Bulls — comandado por Phil Jackson e com Scottie Pippen e Horace Grant — conquistou o primeiro título da NBA. A conquista repetiu-se nas duas temporadas seguintes e, somada ao fabuloso Dream Team das Olimpíadas de 1992, elevou Jordan ao status de ídolo máximo do time e maior nome do basquete norte-americano.

Michael-Jordan-017😛

Na ~crista da onda~, Jordan fez o que se espera dos gênios — uma cagada excentricidade. Aos 30 anos, Michael Jordan anunciou a aposentadoria, alegando falta de vontade. Ele abriu mão de um salário de 4 milhões de dólares e outros US$ 30 milhões em contratos publicitários para ganhar US$ 10 mil no modesto Birmingham Barons, um time de beisebol do Alabama. A aventura durou pouco mais de um ano e 139 partidas — 65 vitórias e 74 derrotas.

Na volta ao basquete, usou a camisa 45 do Chicago Bulls — a tradicional tinha sido aposentada junto dele. Mas azar não atinge gênios. Michael Jordan liderou os Bulls em outras três conquistas, sendo eleito MVP dos playoffs em todas as ocasiões. No período, conseguiu arrumar um tempo para o seu maior troféu gravar com Pernalonga e Patolino o clássico ‘Space Jam: O Jogo do Século’.

TERRY FRANCONA AND MICHAEL JORDANEntre 1993 e 94, Jordan foi curtir uma temporada lixo no baseball. Só de ~brinks~

bgjfs5yEm 1996, se juntou aos Looney Tunes em ‘Space Jam: O Jogo do Século’

A segunda aposentadoria aconteceu em janeiro de 1999, com o eminente desmanche do Chicago Bulls. Para muitos, foi o fim definitivo da história mais brilhante do basquete. Mas Jordan ainda voltou às quadras em 2001, com quase 40 anos. Ele era proprietário do Washington Wizards e resolveu dar uma força para a companhia. A ~brincadeira~ rolou até 2003, quando Jordan colocou um ponto final na carreira e foi jogar golfe.

Pelos menos até agora.

– — –

>>> Esse vídeo rodou na web na última semana. Ele mostra o já cinquentão Jordan arrepiando numa escolinha, convertendo onze bolas consecutivas.

 Jordan tiozão joga fácil.