Sobre Junior Cigano e a Nova União

Não fui ontem à academia Upper,  no Rio de Janeiro, quando a TNT anunciou que Renan Barão, campeão dos galos do UFC, seria o mais novo patrocinado da marca, ao lado de José Aldo (campeão dos penas) e Junior Cigano (ex-campeão dos pesados). Portanto, não ouvi exatamente o que Cigano falou na ocasião sobre incluir […]

Não fui ontem à academia Upper,  no Rio de Janeiro, quando a TNT anunciou que Renan Barão, campeão dos galos do UFC, seria o mais novo patrocinado da marca, ao lado de José Aldo (campeão dos penas) e Junior Cigano (ex-campeão dos pesados). Portanto, não ouvi exatamente o que Cigano falou na ocasião sobre incluir em sua rotina treinos na Nova União. Mas li uma série de coisas em sites, como ele ter trocado suas equipes, a Champion, de Luiz Dórea, e a Team Nogueira, dos gêmeos Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro, pela equipe de Dedé Pederneiras. Não foi exatamente isso. O que Cigano está fazendo é mesclar treinos em suas agora três equipes. Ele quer pegar o que cada uma pode trazer de melhor. E, honestamente, não consigo entender quem não consegue entender essa escolha dele.

Cigano Jaraguá

Cigano está fazendo uma coisa diferente. Não vai virar as costas para quem o ajudou a ser campeão mundial. E isso não tem a ver com gratidão. Ele considera que elas ainda são boas para sua carreira. Mas ele quer evoluir. Depois de duas derrotas seguidas para Cain Velasquez, Junior Cigano está fazendo o que um lutador realmente profissional deve fazer: procurar o melhor para si. Por isso escolheu também treinar na Nova União. Embora a academia não tenha tradição com pesos-pesados, ela tem Dedé Pederneiras, um cara muito inteligente, à frente (escrevo na VIP de março, aliás, um perfil de 5 páginas sobre Dedé e o segredo de seu sucesso).

Segunda-feira da semana passada, passei o dia na Upper, academia onde acontecem os treinos da Nova União, e Cigano estava lá. Na ocasião, conversamos longamente sobre essa sua nova estratégia. Ele me contou que parece que tem gente que não entende sua escolha. Está magoado com um monte de mentiras que estão saindo sobre ele — e que afetam pessoas de quem ele gosta muito. Ontem, colocou uma foto no Instagram com uma espécie de recado-resposta: nela, ele diz que a parceria com Dórea nunca vai acabar. Na Upper, Cigano me disse que quem realmente importa para ele entendeu essa sua novidade e apoiou. Caso de Dórea e Minotauro, por exemplo. Mas disse que têm sido alvo de críticas.

Acho interessante essa história. Todo mundo do meio briga para o MMA ser visto como um esporte profissional. Mas muitos relutam em aceitar quando um lutador quer realmente mostrar que é um profissional e, como um profissional, precisa buscar evolução. Precisa buscar o que é melhor para si. Precisa correr atrás do que existe de melhor para seu treinamento. Mesmo que isso implique em um “rodízio” de equipes. Já passou da hora de pararmos de usar termos como “creontagem” e adjetivos do tipo para descrever situações assim. Temos que aplaudir situações como esta, que mostra que lutador de verdade tem que ser humilde e correr atrás de melhorar sempre. Se ele não fizer isso, vai ficar para trás.